Nº22 - 02-06-2013

Anteriores

Nº22 - 02-06-2013

NA BARCA DA FÉ

 

CORPO E SANGUE DE CRISTO

Será possível resumir toda a vida e toda a obra, toda a pessoa de Jesus num só gesto? Sim, é possível. E foi o próprio Jesus que o escolheu e tornou real na noite que antecedeu a sua paixão. Durante a Última Ceia, tomou o pão, partiu-o e disse: “Isto é o Meu Corpo”. Depois tomou o vinho e disse: “Este é o Meu Sangue”.

Com este gesto, Jesus quis dizer aos seus discípulos: toda a minha existência foi um dom feita aos homens. Eu não reservei para Mim um único instante da minha vida, nem sequer uma célula do meu corpo, ou uma gota do meu sangue.

Sempre que, a convite do Senhor, a comunidade cristã reparte o pão eucarístico, isso representa Jesus que doa a sua vida por amor. Como podemos nós repetir este gesto, que simboliza sacrifício e dom de vida, a união a Cristo e aos irmãos, e depois, fomentar divisões, alimentar discórdias, perpetuar desigualdades?

Ao reflectirmos sobre a vida tantas vezes incoerente da nossa comunidade cristã, talvez nos tenhamos perguntado se poderemos continuar a celebrar a Eucaristia. É uma dúvida legítima. No entanto, é preciso ter presente que o pão eucarístico é um dom e não um prémio a que só os bons têm direito. É um alimento oferecido também aos pecadores. Mesmo que nos demos conta de sermos indignos, continuemos a celebrar a Eucaristia, porque ela nos recorda a nossa condição de pecadores, estimulando-nos a tornar-nos o que ainda não somos: pão partido pelos irmãos.

O vosso Pároco,

Padre Mário Faria Silva



VIVER A PALAVRA - DOMINGO DE CORPO DE DEUS

L 1          Gen 14, 18-20
L 2          1 Cor 11, 23-26
Ev           Lc 9, 11b-17

Sinto as leituras deste fim-de-semana como um apelo à guerra santa. No entanto, nesta como todas as guerras promovidas por Cristo a arma é a oração e o campo de batalha é o coração do homem. Só através da oração consigo aceitar as pequenas luzes que estas leituras acendem dentro de mim. A primeira luz mostra-me que eu quero através das minhas forças providenciar o que eu acho que faz falta aos meus filhos “… Despede a multidão para que vão aos povoados e aos campos vizinhos procurar pousada e alimento, pois estamos num lugar deserto... ” (Lc 9,12) . O caminho que Deus me propõe é outro, é o de lhe pedir várias vezes ao dia o pão nosso de cada dia “Dai-lhes vocês mesmo de comer…” (Lc 9, 13). O caminho que tenho tendência para seguir é de trabalhar e poupar para poder assegurar uma velhice tranquila a mim e aos meus “…Não temos mais que cinco pães e dois peixes… Com efeito eram quase cinco mil homens” (Lc 9, 13-14). O caminho da providência divina não é natural em mim mas a Igreja incentiva-me a percorre-lo porque o senhor é fiel “…E tomando os cinco pães e os dois peixes, ele elevou os olhos para o céu, os abençoou, partiu-os e deu aos discípulos para que os distribuíssem à multidão. Todos comeram e ficaram saciados…” (Lc 9, 16-17).

A segunda luz põe a descoberto outro caminho ainda mais difícil para mim. Este caminho leva-me à procura do pão que desceu do céu, não o Maná que Deus enviou para providenciar ao povo Judeu (os nossos irmãos mais velhos na fé) o pão nosso de cada dia durante a travessia do deserto. Trata-se sim, de procurar o pão que realmente tira esta fome infinita que tenho de Deus, mas que tento enganá-la com os prazeres deste mundo. Onde é que posso encontrar este pão? São Paulo dá-me a resposta “…na noite em que foi entregue, o Senhor Jesus tomou o pão e, depois de dar graças, partiu-o e disse: “Isto é o meu corpo, que é para vós; fazei isto em memória de mim”…” (1 Co 11, 23-24). Na Eucaristia!

 A minha pouca fé já só consegue ver mais uma luz. Esta mostra-me a importância de partilhar o pão terreno mas principalmente o pão do céu. À minha volta vejo uma fome imensa de Deus. Um dos sinais dessa fome são as promessas cumpridas em Fátima por pessoas que não têm relação nenhuma com a Igreja e a necessidade que as pessoas têm de baptizar os filhos mesmo não tendo uma relação próxima com a Igreja. As pessoas procuram Deus mas não encontram no seu dia-a-dia sinais da sua presença logo tendem a afastar-se. Deus convida-me no meu dia-a-dia a partilhar a palavra de Deus e a contar aos que me rodeiam as maravilhas que Jesus tem feito na minha vida. 

Paulo Chambel Leitão



Solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo

Hoje celebramos a Solenidade do Corpo e do Sangue do Senhor, celebramos o Mistério da Eucaristia, manifestamos que Cristo ressuscitado caminha no meio de nós e nos guia para o Reino do céu. O que Jesus nos doou na intimidade do Cenáculo, na noite de Quinta-Feira Santa, hoje manifestamo-lo abertamente, porque o amor de Cristo não está destinado a alguns, mas a todos”. (Bento XVI, Homilia Missa da Solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo, 23 de Junho de 2011)

O que é fé?

A fé é dizer: “Senhor, eu sei que Tu estás aqui. Não questiono como estás aqui”.

Todas as explicações humanas são racionalizações que reduzem Deus à medida do homem.

Jesus torna-se Sacerdote na Encarnação, torna-se Sacerdote segundo a ordem de Melquisedeque que aparece como uma figura simbólica, sem pai, sem mãe, sem pátria, isto é, como o Filho de Deus que não é deste mundo. Jesus torna-se Sumo-Sacerdote porque une o homem a Deus e Deus ao homem. O momento fundamental em que Cristo exerce o Seu Sacerdócio Eterno é o Sacrifício Eucarístico.

As palavras que o Sacerdote pronuncia: “Fazei isto em Minha Memória” não traduzem minimamente o significado da palavra aramaica que Jesus pronunciou. Em aramaico, o fazer memória quer dizer tornar presente o que aconteceu. Jesus ao dizer: “Fazei isto em Minha Memória” quer dizer “Revivei”. Jesus diz: “Isto é o Meu Corpo”, “Este é o Meu Sangue”; Não diz: “Isto recorda o Meu Corpo, o Meu Sangue”.

Sempre que celebramos a Eucaristia temos no altar, bem pertinho de nós, Jesus!

E, temos a comunhão. Jesus disse: “Aquele que Me come viverá por Mim” (Jo 6, 57). A Eucaristia é o encontro vivo com Jesus vivo e operante em nós!

É bonita e muito eloquente a expressão «receber a comunhão» referida ao gesto de comer o Pão eucarístico. Com efeito, quando realizamos este gesto, entramos em comunhão com a própria vida de Jesus, no dinamismo desta vida que se doa a nós e por nós. Mediante o pão e o vinho consagrados, nos quais estão realmente presentes o Seu Corpo e o Seu Sangue, Cristo transforma-nos, assimilando-nos a Ele”. (Bento XVI, Homilia Missa da Solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo, 23 de Junho de 2011)

Carlos Manuel Borges



VIDA PAROQUIAL

1.    Contributo Paroquial

Este fim de semana, no Ofertório das Missas Dominicais e Vespertinas, está a ser recolhido o Contributo Paroquial que se destina a assegurar todas as despesas relacionadas com a vida da Paróquia.

 

2.    Procissão do Corpo de Deus – Dia 2 de Junho, às 17:00 horas, Sé Patriarcal

Celebramos hoje a Solenidade do Corpo de Deus.

Tendo em atenção o encerramento da “Semana da Fé”, o Senhor Cardeal Patriarca pretende também que, este ano, a Procissão seja um momento alto de afirmação profunda e significativa da nossa fé no coração da Cidade.

Contamos com a presença dos Paroquianos nesta importante celebração!

 

3.    Adoração ao Santíssimo em Tercena

Na próxima Quinta, dia 6 de Junho, entre as 16:00 e as 17:30 horas, haverá Adoração ao Santíssimo na Igreja de Tercena.

 

4.    Encerramento da Catequese

No próximo Sábado, dia 8 de Junho, na Missa com Crianças, às 15:15 horas, na Igreja Paroquial, faremos o Encerramento da Catequese. A seguir à Missa haverá um momento de convívio.

Todas as crianças são convidadas a participar nesta cerimónia de encerramento.

 

5.    Festa em Honra de Santo António – Tercena

Dia 13 de Junho:

10:30 horas – Procissão do Centro Social (Creche de Tercena) para a Igreja de Santo António, seguida de Missa.

20:30 horas – Missa Solene em honra de Santo António, seguida de Procissão pelas Ruas de Tercena.

Dia 16 de Junho:

Almoço-Convívio na Quinta do Filinto. Inscrições até ao dia 13 de Junho. Preço: 12,50 €.

 

6.    Encontro com Catequistas para Avaliação do Ano de Catequese

No dia 23 de Junho (Domingo) vai realizar-se um encontro geral de Catequistas para avaliação do Ano de Catequese. Este encontro começará com o almoço, às 13:30 horas, e terminará no final da tarde. Pede-se a todos os Catequistas o favor de se inscreverem, o mais rapidamente possível, neste encontro. Podem fazê-lo junto das Coordenadoras da Catequese.


©2019 Paróquia de São Pedro de Barcarena