Nº16 - 21-04-2013

Anteriores

Nº16 - 21-04-2013

NA BARCA DA FÉ

 

JESUS, O BOM PASTOR

O Evangelho deste Domingo (Jo 10, 27-30) diz que não somos nós a tomar a iniciativa de seguir Jesus, mas é Ele que toma a iniciativa e que chama: «As minhas ovelhas escutam a minha voz. Eu conheço as minhas ovelhas e elas seguem-Me» (Jo, 10, 27).

Nós, os discípulos de Jesus, vivemos neste mundo, como toda a gente. Os apelos e as mensagens são mais que muitos e, tantas vezes, temos muita dificuldade em saber quem nos fala verdade. Muitos são os que se apresentam como «pastores», que prometem vida, bem-estar, felicidade e convidam a segui-los.

É fácil ser-se enganado por charlatães. Como reconhecer, entre tantas vozes, a do «verdadeiro Pastor»? É necessário, antes de mais, habituar o ouvido! Quem escutar só cinco minutos uma pessoa e depois, durante um ano, não voltar a escutá-la, muito dificilmente conseguirá distinguir a sua voz no meio da multidão. Quem escuta o Evangelho muito raramente, não aprende a reconhecer a voz do Senhor que fala.

Procuremos perguntar-nos: O que sucedeu quando seguimos outras vozes? O que aconteceu quando demos ouvidos à concupiscência, ao orgulho, à inveja, ao rancor, à cobiça de dinheiro?...

Não é tarefa fácil confiar em Jesus porque Ele não promete nem sucessos, nem triunfos, nem vitórias, como, ao contrário, fazem todos os outros pastores. Exige o dom de si mesmo, exige a renúncia à procura do proveito próprio, exige o sacrifício da vida pelos irmãos. E, no entanto, garante-nos Ele, este é o único caminho que conduz à «vida eterna» (Jo 10, 28-29). Não há atalhos! Quem nos indicar outras estradas está a enganar-nos!

O vosso Pároco,

Padre Mário Faria Silva



VIVER A PALAVRA - Domingo IV da Páscoa – Ano C

At 13,14.43-52 - Salmo 99 (100), 2-3.5 -  Ap 7,9.14b-17 – Jo 10,27-30

O Salmo – Palavra de Deus - deste domingo, pertence ao grupo de salmos de Acção de Graças. É um convite ao Louvor.

O Povo de Israel, cantava, acompanhando com instrumentos musicais, estes poemas - preces inspiradas por Deus -, em momentos concretos da sua história. Também Jesus, Maria e os Apóstolos os recitavam.

E Hoje, também eu e toda a Assembleia é convidada a cantar este Salmo. Sou convidada a Louvar a Deus  – “Aclamai o Senhor,  terra inteira,  Servi o Senhor com alegria,  vinde a Ele com cânticos de júbilo.” (Sl 99, 1-2). Mas este meu louvor tem de ser acompanhado com ALEGRIA – depois de uma semana em que tudo me pode parecer que está mal, angústias, incertezas, ou quando vejo os noticiários e me mostram tanta maldade no mundo – a Igreja lembra-me para me alegrar no Senhor. E quais são os motivos desta alegria? Porque, continua o salmo - “Sabei que o Senhor é Deus, Ele nos fez, a Ele pertencemos,...” (Sl 99, 3). Ele é o único Deus - “E agora, vede bem: eu sou eu, e fora de mim não há outro Deus!” (Dt 32, 39).  É nele que me tenho que apoiar, Deus teve que entregar o Seu Filho Jesus à morte, para que, com a Sua Ressureição, eu pudesse ver e acreditar, que há um só Deus. Um Deus que tem poder para tirar da morte, que tem poder para dar a VIDA. É Ele que me tira da morte, é Ele que me tira das minhas angústias e receios, me tira o medo da falta de dinheiro, o medo das doenças, o medo dos sofrimentos. “Deus fez conhecer sua salvação”  (Sl 98,2) - É esta a maior maravilha que Ele fez na minha vida, com a qual tenho de me alegrar – através de Jesus Cristo, em quem esta Palavra dos salmos se realiza na plenitude, fez-me conhecer a minha salvação – mostra-me o céu, aponta-me a Vida Eterna.

Eu pertenço ao Senhor, eu pertenço a Jesus, pertenço ao Seu rebanho, e é Ele que me conduz. Não estou só, sou do povo de Deus, da Sua Igreja “... somos o seu povo, as ovelhas do seu rebanho.” (Sl 99, 3).

O salmo termina com incessante louvor “O Senhor é bom, eterna é a sua misericórdia,  a sua fidelidade estende-se de geração em geração.” (Sl 99, 5). Ao olhar para a minha vida, para a história que Deus tem feito comigo, ao olhar para tudo o que Ele me tem dado, só tenho que me alegrar, louvar e agradecer.

“Aleluia! Agradecei ao Senhor, porque Ele é bom, porque o seu amor é para sempre!” (Sl 106,1)

Mónica Morgado



Quarto Domingo da Páscoa – Domingo do Bom Pastor

O quarto Domingo da Páscoa é designado como o Domingo do “Bom Pastor”.

Eu sou o Bom Pastor! “As Minhas ovelhas escutam a Minha voz. Eu conheço as Minhas ovelhas e elas seguem-Me”.

Eu sou o Bom Pastor!

Quem é este Pastor? É o Senhor poderoso, o Deus-Messias, o Mestre bom e belo, rico de bondade, de doçura, de amor que dá a vida pelas ovelhas”.

Como ficar indiferente a tão grande Amor? Como ficar fechado dentro do nosso mundo quando podemos pertencer a este imenso rebanho liderado por Jesus?

Eu sou o Bom Pastor!

A nossa atenção concentra-se em Jesus, guia supremo de quem confia n’Ele, de quem coloca n’Ele a sua esperança, de quem O segue procurando pôr em prática, dia a dia, as Suas palavras e o Seu exemplo.

E hoje? E aqui? Hoje e aqui, Jesus mandou-nos um pastor muito especial. Jesus chamou-o pelo nome porque o amou desde sempre, escolhendo-o, entre muitos, para ser o mestre e o pastor deste povo de Barcarena. E nós sentimos o amor que, gota a gota vai deixando tombar sobre nós, e nos ajuda a superar as nossas imperfeições e a viver plenamente este imenso Amor de Deus. Por isso hoje, Domingo do Bom Pastor, só lhe podemos dizer um imenso Obrigado. Obrigado porque nos vai guiando a melhores prados.

O quarto Domingo da Páscoa é também o dia Mundial de Oração pelas vocações sacerdotais.

O sacerdote, o bom pastor, é alguém capaz de oferecer uma saída da condição servil em que vivem tantos irmãos nossos para os fazer entrar na porta da salvação, na vida de Cristo. Com a autoridade que lhe vem de Cristo e com o testemunho de vida, o sacerdote-bom pastor repete cada dia: “Eu sou o bom pastor e dou a vida pelas minhas ovelhas”. 

Carlos Manuel Borges



VIDA PAROQUIAL

 
1.    XXXIII EMA – Encontro de Acólitos

Na próxima Quinta-Feira, dia 25 de Abril vai ter lugar, na Paróquia de S. Domingos de Benfica, o XXXIII EMA (Encontro de Acólitos), que tem como tema: “Ser Acólito é viver com Fé”. O Acolhimento está marcado para as 9:00 horas e a Missa de Encerramento, que será presidida pelo Senhor Bispo D. Joaquim Mendes, será às 16:30 horas.

É preciso levar almoço tipo “piquenique”.

 

2.    Missa com Crianças na Igreja Paroquial

No próximo Sábado, dia 27 de Abril, pelas 15:15 horas, será celebrada uma Missa com Crianças na Igreja Paroquial. Seria bom que os Catequistas de Barcarena “mobilizassem” as crianças dos seus grupos a participarem nesta Celebração.

 

3.    Sacramento do Crisma

O Sacramento do Crisma será administrado pelo Senhor Bispo, D. Joaquim Mendes, numa Celebração conjunta para todas as Paróquias da Vigararia de Oeiras.

Recordamos algumas datas importantes:

Dia 3 de Maio, Sexta-Feira, às 21:00 horas – Encontro com o Senhor Bispo, em Outurela (Pavilhão).

Dia 10 de Maio, Sexta-Feira, às 21:00 horas – Encontro com Crismandos e Padrinhos e Confissões, na Igreja Paroquial de S. Pedro de Barcarena.

Dia 18 de Maio, Sábado, às 16:00 horas – Administração do Sacramento do Crisma, em Outurela, Pavilhão.

 

4.    Profissão de Fé

Na nossa Paróquia, a Profissão de Fé terá lugar no dia 19 de Maio, Domingo de Pentecostes, na Igreja Paroquial, às 11:00 horas.

Recordamos algumas datas importantes:

Dia 4 de Maio, Sábado, às 21:00 horas – Reunião com os Pais – Igreja Paroquial.

Dia 18 de Maio, Sábado, das 10:00 às 16:00 horas – Retiro para os Jovens da Profissão de Fé seguido de Confissões – Igreja Paroquial. 

 

5.    Sagração do Altar na Igreja de Queluz de Baixo

No dia 12 de Maio, na Missa das 9:00 horas, vai ser sagrado o novo altar da Igreja de Queluz de Baixo. A sagração será presidida pelo Senhor Bispo, D. Joaquim Mendes.


©2019 Paróquia de São Pedro de Barcarena