Recentes



Nº237 06-05-2018

Anteriores

Nº237 - 06-05-2018

NA BARCA DA FÉ

 

VÓS SEREIS MEUS AMIGOS

Jesus, no Evangelho deste Domingo (Jo 15, 9-17), quer que os discípulos sejam amigos e não servos (Jo 15, 14-15). O servo não tem nada em comum com o projecto do patrão: cumpre a tarefa e as ordens que lhe são confiadas, recebe uma recompensa pelo trabalho realizado e, à noite, volta para casa a fazer a própria vida. O amigo, ao contrário, é um confidente, é alguém com o qual se estabelece uma comunhão de vida, de projectos, de intenções. O amigo é feliz quando pode fazer algum favor, nunca exige recompensa pelo serviço prestado, não tem segredos.

Jesus chama “amigos” aos Seus discípulos porque lhes revelou o projecto do Pai (Jo 15, 15) e os chamou a colaborar com Ele na realização deste desígnio.

Se a comunidade cristã é composta por “amigos”, são, então, excluídas as relações: superior-súbito, patrão-escravo, mestre-discípulo. Todos os seus membros estão no mesmo plano, gozam todos da mesma dignidade.

Depois de ter lavado os pés aos apóstolos, Jesus admite o título de “Mestre e Senhor”, mas dá-lhe um significado completamente novo: o “primeiro”, o que é “grande” na comunidade é aquele que lava os pés ao último. Não há lugar para quem, em vez de servir, tem a ambição de ocupar cargos prestigiosos e honoríficos.

Procuremos responder às seguintes perguntas: quando pensamos que, se observamos os mandamentos, receberemos uma grande recompensa, estamos a raciocinar como amigos ou como servos? Tomaremos a peito o projecto do Pai? Conheceremos, ao menos, esse projecto? O que é que fazemos para o realizar? Que tipo de relações se instaurou entre os membros da nossa comunidade?

O vosso Pároco,

Padre Mário Faria Silva



VIVER A PALAVRA - DOMINGO VI DA PÁSCOA – Ano B

LEITURA I – Atos 10, 25-26. 34-35. 44-48; SALMO – Salmo 97 (98); LEITURA II – 1 João 4, 7-10; EVANGELHO – João 15, 9-17.

“DEUS É AMOR”

Neste sexto Domingo do Tempo da Páscoa toda a Palavra me fala de Amor.

Do amor pleno de Deus para com os Homens, quando São Pedro, na primeira leitura, revela que «Na verdade, eu reconheço que Deus não faz acepção de pessoas, mas, em qualquer nação, aquele que O teme e pratica a justiça é-Lhe agradável». 

Do Amor que é a essência de Deus, impressa na imagem de Seu Filho, Jesus Cristo crucificado e ressuscitado, como se revela na segunda leitura - «Assim se manifestou o amor de Deus para connosco: Deus enviou ao mundo o seu Filho Unigénito, para que vivamos por Ele». 

Do amor de Deus Pai para com os Seus filhos, transmitido no Evangelho, pela relação de amor de Jesus com os Seus discípulos - «Assim como o Pai Me amou, também Eu vos amei. Permanecei no meu amor».

Jesus Cristo, por amor, deixou-se crucificar; por amor, perdoou aos que lhe batiam, Ele Filho de Deus, sendo Amor, tudo suportou por mim, para que eu ao vê-Lo possa ver o amor que Deus tem por mim, um amor de Pai. De um Pai que me espera, que me perdoa, que não desiste de mim. Pelo Baptismo recebi esta essência, e com o espírito vivificante de Jesus é possível eu amar nesta dimensão da Cruz, é este o Seu mandamento «tudo quanto pedirdes ao Pai em meu nome, Ele vo-lo concederá. O que vos mando é que vos ameis uns aos outros» (Jo15,9-17). Como mulher, esposa e mãe, é possível amar os outros, amar o marido e os filhos, que por vezes não me compreendem, que não fazem a minha vontade, que me desobedecem, educando-os com paciência, dizendo milhares de vezes a mesma coisa, sacrificando-me noites sem dormir. Deixar o meu orgulho e teimosia e aceitar a maneira de ser do meu marido, perdoando-o e pedindo-lhe perdão. Peço ao Senhor que todos os dias eu possa cantar «ao Senhor um cântico novo pelas maravilhas que Ele operou» (Sl 97). 

Mónica Morgado



VIVENDO A FÉ - “Maria, Mãe do Belo Amor!”

Dedicar o mês de maio a Maria é uma devoção popular, enraizada há séculos, em todo o Mundo.

São João Paulo II dizia: “O mês de maio encoraja-nos a pensar e a falar de modo especial d’Ela. Este é o Seu mês … o mês que chama e convida os nossos corações a abrirem-se, de maneira singular, para Maria” (Audiência Geral, 2 de maio de 1979).

O Evangelho da Missa em Honra de Nossa Senhora de Fátima, que escutaremos, convidar-nos-á a meditarmos no Mistério da Maternidade de Maria, Mãe de Deus e nossa Mãe, à qual Jesus Crucificado disse: "Mulher, eis o teu Filho". E, dirigindo-se ao Discípulo Amado, que representava todos nós, acrescentou: "Eis a tua Mãe" (Jo 19, 26-27).

Isto mesmo nos recordou o Papa Francisco, há um ano, em Fátima: “Temos Mãe! Uma «Senhora tão Bonita»! Assim comentavam entre si os videntes de Fátima a caminho de casa, naquele abençoado dia treze de maio de há cem anos atrás”.

Aos pés da Cruz, "O Discípulo recebeu-A em sua casa" (Jo 19, 27), isto é, acolheu-A como sua, acolheu-A em nosso nome. Maria, a Mulher por excelência, a Mãe de Jesus, tornou-se ali, junto à cruz, a Mãe dos crentes, a Mãe da Igreja, a nossa Mãe.

“Temos Mãe, temos Mãe! – repetiu o Santo Padre – Agarrados a Ela como filhos, vivamos da esperança que assenta em Jesus”.

Durante este mês, de uma forma especial, somos convidados a aceitar o desafio de Francisco: “Sob a protecção de Maria, sejamos, no mundo, sentinelas da madrugada que sabem contemplar o verdadeiro rosto de Jesus Salvador (…), saibamos descobrir novamente o rosto jovem e belo da Igreja, que brilha quando é missionária, acolhedora, livre, fiel, pobre de meios e rica no amor. (…) Sempre que olhamos para Maria, voltamos a acreditar na força revolucionária da ternura e do carinho” (Evangelii Gaudium, 288).

Durante este mês de maio, cada um de nós é convidado a aproximar-se de Maria, a Mãe do Belo Amor. Tenhamos confiança n'Ela. Confiemos a Ela a nossa vida. 

Amemo-La com o amor simples e ardoroso dos nossos corações.

Diácono Carlos Manuel Borges



VIDA PAROQUIAL

1.    Mês de Maio, Mês de Maria – Recitação do Terço

Durante o mês de Maio haverá recitação do terço, nos seguintes horários e nas seguintes Comunidades:

Queluz de Baixo

Domingo, 2ª, 3ª e 5ª Feira, às 21:00 horas. Sábado, 4ª e 6ª Feira, às 18:30 horas (antes das Missas).

Tercena

Todos os dias, às 21:00 horas, excepto Sábado que será às 18:15 horas (antes da Missa Vespertina).

2.    Festa Litúrgica de Santa Madalena de Canossa

Na próxima terça-feira, dia 8 de Maio, ocorre a Festa Litúrgica de Santa Madalena de Canossa, Fundadora das Irmãs Canossianas.

Haverá Missa Solene, em Queluz de Baixo, às 20:30 horas.

Nesta Celebração será proclamada a Abertura do Ano Jubilar “50 Anos de Presença das Irmãs Canossianas na Paróquia de Barcarena”.

Contamos com a vossa presença nesta Celebração.

3.    Exposição do Santíssimo Sacramento em Tercena

Na próxima quinta-feira, dia 10 de Maio, entre as 16:00 e as 17:30 horas, haverá Exposição do Santíssimo em Tercena.

4.    Reunião com os Pais dos Adolescentes que fazem a Profissão de Fé

Na próxima sexta-feira, dia 11 de Maio, às 21:00 horas, na Igreja Paroquial, haverá uma Reunião com os Pais dos Adolescentes que fazem a Profissão de Fé. Contamos com a pontualidade e presença de todos os Pais!

5.    Festas em Honra de Nossa Senhora de Fátima e Feira Social

Entre os dias 11 e 13 de Maio, em Queluz de Baixo, decorrerão as Festas em honra de Nossa Senhora de Fátima e a Feira Social.

No dia 12 de Maio, às 20:30 horas, haverá, na Igreja de Queluz de Baixo, Missa Solene, seguida de Procissão de Velas. No dia 13 de Maio, às 11:00 horas, haverá, no Centro Jovem, Missa Solene de Encerramento da Festa.

6.    Aquisição de Velas para a Procissão do dia 12 de Maio

Junto à casa das Irmãs Canossianas haverá um “posto” para a aquisição das velas para a Procissão. Não há um preço estabelecido. Cada Paroquiano contribuirá com o que puder.

7.    Peregrinação Paroquial a Fátima

A partir deste fim de semana, em cada Comunidade, estarão abertas as inscrições para a Peregrinação Paroquial ao Santuário Fátima, agendada para o dia 7 de Julho.

O custo é o seguinte: Adultos – 12,00 € ; Crianças (até aos 10 anos) – 8,00 €.


©2018 Paróquia de São Pedro de Barcarena