Nº28 - 14-07-2013

Anteriores

Nº28 - 14-07-2013

NA BARCA DA FÉ

 

FÉRIAS

Na Barca da Fé, a nossa folha paroquial, vai deixar de ser editada até ao final das férias. Em Setembro estará de volta, com a mesma força e regularidade, procurando ser elo de união entre toda a Comunidade Paroquial de S. Pedro de Barcarena.

As férias são necessárias e importantes. Por isso, são um direito, embora ainda não reconhecido para todas as pessoas. Neste ano, talvez, muitos não poderão fazer férias como costumavam. Contudo, haja criatividade e não faltarão formas de descansar, recuperar forças e energias, para encarar, depois, mais um ano de trabalho.

Para a nossa relação com Deus não há férias. Para muitos, aliás, é uma boa ocasião, pela maior disponibilidade de tempo, para rezar mais e mais meditar a Palavra de Deus. Que bom que o fosse para todos os cristãos.

Aproveito para agradecer a todos aqueles e aquelas que têm tornado possível a publicação semanal desta nossa Folha Paroquial. E é uma grande equipa: são os que escrevem os textos, aqueles que fazem a composição gráfica, os que fotocopiam, os que dobram e aqueles que fazem a distribuição. Cada um ao seu jeito, mas sempre com muito carinho e dispondo, gratuitamente, do seu tempo! Bem hajam todos!

Durante o mês de Agosto, a começar no dia 1 e até ao dia 30, não haverá celebração da Missa nos dias de semana, nem Missas vespertinas nos sábados. Far-se-á como em outros anos. No Domingo, mantêm-se as celebrações nos horários habituais. No dia 31 de Agosto, Sábado, voltar-se-á ao ritmo normal, com as Missas vespertinas em Queluz de Baixo e Tercena.

O vosso Pároco,

Padre Mário Faria Silva



VIVER A PALAVRA - XV DOMINGO DO TEMPO COMUM

L 1          Deut 30, 10-14; Sal 68 (69), 14 e 17. 30-31. 33-34. 36ab-37 ou Sal 18 B (19), 8. 9. 10. 11
L 2          Col 1, 15-20
Ev           Lc 10, 25-37

Shema Israel, o Senhor é um

As leituras, deste Domingo, convidam-me a procurar Deus no concreto da minha vida. O Cristianismo, nestas leituras, apresenta-se-me não como uma filosofia ou um conjunto de teorias místicas, mas sim como uma prática. Em especial a primeira leitura do Deuteronómio lembra-me que, não devo deixar que os espinhos do mundo, me obscureçam o discernimento e me levem a pensar que, Deus é algo distante, que está no céu e que a vida eterna ainda tarda a chegar “… a palavra está perto de ti, está na tua boca e no teu coração, para que a possas cumprir.” (Deut 30, 14).

Um missionário espiritano contou-me que, um dia ao falar de Cristo pela primeira vez a um homem da tribo Massai, obteve uma resposta pronta parecida com “ O finito não pode conter o infinito”, ou seja, Deus não pode ser homem. São Paulo explica-me como Deus não segue o nosso bom senso. “Meus irmãos: Cristo Jesus é a imagem do Deus invisível, é o Primeiro entre todos os seres criados.” (Col 1, 15). Nas minhas conversas Deus não pode ficar no mundo das conjecturas, Deus é Cristo. A verdade não é relativa, não depende do referencial que assumo nas minhas hipóteses, não depende do observador, a verdade é Cristo.

Outra leitura, que me fala à minha vida, é o Evangelho deste Domingo, porque me faz pensar na transmissão da fé aos meus filhos. Esta leitura ensina-me que, a catequese, não pode ser só dizer aos meus filhos que Jesus é nosso amigo. É muito mais. Tenho que lhes falar como Jesus actua na minha vida. Tenho que lhes ensinar os mandamentos de Deus, não os 613 mandamentos dos fariseus (365 negativos e 248 positivos); mas sim os mandamentos sintetizados no Evangelho deste Domingo “… Amarás o Senhor, teu Deus, com todo o teu coração, com toda a tua alma, com todas as tuas forças e com toda a tua mente; e ao próximo como a ti mesmo.” (Lc 10, 27). Este Evangelho diz-me que a vontade de Deus é simples de transmitir aos meus filhos. Esta transmissão será tanto mais frutífera quanto mais a minha vida estiver de acordo com as minhas palavras. 

Paulo Chambel Leitão



Evangelização e Testemunho da Caridade – Parte IV

O texto que publicamos neste número da nossa folha paroquial termina a nossa reflexão sobre Evangelização e Testemunho da Caridade.

Durante o período de verão suspenderemos a publicação da “Barca da Fé”.

Que este texto conclusivo seja farol que nos ilumina neste tempo de descanso.

Boas Férias!

A Família Cristã guardiã do Amor de Deus

Na edificação de uma comunidade eclesial, unida na caridade e em Cristo, é fundamental o testemunho e a missão da família cristã. Fundada pelo sacramento do matrimónio igreja doméstica”, a família tem a missão de guardar, revelar e comunicar o amor, qual reflexo vivo e participação real do amor de Deus pela humanidade e do amor de Cristo pela Igreja, sua esposa”. (João Paulo II, Exortação Apostólica Familiaris Consortio, Nº 17).

A relação de amor recíproco entre o homem e a mulher (sinal do amor trinitário de Deus), a fidelidade conjugal, a paternidade e a maternidade responsáveis e generosas, o acolhimento dos idosos, o empenho em ajudar outras famílias em dificuldade, se praticados com coerência e dedicação, fazem da família a primeira célula vivificante da qual partir para construir relações de autêntica humanidade na vida social.

Amor preferencial pelos pobres expresso nas obras de misericórdia corporais e espirituais

Seguindo o exemplo de Jesus, o Evangelho impele-nos não só para as obras de misericórdia corporais (socorrer a pobreza material dos irmãos), mas também para as obras de misericórdia espirituais (responder à pobreza humana mais profunda e radical, aquela que toca o espírito do homem e a sua absoluta necessidade de salvação). Expressões concretas deste trabalho podem ser, por exemplo, a ajuda a quem busca a verdade e a quem precisa de redescobrir o sentido de Deus e do Seu Amor.

O amor preferencial pelos pobres, imagem de Jesus, é uma exigência intrínseca do Evangelho e um dever de toda a comunidade cristã.

Carlos Manuel Borges



VIDA PAROQUIAL

1.    Peregrinação Paroquial a Fátima

No próximo Sábado (dia 20 de Julho) vamos realizar a Peregrinação Paroquial a Fátima. Ainda há alguns lugares disponíveis. Todos os participantes devem estar nas diferentes Comunidades, o mais tardar, às 7:00 horas da manhã.

2.    Alterações ao horário das Missas Dominicais e Vespertinas no Verão 

Dias 20 de Julho

Devido à Peregrinação Paroquial a Fátima, não haverá qualquer Celebração da Missa na Paróquia.

Dia 27 de Julho

As Missas Vespertinas de Queluz de Baixo e Tercena passam a ser nos seguintes horários: Queluz de Baixo – 19:00 horas   Tercena – 20:00 horas.

Mês de Agosto

Serão canceladas as Missas Semanais em Barcarena, Queluz de Baixo e Tercena.

Serão canceladas as Missas Vespertinas (Sábados à tarde) em Queluz de Baixo e Tercena.

Serão mantidas as Missas Dominicais: Queluz de Baixo, às 9:00 horas, Tercena, às 10:30 horas, Leceia, às 11:00 horas e Barcarena, às 12:00 horas.

Comunidade de Valejas

A partir deste fim de Semana e até ao final do período de Verão não haverá Celebração da Missa em Valejas.

3.    Viagem de Jovens a Taizé

A nossa Paróquia está a organizar uma viagem com Jovens a Taizé. Se tens entre 15 e 30 anos, convidamos-te a participar.

Estamos certos de que esta será uma viagem inesquecível.

Ainda temos alguns lugares.

Se quiseres participar, deves, o mais rapidamente possível, fazer a tua inscrição junto do Miguel Figueiredo, Teresa Cabral ou Carlos Borges.

4.    Encerramento do Cartório Paroquial

Por motivo de férias, o Cartório estará encerrado de 15 a 26 de Julho. Reabre a 30 de Julho. Volta a encerrar de 19 a 30 de Agosto, reabrindo a 3 de Setembro.

Chama-se a atenção destas datas a todos aqueles Paroquianos que tiverem processos a tratar no Cartório Paroquial.


©2019 Paróquia de São Pedro de Barcarena