Recentes

Nº192 16-04-2017

Anteriores

Nº192 - 16-04-2017

NA BARCA DA FÉ

 

TESTEMUNHA É QUEM “VIU” O SENHOR

São comoventes as palavras apaixonadas com que S. João inicia a sua carta: “O que existia desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que contemplámos e as nossas mãos tocaram relativamente ao Verbo da Vida. O que nós vimos e ouvimos, isso vos anunciamos” (1Jo 1.3). Uma experiência invejável, mas que não se pode repetir. Todavia, para ser “testemunha” de Cristo, não é indispensável ter caminhado com Jesus de Nazaré pelas estradas da Palestina.

S.  Paulo,  que  também  não  conheceu  pessoalmente  Jesus,  é  constituído “testemunha das coisas que viu” (Act 26, 16) e recebe do Senhor esta incumbência: “Assim como deste testemunho de Mim em Jerusalém, assim é necessário que o dês também em Roma” (Act 23, 11).

Para ser testemunha, basta “ter visto” o Senhor realmente vivo, para além da morte.

“Testemunhar” não equivale a “dar bom exemplo”. Este é sem dúvida útil, mas o testemunho é outra coisa. Pode dar “testemunho” “quem passou da morte à vida”, quem pode confirmar que a sua existência mudou e adquiriu um sentido desde que foi iluminada pela luz da Páscoa, quem fez a experiência de que a fé em Cristo dá sentido às alegrias e às dores e ilumina os momentos alegres e os momentos tristes.

Perguntemo-nos: a Ressurreição de Cristo é um ponto de referência constante em todos os projectos que fazemos, quando compramos, vendemos, dialogamos, dividimos uma herança, quando escolhemos ter outro filho… Ou consideramos que as realidades deste mundo não têm nada a ver com a Páscoa?

Quem “viu” o Senhor já não faz mais nada sem Ele.

Santa Páscoa!

O vosso Pároco,

Padre Mário Faria Silva



VIVER A PALAVRA - DOMINGO DE PÁSCOA DA RESSURREIÇÃO DO SENHOR – Ano A

Gen 1, 1–2, 2; Gen 22, 1-18; Ex 14, 15–15, 1; Is 54, 5-14; Is 55, 1-11; Bar 3, 9-15.32–4, 4;Ez 36, 16-17a.18-28; Rom 6, 3-11; Mt 28, 1-10 (Leituras da Vigília)

A Palavra proclamada nas celebrações do Tríduo Pascal é uma componente essencial da celebração da Páscoa. A Palavra desafia-me a encontrar-me nela, a deixá-la iluminar a minha existência; tal como no passado iluminou o povo de Israel, encarnada venceu a morte e aceite pelos primeiros cristãos mostra o Senhor vivo no mundo. 

A proclamação da criação do mundo no início do Livro do Génesis torna presente no meu espírito como tudo vem de Deus, como tudo o que me rodeia, e em particular os outros, me é dado como uma herança para administrar. Impressiona-me acima de tudo a forma como o Homem, criado à imagem de Deus, é descrito como relação do homem com a mulher que recebem de Deus a missão de crescer e multiplicar-se, encher e dominar a terra. Vejo aqui a família como base do meu encontro com Deus na terra.

Mas estou na terra a caminho do céu. Como se lê na Carta a Diogneto, do século II, os cristãos “habitam na terra mas a sua cidade é o céu”. A revelação deste caminho pode ver-se na leitura do Génesis: Deus disse a Abraão: “Toma o teu filho, o teu único filho, a quem tanto amas, Isaac, e vai à terra de Moriá, onde o oferecerás em holocausto, num dos montes que Eu te indicar”. A Abraão e Sara, que tinham experimentado o milagre de ter um filho, Deus pede-lho de volta. Este episódio prepara-me para a escuta atenta de toda a Palavra da Vigília Pascal. Preciso de o pôr na minha vida, na vida dos que me rodeiam. Como se explica a vontade de Deus, como se explicam as angústias, os sofrimentos, os projetos de Deus para os meus filhos, a morte, a vida eterna. Da obediência de Abraão e Isaac, algo profundamente perturbador e contrário à minha natureza, resulta uma experiência de encontro com a providência de Deus.

Este Deus que abre o mar para o povo passar pelo meio, que desposa o seu povo, que se faz próximo, que envia a sua Palavra como a chuva para que produza fruto, que “penetrou todos os caminhos da Sabedoria” e os “mostrou a Israel seu predileto”.

Depois de muitos séculos de infidelidades, Ezequiel profetiza que Deus não abandona o seu povo, antes promete purificá-lo dos falsos deuses, tirar-lhe o coração de pedra e dar-lhe um coração de carne. A noite da Páscoa em que Deus me prepara com esta Palavra para a ressurreição de Jesus tem o poder de me dar também um coração de carne, de me ressuscitar.

O Messias enviado por Deus não entrou na morte apenas há dois mil anos, entra permanentemente na minha morte, na minha fragilidade, no meu sofrimento, nas minhas dúvidas, para me mostrar que existe um caminho seguro para a vida: “Fomos sepultados com Ele pelo Batismo na sua morte, para que, assim como Cristo ressuscitou dos mortos, para glória do Pai, também nós vivamos uma vida nova.” (Rom 6, 4)

Aleluia! Cristo, nossa Páscoa, ressuscitou!

José Chambel Leitão



VIVENDO A FÉ - Páscoa – Graça e Misericórdia!

Depois do tempo da Quaresma, celebramos a Ressurreição de Jesus. Ele está vivo no meio de nós, escuta-nos e olha-nos com amor.

Oração em Família (de manhã e à noite)

Rezemos a oração que o Anjo ensinou aos Pastorinhos:

Meu Deus, eu creio, adoro, espero e amo-vos.

Peço-vos perdão para os que não crêem, não adoram, não esperam, e não vos amam.

Leitura do Evangelho (cfr. Mt 27, 11-54)

Depois do sábado, ao raiar do primeiro dia da semana, Maria Madalena e a outra Maria foram visitar o sepulcro. De repente, houve um grande terramoto: o Anjo do Senhor desceu do Céu e, aproximando-se, removeu a pedra do sepulcro e sentou-se sobre ela. … Os guardas começaram a tremer de medo e ficaram como mortos. O Anjo tomou a palavra e disse às mulheres: «Não tenhais medo; sei que procurais Jesus, o Crucificado. Não está aqui: ressuscitou, como tinha dito. Vinde ver o lugar onde jazia. E ide depressa dizer aos discípulos: 'Ele ressuscitou dos mortos e vai adiante de vós para a Galileia. Lá O vereis'. Era o que tinha para vos dizer». As mulheres afastaram-se rapidamente do sepulcro … e correram a levar a notícia aos discípulos. Jesus saiu ao seu encontro e saudou-as. Elas aproximaram-se, abraçaram-Lhe os pés e prostraram-se diante d’Ele. Disse-lhes Jesus: «Não temais.

Ide avisar os meus irmãos que partam para a Galileia. Lá Me verão».

Na Páscoa celebramos a Alegria da vitória da Vida sobre a morte, da Graça e da Misericórdia de Deus sobre o pecado. Esta semana, somos convidados a entregar-nos nas mãos de Deus. A 13 de Junho de 1929, em Tui, na Espanha, Lúcia teve uma aparição. Vamos escutar como a Irmã Lúcia recorda uma parte do que aconteceu nesse dia:

A única luz era a da lâmpada. De repente, iluminou-se toda a capela com uma luz sobrenatural e sobre o altar apareceu uma Cruz de luz … Sob o braço direito da Cruz estava Nossa Senhora … Sob o braço esquerdo, umas letras grandes … formavam estas palavras: "Graça e Misericórdia".

É chegado o momento em que Deus pede para o Santo Padre fazer, em união com todos os Bispos do mundo, a consagração da Rússia ao Meu Imaculado Coração … São tantas as almas que a Justiça de Deus condena por pecados contra Mim cometidos, que venho pedir reparação. Sacrifica-te por esta intenção e ora.

Diácono Carlos M. Borges



VIDA PAROQUIAL

1.    Férias do Pároco

Após as Festas Pascais, o Pároco vai estar de férias, de 17 a 21 de Abril. Entre aqueles dias, inclusive, não haverá Missa em Tercena e em Queluz de Baixo. Tudo o que tiver a ver com o normal funcionamento da Paróquia deverá ser tratado com o Diácono.

2.    Catequese - Informações

As actividades da Catequese (3º Período) serão retomadas no próximo Sábado, dia 22 de Abril.

3.    1ª Etapa dos Sacramentos da Iniciação Cristã

No próximo Domingo, dia 23 de Abril, na Igreja Paroquial, às 12:00 horas terá lugar a 1ª Etapa dos Sacramentos da Iniciação Cristã. Deverão estar presentes as Crianças da Catequese que vão ser baptizadas e os Pais.

4.    Visita da Imagem de Nossa Senhora de Fátima a Leceia

No âmbito da Celebração do Centenário das Aparições, a Imagem de Nossa Senhora de Fátima estará na Comunidade de Leceia entre os dias 23 de Abril (Domingo) e 30 de Abril (Domingo).

Após a Missa das 9:00 horas (Queluz de Baixo), o andor será transportado (em carro) para Leceia onde será recebido, junto à Capela, pela Comunidade. Entre os dias 23 e 29 de Abril, a Comunidade de Leceia deverá assegurar um tempo de “encontro” com Nossa Senhora, por exemplo, a recitação do terço.

5.    Tarde do Sim

No próximo dia 29 de Abril (Sábado), a partir das 14:30 horas, na International School, vai realizar-se a Tarde do Sim, destinada às Crianças da Catequese e suas Famílias (Pais, Avós, etc.).

6.    Visita Pascal aos Centros de Infância de Tercena e Leceia

Após a Missa das 10:00 horas, em Tercena, no próximo dia 26 de Abril, sairá a Visita Pascal ao Centro de Dia e de Infância, em Tercena, e, no próximo dia 27 de Abril, ao Centro de Infância de Leceia.

7.    Ofertório Solidário (Órgão de Tubos – Paróquia de Santo Isidoro)

A Paróquia de Santo Isidoro, cujo Pároco é o Pe. Carlos Pinto, que pertenceu à nossa Comunidade, está a adquirir um Órgão de Tubos para a Igreja Paroquial.

Ainda falta algum dinheiro e, por isso, a nossa Paróquia vai ajudar, monetariamente, esta aquisição.

Assim, nas Missas Vespertinas e Dominicais dos dias 22 e 23 de Abril, após a Comunhão, realizaremos um Ofertório Solidário para este efeito.

Apelamos à Vossa generosidade.


©2017 Paróquia de São Pedro de Barcarena