Recentes



Nº230 18-03-2018

Anteriores

Nº230 - 18-03-2018

NA BARCA DA FÉ

 

GRANDE É QUEM AMA!

No Evangelho proclamado neste Domingo (Jo 12, 20-33) as palavras de Jesus reportam-se a uma experiência que cada um de nós pode fazer: na natureza nada é produzido se antes não houver uma morte. O grão de trigo, para se tornar espiga, deve desaparecer debaixo da terra. Também o ser humano, se quiser valorizar a sua vida, se quiser fazer nascer um mundo novo, deve ter a coragem de morrer, ou seja, a coragem de se doar a si mesmo por amor: “Quem ama a sua vida perdê-la-á e quem odeia a sua vida neste mundo conservá-la-á para a vida eterna” (Jo 12, 25). Segundo Jesus, o ser humano atinge o ponto máximo quando se entrega.

A comparação com o trigo ajuda-nos ainda mais. Quando é lançada à terra, a semente parece perder-se e morrer, mas, a seguir, despertada pelos raios de sol, reaparece, multiplica-se por cem, numa espiga que proclama a vitória da vida.

Jesus convida os seus discípulos a imitar o gesto sábio do camponês que se priva da semente, dizendo-lhes para não terem medo de perder a própria vida, porque quem morre por amor entra na glória de Deus.

Mas Jesus não se limita a palavras de encorajamento, não faz como aqueles que, nas florestas africanas, vão à caça do “palavi”. Quando estão diante da fera enorme e perigosa, dizem uns aos outros: “Força, vai tu à frente com a lança!”.

Jesus encoraja os discípulos, mas enfrentando Ele primeiro a morte e demonstrando que quem se oferece a si mesmo por amor alcança a ressurreição.

Lendo este Evangelho, talvez tenhamos sentido também o desejo de “ver” Jesus. A quem queira “vê-l’O”, Ele manifesta o Seu verdadeiro rosto; um rosto que talvez nos desconcerte porque é o rosto de alguém que exige do discípulo uma generosidade total, como a Sua. Seguir Cristo não é fácil. Também Ele, perante a morte, “ficou muito perturbado” (Jo 12, 27), mas não fugiu, nem Se escondeu. E, quando chegou a Sua hora, demonstrou a todos como era grande o seu amor. 

O vosso Pároco,

Padre Mário Faria Silva



VIVER A PALAVRA - DOMINGO V DA QUARESMA – Ano B

LEITURA I – Jeremias 31, 31-34; SALMO – Sal 50 (51), 3-4. 12-13. 14-15;
LEITURA II – Hebreus 5, 7-9; EVANGELHO – João 12, 20-33.

As frases que captaram a minha atenção nas leituras deste Domingo foram "Em verdade, em verdade vos digo: Se o grão de trigo, lançado à terra, não morrer, fica só; mas se morrer, dará muito fruto. Quem ama a sua vida, perdê-la-á, e quem despreza a sua vida neste mundo conservá-la-á para a vida eterna. " (Jo 12, 25-26 ).

Eu vejo esta palavra cumprida no convento das Monjas de Belém localizado a 8 km da Vila Alentejana do Couço que já visitei com a minha família. Estas irmãs deixaram tudo para fixarem a sua atenção em Deus. O mundo frente a este facto reage dizendo que estas mulheres estão a passar ao lado da vida, estão a fugir de algum problema, etc. A fé da Igreja diz-me que Deus as tocou no concreto da sua vida e tiveram a coragem de O seguir. Esta palavra também se concretiza na vida de uma irmã minha na fé (não confundir com irmã de sangue ou com irmã fraternal segundo o conceito maçónico) que virou costas a um trabalho muito bem pago porque este a estava a afastar de Deus. Para estas anomalias sociais o mundo tem sempre explicações muito complexas de causa/efeito que têm sempre como única motivação garantir que Deus não existe.

Ao longo da minha vida de Igreja tenho ouvido muitos testemunhos de fé. Estes normalmente consistem na descrição de ações muito claras e energéticas. Os porquês normalmente são vagos e aproximam-se mais da poesia que de uma tese. Nestes testemunhos o foco é como Deus mudou a vida daquela pessoa em concreto.

Os testemunhos que ouço do mundo normalmente têm um formato de discurso e estão focados em como alterar a vida dos outros.  Estes discursos são normalmente complexos do ponto de vista intelectual, mas tendem a descrever poucas ações. Quando estas são descritas são normalmente ações futuras e raramente se descrevem acontecimentos passados que sejam inspiradores.

Penso que este facto é uma consequência lógica do mundo querer negar Deus. Se Ele não existe a vida não tem sentido e se a vida não tem sentido nada que se faça no concreto pode mudar o absurdo da vida. Só resta anestesiar os sentidos para não pensar na morte. 

Paulo Chambel Leitão



VIVENDO A FÉ - Quaresma 2018

“Jesus viu […] e teve compaixão” (Mc 6, 34)

Continuamos  a  nossa  Caminhada  Quaresmal  que  se  centra  na  frase  do Evangelho: “Jesus viu […] e teve compaixão”. (Mc 6, 34)

Esta semana continuaremos a construir a palavra “QUARESMA”, colocando a sexta letra, o S.

Esta semana terminamos o desafio que nos propusemos: Envolver toda a comunidade numa “Ajuda diferente para as crianças de São Vicente”.

A todos o nosso Muito Obrigado!

18 de Março – V Domingo da Quaresma

Quaresma escreve-se com S de SILÊNCIO, de SOLIDÃO. No meio de tanto ruído, de tanta correria, Senhor, queremos dedicar algum tempo para reflectir e rever a nossa vida à luz do Teu Evangelho.

Compromisso da Semana

No Evangelho deste domingo, os gregos pedem a Filipe para poderem ver Jesus. Este há-de ser também o nosso desejo!

Mas, para podermos contemplar o Senhor, temos de nos “desligar das máquinas.”

Nesta semana, vamos ver um pouco menos de televisão, vamos ir menos ao facebook, vamos utilizar esse tempo para nos encontrarmos com Jesus na oração. Na escola, no trabalho, por onde passarmos, vamos olhar para os outros como imagens do próprio Senhor. Façamos um esforço por ir ao encontro de um colega, amigo ou conhecido que esteja só, esquecido ou abandonado. Aproximemo-nos dele para o alegrar. Encontramo-nos assim com o próprio Jesus, que se identificou com os simples e os pequeninos!

A aprofundar

Mc 6, 38 -“Ele perguntou: «Quantos pães tendes? Ide ver»”.

Jesus caminha e é seguido por uma multidão. Ele vai ao encontro das pessoas. Olha para elas e tem compaixão.

Diante das pessoas cheias de fome Ele pergunta aos discípulos: Quantos pães tendes?

E dá de comer à multidão.

Os Seus pés trilham os nossos caminhos.

Oração para todos os dias

Como são belos os pés que anunciam a Paz! Esses foram, Senhor, os Teus pés. Por onde passaste tudo era Misericórdia e Amor.

Que os meus passos sigam os Teus passos.

Diácono Carlos Manuel Borges



VIDA PAROQUIAL

1.    Confissões de Preparação para a Páscoa

Barcarena – Quarta-Feira, dia 21 de Março, às 21:00 horas.

Centro de Dia (Tercena) –Quinta-Feira, dia 22 de Março, às 10:30 horas. Tercena –Quinta-Feira, dia 22 de Março, às 21:00 horas.

Queluz de Baixo –Sexta-Feira, dia 23 de Março, às 21:00 horas.

2.    Horários das Celebrações da Semana Santa e Domingo de Páscoa

Domingo de Ramos(Dia 25 de Março)

Queluz de Baixo (Casa das Irmãs), às 8:45 horas; Leceia, Tercena e Valejas, às 10:15 horas; Barcarena (Capela de S. Sebastião), às 11:45 horas.

Quinta-Feira Santa(dia 29 de Março)

Missa Crismal – Sé Patriarcal, às 10:00 horas.

Missa Vespertina da Ceia do Senhor – Igreja Paroquial, às 21:00 horas, seguida de Adoração ao Santíssimo, até às 24:00 horas.

Horário da Partida do Autocarro

20:00 horas – Leceia;  20:10 horas – Tercena;

20:20 horas – Queluz de Baixo;  20:30 horas – Valejas.

Sexta-Feira Santa(dia 30 de Março)

Oração de Laudes – Igreja Paroquial, às 10:00 horas.

Celebração da Paixão do Senhor – Igreja Paroquial, às 15:00 horas. Horário da Partida do Autocarro

14:00 horas – Leceia;  14:10 horas – Tercena;

14:20 horas – Queluz de Baixo; 14:30 horas – Valejas. Sábado Santo (dia 31 de Março)

Oração de Laudes – Igreja Paroquial, às 10:00 horas.

Solene Vigília Pascal com um Baptismo – Igreja Paroquial, às 21:00 horas. Horário da Partida do Autocarro

20:00 horas – Leceia;  20:10 horas – Tercena;

20:20 horas – Queluz de Baixo;  20:30 horas – Valejas.

Domingo de Páscoa

Leceia, Tercena e Valejas – 10:30 horas; Barcarena – 12:00 horas; Queluz de Baixo – 18:00 horas.

3.    Férias do Pároco

Entre os dias 2 e 6 de Abril, o Pároco estará de férias. Não haverá Missa em Barcarena, Tercena e em Queluz de Baixo. Todos os assuntos relacionados com o normal funcionamento da Paróquia deverão ser tratados com o Diácono.

4.    Tarde do Sim

A Tarde do Sim, destinada às Crianças da Catequese e suas Famílias (Pais, Avós, etc.), vai ter lugar, na International School, no dia 21 de Abril (Sábado). Contamos com a presença de todos.


©2018 Paróquia de São Pedro de Barcarena