Nº17 - 28-04-2013

Anteriores

Nº17 - 28-04-2013

NA BARCA DA FÉ

 

TODA A NOSSA GLÓRIA ESTÁ NA CRUZ!

Neste mundo, quem é glorificado e exaltado? Certamente, quem chega ao sucesso, quem vence os seus inimigos e quem conquista o poder… quem enriquece, quem possui palácios, carros e criados. De quem falam os livros de História, que todos estudamos na escola? Dos que saíram vitoriosos… quem perdeu e falhou nunca é elogiado. Sabemos perfeitamente que, quase sempre, os triunfos de uns assentam sobre as lágrimas dos pobres, sobre as lamentações e o sangue dos fracos. Está é a glória dos homens, que, não é certamente a glória de Deus.

Os primeiros versículos do Evangelho deste Domingo mostram uma outra lógica: “Agora foi glorificado o Filho do homem e Deus foi glorificado n’Ele. Se Deus foi glorificado n’Ele, Deus também O glorificará em Si mesmo e glorificá-l’O-á sem demora.” (Jo 13, 31-32). Ou seja, a hora da plena glorificação de Cristo chegou com a Sua morte na cruz.

Segundo o nosso modo de pensar, Jesus poderia ter vencido de maneira muito melhor: deveria ter descido milagrosamente da cruz e esmagado os seus inimigos, dando, assim, provas do Seu poder. Mas esta é a maneira dos homens triunfarem, não a de Deus. Ele vence quando perde, é glorificado não quando aniquila quem Lhe faz mal, mas sim quando lhe muda o coração… quando faz sorrir quem chora, quando devolve a esperança a quem sabe que errou na vida. Por isso, o momento da Sua maior glória é a cruz: foi aí que manifestou todo o seu amor.

O vosso Pároco,

Padre Mário Faria Silva



VIVER A PALAVRA - Domingo V do Tempo Pascal - Ano C

At 14,21b-27; Salmo 145(144); Ap 21,1-5a; Jo 13,31-33a.34-35.

A Palavra que nos é oferecida neste domingo mostra-nos os apóstolos plenos do Espírito Santo a anunciar a todas as nações a alegria da ressurreição e do Reino inaugurado por Jesus Cristo.

Esta foi, com efeito, a missão que confiou aos seus discípulos quando lhes apareceu depois de ressuscitar: “Ide, pois, fazei discípulos de todos os povos, baptizando-os em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a cumprir tudo quanto vos tenho mandado. E sabei que Eu estarei sempre convosco até ao fim dos tempos” (Mt 21, 19).

E o evangelho desta semana remete-nos para a herança que Jesus lhes dá ao aproximar-se a hora da sua paixão, quando se reúne com eles para celebrar a Páscoa dos judeus e instituir a Eucaristia.

O longo discurso de Jesus nessa ocasião (Jo, 13 e seguintes) é uma reserva  inesgotável de alimento espiritual onde os discípulos poderão recobrar forças após a subida do Mestre para o Pai.

Após longos meses de convivência, Jesus deixa-lhes um mandamento novo que distinguirá os cristãos e converterá os descrentes: “Dou-vos um novo mandamento: que vos ameis uns aos outros (…) assim como Eu vos amei” (Jo 13, 34). Amor até à morte, e morte de cruz, amor mesmo ao inimigo, que alguns deles vão viver literalmente na carne, no martírio pelo anúncio do Reino de Deus.

Mas apesar dos sofrimentos e tribulações vividos por amor a Cristo, quem está realmente em comunhão com Deus, por graça do Espírito Santo, não sofrerá “mais morte, nem luto, nem pranto, nem dor” porque é uma nova criatura (Ap 21, 4).

Na verdade, sei que tudo isto são atributos dos santos, daquelas almas especialmente inspiradas por Deus que me habituei a venerar nos altares.

Mas esta vocação à santidade foi-me dada pelo baptismo.

E os primeiros discípulos eram, afinal, homens de trabalho, sem particular erudição ou dotes de oratória.

Por isso, os desafios deste domingo são na realidade também para mim.

Desafio a aprender a viver um amor pelo próximo que seja mais doação do que egoísmo. Este próximo que não é um ente abstrato e indeterminado, mas é aquele que tenho, em cada dia, ao meu lado, na minha família, no meu trabalho, na igreja, e que, sabe-se lá porquê, com frequência não faz a minha vontade.

Desafio a dar testemunho da fé e das “razões da minha esperança” dentro e fora da igreja (1 Pe 10, 15). A ir, neste tempo da Páscoa, à procura dos que estão fora do templo de pedra e da comunidade dos baptizados. A perder a face ao convidá-los à escuta da Palavra do Filho de Deus que veem suspenso no leito da cruz.

Numa cruz que não mostra só sofrimento, mas que transborda de glória, num gesto amoroso de Deus, e que desceu dos altares para a rua a anunciar aos corações oprimidos que vivem nas nossas cidades: “Cristo Jesus é o Senhor”, Aleluia! (Fl 2, 11)

Filipa Aguiar Ferreira



Carta de Sua Eminência o Senhor Cardeal-Patriarca de Lisboa aos Párocos e às Comunidades Cristãs do Patriarcado de Lisboa

O nosso Ano Pastoral continua dinamizado pela vivência do Ano da Fé, convocado por Sua Santidade Bento XVI. O Papa Francisco, na simplicidade do seu testemunho de Pastor, veio acentuar este desafio de coerência com a Fé que recebemos como o mais precioso dom de Deus.

Para sermos fiéis a este chamamento, neste tempo pascal decidimos organizar uma Semana da Fé que terá início no dia 26 de Maio, Dia da Igreja Diocesana, e o seu termo na Solenidade e Procissão do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo, pela primeira vez, este ano, celebrada não num dia santo de guarda, mas no Domingo 2 de Junho. É preciso que a Diocese, e sobretudo a Cidade de Lisboa, mostrem que o fim provisório, assim o esperamos, do Dia Santo do Corpo de Deus, não diminuiu o nosso amor à Eucaristia, adorada em procissão pelas ruas de Lisboa.

Os outros momentos fortes desta Semana da Fé serão:

O Dia da Igreja Diocesana que contemplará, de modo especial, todos aqueles e aquelas que têm como missão proclamar a Fé. Espero, com a ousadia da esperança, que a Diocese convirja, nesse dia, para o Colégio dos Salesianos, em Manique, fazendo deste Dia da Igreja Diocesana o mais concorrido de todos.

Uma conferência proferida por mim, a partir da Igreja de São João de Deus, no dia 30 de Maio, e que será transmitida para toda a Diocese, através do Site do Patriarcado.

Apresentação de duas Exposições, para o grande público, sobre duas expressões da fé: na beleza e na arte, e na ajuda fraterna aos irmãos.

Porque a fé é uma peregrinação, encerraremos a celebração deste Ano da Fé, no dia 24 de Novembro, Solenidade de Cristo-Rei, com uma Peregrinação Diocesana a um Santuário Mariano da nossa Diocese, Nossa Senhora dos Remédios, em Peniche.

Para toda a Igreja, mas de modo especial para nós portugueses, a peregrinação da fé é sempre com Maria, indo ao encontro de Maria. Ela abrir-nos-á o coração ao mistério do Seu Filho, Jesus Cristo, sacramento do amor infinito que Deus nos tem.

Como vosso Pastor, quero ir à vossa frente, transformando a nossa vida com a novidade e a surpresa da fé.

Que Deus nos abençoe e nos dê a alegria de sermos o Seu Povo.

Lisboa, 15 de Abril de 2013

† JOSÉ, Cardeal-Patriarca



VIDA PAROQUIAL

1.        Sagração do Altar na Igreja de Queluz de Baixo

No dia 12 de Maio, na Missa das 9:00 horas, vai ser sagrado o novo altar da Igreja de Queluz de Baixo. A sagração será presidida pelo Senhor Bispo, D. Joaquim Mendes.

 

2.        Sacramento do Crisma

O Sacramento do Crisma será administrado pelo Senhor Bispo, D. Joaquim Mendes, numa Celebração conjunta para todas as Paróquias da Vigararia de Oeiras.

Recordamos algumas datas importantes:

Dia 3 de Maio, Sexta-Feira, às 21:00 horas – Encontro com o Senhor Bispo, em Outurela (Pavilhão).

Dia 10 de Maio, Sexta-Feira, às 21:00 horas – Encontro com Crismandos e Padrinhos e Confissões, na Igreja Paroquial de S. Pedro de Barcarena.

Dia 18 de Maio, Sábado, às 16:00 horas – Administração do Sacramento do Crisma, em Outurela, Pavilhão.

 

3.        Profissão de Fé

Na nossa Paróquia, a Profissão de Fé terá lugar no dia 19 de Maio, Domingo de Pentecostes, na Igreja Paroquial, às 11:00 horas.

Recordamos que, no Dia 18 de Maio, Sábado, das 10:00 às 16:00 horas, haverá Retiro para os Jovens da Profissão de Fé seguido de Confissões na Igreja Paroquial. 

 

4.        Primeira Comunhão

Na nossa Paróquia, a Primeira Comunhão terá lugar no dia 2 de Junho, Solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo, na Igreja Paroquial, às 11:00 horas.

Recordamos algumas datas importantes:

Dia 24 de Maio, Sexta-Feira, às 21:00 horas – Encontro com os Pais, na Igreja Paroquial. 

Dia 25 de Maio, Sábado, às 16:00 horas – Confissões para as Crianças e Pais, na Igreja Paroquial. 

 

5.        Coro Infantil e Juvenil

A Escola de Música de Barcarena vai iniciar uma nova disciplina de Coro destinado ao público infantil e juvenil, com idades entre os 8 e os 18 anos. Os ensaios terão lugar no Centro Jovem de Queluz de Baixo aos Sábados das 10:00 às 11:15.

Para informações adicionais e inscrições, poderão contactar a Escola de Música, através dos seguintes meios:

  • Telefone: 214 352 617 (rede fixa) ou 926 285 564 (rede TMN)
  • Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
  • Website: www.musicabarcarena.pt

©2019 Paróquia de São Pedro de Barcarena