Recentes



Nº228 04-03-2018

Anteriores

Nº228 - 04-03-2018

NA BARCA DA FÉ

 

O NOVO TEMPLO

A cena da expulsão dos vendilhões do templo é referida pelos quatro evangelistas e isso demonstra a importância que eles atribuem a este gesto dramático e violento de Jesus. Se é verdade que todo o trecho (Jo 2, 13-25) é importante na sua mensagem, concentremo-nos num ensinamento, porventura o mais importante, que é posto em realce pela segunda frase pronunciada por Jesus: “Destruí este templo e em três dias o reconstruirei” (Jo 2, 19).

Jesus não se refere já ao comércio e ao tráfico indigno que há no santuário, mas fala da inauguração de um novo templo e do início dum novo culto. Reparemos que o evangelista faz a seguinte nota: “Ele falava do templo do Seu corpo” (Jo 2, 21).

Os judeus estão convencidos de que Deus habita no templo de Jerusalém e é lá que eles vão oferecer sacrifícios. Pensam que agrada ao Senhor o perfume do incenso e o sangue das vítimas. Jesus quer claramente afirmar que este tipo de religião já deixou de ter validade. Deus construirá em breve para Si um novo templo no qual serão oferecidos sacrifícios que Lhe são agradáveis.

O novo templo não são as nossas igrejas de pedra ou as nossas capelas feitas de estuque e cal. O novo templo é algo de completamente diverso: a sua construção, como nos lembra o Evangelho deste Domingo, teve início “três dias depois” (Jo 2, 20), ou seja, no dia de Páscoa. Ressuscitando o próprio Filho de entre os mortos, o Pai colocou a pedra fundamental do novo santuário. Depois, sobre esta pedra colocou outras pedras vivas que são os Seus discípulos de Cristo. Todos juntos formamos o Corpo de Cristo, o novo templo de Deus.

Cristo e os membros da comunidade cristã formam juntos novo santuário donde sobem para Deus em todo o momento os perfumes dos incensos e dos sacrifícios que Lhe são agradáveis. Não se trata já das ofertas da carne e do sangue dos cordeiros, mas das obras de amor pelo homem.

Neste contexto, os únicos sacrifícios agradáveis a Deus são as obras de amor, o serviço generoso prestado em prol do ser humano, especialmente ao mais pobre, ao doente, ao marginalizado, àquele que tem fome, àquele que está nú.

O vosso Pároco,

Padre Mário Faria Silva



VIVER A PALAVRA - DOMINGO III DA QUARESMA – Ano B

LEITURA I – Êxodo 20, 1-17; SALMO – Salmo 18 (19), 8. 9. 10. 11;
LEITURA II – 1 Coríntios, 1, 22-25; EVANGELHO – João 2, 13-25.

O Evangelho deste terceiro Domingo da Quaresma fez-me pensar em que medida eu deveria ser zeloso da minha fé, seguindo o exemplo de Jesus.

O que observamos da parte de Jesus é uma reação tempestiva, um romper com algo que até ali não era tido como errado (Jo 2, 15). Os judeus a quem Jesus se refere são os mesmos que receberam da parte de Deus um conjunto de leis santas (Ex 20, 1-17), algo que podiam seguir e os orientava para a felicidade, como nos diz o Salmo: «Os preceitos do Senhor são retos e alegram o coração» (Sl 19(18), 9). No entanto, para Jesus isso não é suficiente. Porque será? Não acho que os mandamentos entregues a Moisés estejam errados ou de alguma forma sejam maus. Mas posso afirmar de mim próprio que, embora eu não os consiga cumprir, isso parece não ser suficiente, devido à tendência de me acomodar. É próprio do Ser Humano defender-se das dificuldades que a vida lhe apresenta e colocar-se numa situação o mais confortável possível. E isso acontece por exemplo com a relativização da interpretação dos mandamentos de Deus, uma certa negociata que posso fazer dentro de mim. A diferença está em eu fechar os olhos e deixar que essa tendência faça o seu efeito ou, pelo contrário, opor-me zelosamente a que isso aconteça.

Esse templo pelo qual me devo interessar é o interior do meu pensamento e a razão das minhas ações, como o texto do Evangelho parece sugerir: «Ele bem sabia o que há no homem» (Jo 2, 24-25). Será que deixei de ser autêntico e deixei de orientar toda a minha vida para Deus, como diz o primeiro mandamento (Ex 20, 3)? Será que comecei a introduzir exceções e mais exceções àquilo que deveria ser a única ocupação do meu ser? Sim, sem dúvida. «Tirai tudo isto daqui; não façais da casa de meu Pai casa de comércio» (Jo 2, 16). “Isto tudo” é tudo aquilo que eu levo para trocar, para negociar, deixando de ser puro e reto nas minhas intenções. Por isso nunca é demais recomeçar, expulsar os meus próprios vendilhões, deixando ficar o espaço que preciso para Deus. 

Márcio Botelho Antunes



VIVENDO A FÉ - Quaresma 2018

“Jesus viu […] e teve compaixão” (Mc 6, 34)

Estamos já quase a meio da nossa Caminhada Quaresmal que se centra na frase do Evangelho: “Jesus viu […] e teve compaixão”. (Mc 6, 34)

Diria que esta frase nos ensina a perceber o que significa ser discípulo de Jesus, nos ensina a olhar os outros com amor, nos ensina a ajudar os que precisam da nossa ajuda. Esta semana continuaremos a construir a palavra “QUARESMA”, colocando a quarta letra, o R.

Continuaremos a levar por diante o desafio que nos propusemos: Envolver toda a comunidade numa “Ajuda diferente para as crianças de São Vicente”. Semana a semana, contribuiremos com produtos de higiene, produtos de alimentação e material escolar.

4 de Março – III Domingo da Quaresma

Quaresma escreve-se com R de REZAR. Nós te oferecemos, Senhor, os momentos de encontro e intimidade contigo. Que nestes dias a nossa oração seja mais profunda e constante.

Compromisso da Semana

As nossas relações humanas, sem diálogo, tendem a desfalecer. Como queremos que a nossa relação com Deus subsista se não colocarmos diante d’Ele as nossas vidas com tudo o que elas têm?

O próprio Jesus orou e ensinou-nos a orar. Muitas vezes retirava-se para estar a sós com o Pai. Assim vamos fazer nós também. Durante esta semana, para além das orações que costumam fazer parte da nossa rotina, vamos criar um “espaço-extra” de oração.

Confiemos a Deus o que temos de fazer e reconheçamos as maravilhas que Ele faz por nós.

A aprofundar

Mc 6, 34 -“Começou, então, a ensinar-lhes muitas coisas”.

Jesus anunciou o Evangelho. Não se cansava de anunciar a vontade de Deus e de mostrar o rosto misericordioso do Pai. Pregava com entusiasmo e todos O escutavam, com alegria! Muitos diziam a Jesus: que havemos nós de fazer?

Oração para todos os dias

Da tua boca, Senhor, somente saem palavras maravilhosas. Tu ensinas-nos a sermos bons.

Como Tu, que eu aprenda a fazer o bem e ensiná-lo aos outros! 

Diácono Carlos Manuel Borges



VIDA PAROQUIAL

1.    Exposição do Santíssimo Sacramento em Tercena

Na próxima Quinta-Feira, dia 8 de Março, entre as 16:00 e as 17:30 horas, haverá Exposição do Santíssimo em Tercena.

2.    Encontro Diocesano da Pastoral Litúrgica

No próximo Sábado, dia 10 de Março, terá lugar, na Igreja Paroquial da Portela, o Encontro Diocesano da Pastoral Litúrgica.

Todos os Paroquianos envolvidos nos diferentes Grupos Litúrgicos são convidados a participar.

3.    Confissões de Preparação para a Páscoa em Valejas

No próximo Domingo, dia 11 de Março, às 9:30 horas, em Valejas, haverá Confissões de Preparação para a Páscoa.

4.    Caminho Neocatecumenal – Solene Profissão de Fé da I Comunidade

Durante a Quaresma, na Igreja de Barcarena, às Segundas e Quartas-feiras às 21:30 horas, decorre a Solene Profissão de Fé da I Comunidade Neocatecumenal.

Todos os paroquianos estão convidados a estar presentes.

5.    Sacramentos da Iniciação Cristã – Abertura de Processos

Os Pais das Crianças que frequentam a Catequese e que vão receber os Sacramentos da Iniciação Cristã devem passar, o mais rapidamente possível, pelo Cartório Paroquial a fim de dar início ao respectivo Processo.

6.    Uma Ajuda Diferente para as Crianças de S. Vicente

Durante o tempo da Quaresma, uma das propostas que nos é lançada é ajudar um jardim-de-infância da Paróquia de São Vicente, Cabo Verde (Produtos de Higiene, Produtos de Alimentação e Material Escolar), que podem ser entregues nos Ofertórios das Missas Vespertinas e Dominicais.

Quem pretender contribuir monetariamente poderá fazê-lo através da conta com o IBAN PT 50 5200 5200 000136 44001 35.

7.    Rezar na Quaresma – Concerto

Sexta-Feira, dia 9 de Março, às 21:30 horas, terá lugar, na Igreja Paroquial, um Concerto dado pelo Grupo Christus Ensemble.

Convidamos todos os Paroquianos a participarem neste Concerto. É uma forma diferente de Rezar nesta Quaresma.


©2018 Paróquia de São Pedro de Barcarena