Nº14 - 07-04-2013

Anteriores

Nº14 - 07-04-2013

NA BARCA DA FÉ

 

DOMINGO, DIA DO SENHOR

O Evangelho deste Domingo (Jo 20, 19-31) relata-nos duas aparições de Jesus Ressuscitado. Teremos notado, com certeza, que ambas aparições acontecem no “primeiro dia da semana”, ou seja, no Domingo. Teremos notado ainda que aqueles a quem o Senhor aparece são os mesmos (mais um menos um…).

O encontro ao qual o evangelista João alude é claramente o que se dá no “dia do Senhor”, aquele em que, todos os oito dias, a comunidade é convocada (Igreja quer dizer assembleia dos convocados!) para celebrar a Eucaristia. Quando todos os crentes estão reunidos, eis que aparece o Senhor Ressuscitado. Hoje, como sempre, Ele, pela boca do celebrante, saúda os discípulos e, como na tarde de Páscoa e “oito dias depois”, diz-lhes: “A paz esteja convosco”.

É nesse momento que Jesus se manifesta vivo aos discípulos. Quem, como Tomé, se ausenta desses encontros da comunidade não pode fazer esta experiência (Jo 20, 24-25), não pode ouvir a Sua saudação e a Sua Palavra, não pode acolher a Sua paz e o seu perdão (Jo 20, 19.23.26), experimentar a Sua alegria (Jo 20, 20), receber o Seu Espírito (Jo 20, 22). Quem, no dia do Senhor, fica em casa, mesmo que seja para rezar sozinho, poderá fazer eventualmente a experiência de Deus, mas não a do Ressuscitado, porque este Se torna presente no lugar onde está a comunidade reunida.

E quem não encontra o Ressuscitado o que é que faz? Como Tomé, terá necessidade de “provas” para acreditar, “provas” que, contudo, nunca poderá obter.

Tomé, “depois de ter ouvido” a voz do Senhor, juntamente com os irmãos da comunidade, conseguiu pronunciar a sua profissão de fé. E a possibilidade de fazer esta experiência é-nos dada também a nós… “cada oito dias”. E não há outra forma!...

O vosso Pároco,

Padre Mário Faria Silva



VIVER A PALAVRA - DOMINGO II DA PÁSCOA – Ano C

Act 5, 12-16; Sl 117 (118), 2-4.22-24.25-27a; Ap 1, 9-11a.12-13.17-19; Jo 20, 19-31

Jesus disse-lhes de novo: «A paz esteja convosco. Assim como o Pai Me enviou, também Eu vos envio a vós»” (Jo, 20, 21). Esta missão dos cristãos é a mais clara de todas: ir anunciar o que receberam de Cristo.

Os primeiros cristãos de Jerusalém não tinham medo, reuniam-se em público “no Pórtico de Salomão”. Tinham consciência desta sua missão de anunciar o Evangelho sendo ao mesmo tempo “assíduos ao ensino dos Apóstolos, à comunhão fraterna, à fracção do pão e às orações” (Act 2, 42). Diz São Paulo aos Coríntios: “Anunciar o Evangelho não é título de glória para mim; é, antes, uma necessidade que se me impõe. Ai de mim de eu não anunciar o evangelho!” (1Co 9, 16).

Os apóstolos quando vêem Cristo ressuscitado já têm uma experiência de renúncia à sua profissão, viram imensos milagres e apesar de tudo o que tinham experimentado, na hora da verdade fugiram e negaram-no. Cristo vem mostrar-lhes que apesar da sua realidade de pecado, Deus tem sempre a última palavra: misericórdia. A primeira experiência de Deus que se pode transmitir é a da sua imensa misericórdia. Deus aceita-me como sou. Não me rejeita mesmo quando eu o rejeito a Ele e ao seu projecto para mim.

O sofrimento de Jesus, inocente, o “cordeiro conduzido ao matadouro” (Is 53, 7b) é semelhante ao sofrimento de tantos inocentes: os da guerra da Síria, das crianças abortadas nas clínicas e hospitais do nosso país, dos idosos na solidão. Tal como Deus não deixou Jesus na Cruz, não deixará também de fazer justiça a estes inocentes dos tempos de hoje. Que posso fazer quanto a isto? Dizia o Papa Bento XVI na sua mensagem da Quaresma deste ano: “a maior obra de caridade é precisamente a evangelização, ou seja, o «serviço da Palavra»”. Os que se aproximavam dos Apóstolos experimentavam que a proximidade à comunidade cristã os curava.

Trago o tesouro da Palavra do Senhor, que me cura e pode curar os outros, num vaso de barro. Que missão mais importante posso ter além de anunciar o Amor de Deus por esta geração? O sofrimento e a morte foram vencidos! O Senhor ressuscitou! “Este é o dia que o Senhor fez: exultemos e cantemos de alegria”. ALELUIA!

Zé Chambel Leitão



Momentos de Oração …

Hoje, Senhor, preferia ficar em silêncio diante de Ti.

Faltam-me as palavras para exprimir o que me vai na alma. Sei que as palavras que eu disser correm o risco de serem pobres sinais para transmitir, com verdade, todos os meus sentimentos.

Tu sabes, muitas vezes, a vida traz-nos perplexidades, desalento, tristezas.

Sentimo-nos incapazes de alterar o rumo dos acontecimentos, de mudar a mentira em verdade, de transformar a injustiça em respeito pelo outro, de fazer de cada momento uma experiência de autêntica humanidade.

Senhor, fico em silêncio. Só assim posso ouvir o que hoje me queres dizer no meio dos aborrecimentos, das incapacidades, das dúvidas, das questões que não consigo resolver ou esclarecer definitivamente.

Senhor, olha com Amor e Misericórdia para o meu silêncio e torna-o fecundo no escutar da Tua Palavra.

É maravilhoso, Senhor, ter braços perfeitos, quando há tantos mutilados; Ter olhos perfeitos, quando há tantos sem luz; Ter a minha voz que canta, quando tantas emudecem; Ter as minhas mãos que trabalham, quando há tantas que mendigam e roubam.

É maravilhoso, Senhor, voltar para casa, quando há tantos que não têm para onde ir.

É maravilhoso viver, amar, rir e sonhar, quando há tantos que sofrem, odeiam, vivem em pesadelo e morrem, mesmo antes de nascer.

É maravilhoso, Senhor, ter um Deus em quem acreditar, quando há tantos que não têm nem sequer a consolação de alguma crença.

É maravilhoso, Senhor, ter tão pouco para pedir e tanto para agradecer.



VIDA PAROQUIAL

1.    Adoração Eucarística em Tercena

Na próxima Quinta-Feira, dia 11 de Abril, das 16:00 às 17:30 horas, haverá Adoração Eucarística na Igreja de Tercena.

 

2.    Missa com Crianças na Igreja Paroquial

No próximo Sábado, dia 13 de Abril, pelas 15:15 horas, será celebrada uma Missa com Crianças na Igreja Paroquial. Seria bom que os Catequistas de Barcarena “mobilizassem” as crianças dos seus grupos a participarem nesta Celebração.

 

3.    Festa do Pai Nosso, em Queluz de Baixo e em Barcarena

As Crianças que frequentam o 2º Catecismo vão celebrar a Festa do Pai Nosso no próximo Sábado, dia 13 de Abril.

Em Barcarena, a Festa do Pai Nosso será celebrada na Missa com Crianças, às 15:15 horas.

Em Queluz de Baixo, a Festa do Pai Nosso será celebrada na Missa das 19:15 horas.

 

4.    Semana Mundial de Oração pelas Vocações

No próximo Domingo, dia 14 de Abril, inicia a Semana Mundial de Oração pelas Vocações.

 

5.    Sacramento do Crisma

Como já foi anunciado, este ano, o Sacramento do Crisma será administrado pelo Senhor Bispo, D. Joaquim Mendes, numa Celebração conjunta para todas as Paróquias da Vigararia de Oeiras.

Recordamos algumas datas importantes:

Dia 3 de Maio, Sexta-Feira, às 21:00 horas – Encontro com o Senhor Bispo, em Outurela (Pavilhão).

Dia 10 de Maio, Sexta-Feira, às 21:00 horas – Encontro com Crismandos e Padrinhos e Confissões, na Igreja Paroquial de S. Pedro de Barcarena.

Dia 18 de Maio, Sábado, às 16:00 horas – Administração do Sacramento do Crisma, em Outurela, Pavilhão.

 

©2019 Paróquia de São Pedro de Barcarena