Nº18 - 05-05-2013

Anteriores

Nº18 - 05-05-2013

NA BARCA DA FÉ

 

DOU-VOS A MINHA PAZ!

Como nos recorda o Evangelho hoje proclamado (Jo 14, 23-29), depois de escutar a Palavra, recebemos a vida de Deus e somos levados a realizar as mesmas obras de Jesus e do Pai: também nós nos tornamos libertadores do homem. Não é difícil saber se em nós habita Deus. Basta que, por exemplo, nos perguntemos o que dizem de nós aqueles que connosco habitualmente se relacionam. Quem é que eles vêem operar em nós: Jesus e o Pai ou o espírito do mal?

Proponho-lhe que releia a última parte do Evangelho deste Domingo: Jo 14, 27-29. Estes versículos contêm a promessa da paz: «Deixo-vos a paz, dou-vos a Minha paz. Não vo-la dou como a dá o mundo».

Quando Jesus pronuncia estas palavras, o império romano está em paz. Não há guerras porque todos os povos estão submetidos a Roma. E, contudo, não é esta paz que Jesus promete. Esta é a paz do mundo, baseada na violação, na violência e na injustiça. Hoje, nos territórios onde não há guerra, reinará realmente a Paz, que Cristo nos anuncia?

Onde se verifica a subjugação dos pobres pelos ricos, dos fracos pelos fortes, dos menos dotados pelos mais hábeis e inteligentes, não reina, com certeza, a verdadeira paz. A paz prometida por Jesus nasce onde se instauram entre os seres humanos relações novas, em que a vontade de competir, de dominar, de ser primeiro, cede o lugar ao serviço, ao amor desinteressado pelos últimos.

Sejamos sinceros: poderemos afirmar que na nossa comunidade paroquial reina a paz?

O vosso Pároco,

Padre Mário Faria Silva



VIVER A PALAVRA - Domingo VI do Tempo Pascal, Ano C

Actos 15, 1-2.22-29; Salmo 66 (67), 2-3.5.6.8; Ap 21, 10-14.22-23; Jo 14, 23-29

Na leitura do Apocalipse do presente domingo, João tem uma visão sobre a Esposa do Cordeiro, a Cidade Santa, a Jerusalém celeste. As raízes destas descrições estão no Antigo Testamento, em particular nos livros de Isaías e Ezequiel. São as nossas raízes. Por isso é muito importante a intimidade com o Antigo e o Novo Testamento. Disse Jesus aos judeus: “Vós perscrutais as Escrituras, porque julgais ter nelas a vida eterna; ora, são elas que dão testemunho de mim” (Jo 5,39).

O testemunho de Jesus está desde logo na promessa já feita em Isaías sobre Jerusalém: “Como um jovem desposa uma virgem, assim te desposará o teu edificador. Como a alegria do noivo pela sua noiva, tal será a alegria que o teu Deus sentirá em ti” (Is 62, 5). Jesus, o Cordeiro, vem desposar de uma forma inesperada Jerusalém, porque ele próprio diz “Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas e apedrejas os que te são enviados” (Mt 23, 37). Diz São João sobre esta entrada de Jesus na história dos homens: ”Ele estava no mundo e o mundo foi feito por meio dele, mas o mundo não o reconheceu. Veio para o que era seu e os seus não o receberam” Jo(1, 10-11).

De que servem todas estas passagens, de alguma forma relacionadas entre si? É que tal como se aplicam aos homens daquele tempo, também se aplicam a mim. Deus envia o seu filho Jesus a estabelecer uma relação pessoal, esponsal, comigo. Para “casar-se” comigo; Ele, que me criou. Que tenho a responder a isto? A resposta dos homens daquele tempo foi pedir a Pôncio Pilatos para soltar Barrabás e crucificar Cristo...

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Quem Me ama guardará a minha palavra, e meu Pai o amará; Nós viremos a ele e faremos nele a nossa morada (...)».” (Jo 14, 23). Eu só posso amar Jesus amando os que estão ao meu lado, mesmo aquele que me destrói. A morada da Santíssima Trindade nesta terra sou eu próprio, quando escuto esta palavra, a guardo no coração e aceito ser filho de Deus.

José Chambel Leitão



“Cristo Vivo no Coração da Cidade”

Celebração do Corpo de Deus – 2 de Junho de 2013

Nestes tempos pascais e em pleno Ano da Fé, a nossa Diocese é chamada a expressar e a intensificar os seus dinamismos e vivências de fidelidade, testemunho e confiança no Senhor.

Tal consolidar-se-á durante a Semana da Fé, que terá início no Dia da Igreja Diocesana, em 26 de Maio, e que culminará com a Solenidade do Corpo de Deus, em 2 de Junho, Domingo. ...

Esta Festa do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo terá, portanto, uma dimensão alargada ao nível de toda a Diocese de Lisboa, que nesse dia é convidada a fazer-se presente no “coração da Cidade”.

Pretendemos, com isso, dar um impacto ainda maior às Celebrações, que serão presididas pelo Senhor Cardeal-Patriarca, e sobretudo à Procissão, a qual é já uma manifestação pública digna e interpelante, pela sua qualidade e participação.

Assim, é com intenso regozijo que apelo ao habitual empenho e presença dos Acólitos, como expressão do amor e serviço ao Santíssimo Sacramento da Eucaristia e evidenciando a sua importância, com marcas de excelência e afirmação da nossa fé. … É com intenso regozijo que apelo ao habitual empenho dos Ministros Extraordinários da Comunhão nesta Festa, como carisma e devoção ao Santíssimo Sacramento da Eucaristia …

O programa é o seguinte:

11:30 horas – Missa, na Sé Patriarcal

13:00 às 16:00 horas – Adoração ao Santíssimo, na Sé Patriarcal

17:00 horas – Procissão.

Seria bom que prestassem um tempo de adoração diante do Santíssimo Sacramento, no horário mencionado acima, para agradecer a presença de Cristo vivo, que continuamente anima a Sua Igreja e nos impele ao testemunho público, crescente e belo da nossa confiança no Senhor.

Excertos das cartas enviadas aos Párocos, Acólitos e Ministros Extraordinários da Comunhão da Diocese de Lisboa.

Cónego Luís Alberto Martins de Carvalho



VIDA PAROQUIAL

1.    Missa de Acção de Graças em Barcarena

Na próxima Terça-Feira, dia 7 de Maio, ocorre o aniversário natalício do nosso Prior. Além da habitual Missa em Tercena, às 9:30 horas, haverá uma Missa de Acção de Graças, às 20:00 horas, na Igreja Paroquial, seguindo-se um jantar (ligeiro) partilhado. Todos estamos convidados a participar.

 

2.    Sagração do Altar na Igreja de Queluz de Baixo

No dia 12 de Maio, na Missa das 9:00 horas, presidida pelo Senhor Bispo D. Joaquim Mendes, vai ser sagrado o novo altar da Igreja de Queluz de Baixo.

 

3.    Festa em honra de Nossa Senhora de Fátima – Queluz de Baixo

A Comunidade de Queluz de Baixo vai celebrar a festa da sua Padroeira nos dias 12 e 13 de Maio.

No dia 12 de Maio, pelas 21:00 horas, haverá uma procissão de velas.

No dia 13 de Maio, pelas 20:30 horas, haverá uma Missa Solene em honra de Nossa Senhora de Fátima.

 

4.    Mês de Maio – Mês de Maria

Durante o mês de Maio será rezado o terço, em honra de Nossa Senhora:

TercenaTodos os dias, às 21:00 horas, excepto ao Sábados em que será rezado às 18:30 horas.

Barcarena – Terças e Quintas, às 18:30 horas.

Queluz de Baixo – Quartas, Sextas e Sábados, às 18:30 horas.

 

5.    Sacramento do Crisma

Recordamos algumas datas importantes:

Dia 10 de Maio, Sexta-Feira, às 21:00 horas – Encontro com Crismandos e Padrinhos e Confissões, na Igreja Paroquial de S. Pedro de Barcarena.

Dia 18 de Maio, Sábado, às 16:00 horas – Administração do Sacramento do Crisma, em Outurela, Pavilhão.

 

6.    Profissão de Fé

A Profissão de Fé terá lugar no dia 19 de Maio, na Igreja Paroquial, às 11:00 horas.

No dia 18 de Maio, Sábado, das 10:00 às 16:00 horas, haverá Retiro para os Jovens da Profissão de Fé seguido de Confissões na Igreja Paroquial. 

 

7.    Primeira Comunhão

A Primeira Comunhão terá lugar no dia 2 de Junho, na Igreja Paroquial, às 11:00 horas.

No dia 24 de Maio, Sexta-Feira, às 21:00 horas – Encontro com os Pais, na Igreja Paroquial. 

No dia 25 de Maio, Sábado, às 16:00 horas – Confissões para as Crianças e Pais, na Igreja Paroquial. 


©2019 Paróquia de São Pedro de Barcarena