Nº169 06-11-2016

Anteriores

Nº169 - 06-11-2016

NA BARCA DA FÉ

 

POR JESUS TODOS VIVEM

Porque não nos questionar-nos porque é que os não-crentes se riem de nós. Por vezes, estou em crer, será porque não compreenderam nada da nossa fé. Mas, também estou convencido, outras vezes é porque as explicações que lhes damos são de facto ridículas. Como não sorrir de alguém que, convencido que tem ideias claríssimas sobre os mistérios da vida de Deus, as quer impor arrogantemente a todos? Como não sorrir de quem pensa que pode dizer exactamente quem é Deus e exige que os outros aprendam de cor as fórmulas por ele inventadas?

O sorriso dos “saduceus” de hoje deveria fazer-nos reflectir: deveria fazer desaparecer o orgulho de quem se considera um mestre que sabe tudo, deveria tornar mais humildes e atentos os que falam do que... só Deus conhece. Se calhar muitos cristãos de hoje imaginam ainda a “ressurreição dos mortos” como os fariseus do tempo de Jesus, se não mesmo como os pagãos.

Terão realmente compreendido qual o destino do homem após a morte os que continuam a ter medo dos defuntos, os que pensam que estes podem causar desgraças, provocar doenças e castigar os vivos?! Quem encontrou Deus, quem foi purificado de todos os seus pecados, quem entrou na vida nova e maravilhosa do céu não poderá fazer mal a ninguém.

Como será a vida com Deus? Não o sabemos e a nossa mente limitada não pode compreendê-lo. Os que tentam descrevê-la só podem provocar o riso, porque inevitavelmente acabam por apresentá-la como um melhoramento da vida actual.

O Paraíso não é uma casa que devemos comprar e da qual devemos saber antecipadamente quantos quartos tem, se há luz.... É com a vida deste mundo que nos devemos preocupar. A outra devemos só esperá-la como um dom maravilhoso que o Pai tem guardado para todos os seus filhos.

O vosso Pároco

Padre Mário Faria Silva



VIVER A PALAVRA - DOMINGO XXXII DO TEMPO COMUM – ANO C

2 Mac 7,1-2.9-14; Salmo 16 (17); 2 Tes 2,16-3,5; Lc 20,27-38

A primeira leitura deste domingo é do livro dos Macabeus. Os Macabeus eram aqueles que lutavam contra os helenistas, que ocupavam a Terra Santa há centenas de anos. Os helenistas tinham entrado na sociedade judaica, tendo trazido muito da cultura clássica grega. Em nome desta cultura helenista, o rei da Síria resolveu impor aos judeus que renegassem as suas práticas judaicas. Queria que se convertessem definitivamente à cultura grega, onde os deuses gregos, a filosofia e o desporto eram as leis principais. Nesta leitura 7 heroicos irmãos sofrem o martírio porque querem manter-se fieis a Deus. Estes irmãos fazem uma profissão de Fé que me serve de exemplo perante uma sociedade que quer que eu abandone a Deus: “Vale a pena morrermos às mãos dos homens, quando temos a esperança em Deus de que Ele nos ressuscitará”.

Cerca de 200 anos mais tarde São Paulo, na segunda leitura, escreve aos cristãos gregos de Salónica para que sejam perseverantes em Cristo: “O Senhor dirija os vossos corações, para que amem a Deus e aguardem a Cristo com perseverança”. Imagino estes cristãos rodeados pelas práticas pagãs dos helenistas. Vejo estes helenistas ainda hoje em dia à minha volta. Um mundo que se esconde por trás de uma razão que tenta justificar práticas pagãs e que ataca práticas cristãs. Todos os que na história defenderam a Fé (primeiros os Israelitas e depois os Cristãos) são para mim exemplo a seguir. A sua perseverança permitiu que eu, 2000 anos depois, conhecesse um Deus que me salva. Também me passa uma grande responsabilidade de preservar a Fé intacta para os meus filhos. Não posso deixar que os “helenistas” de hoje me afastem das minhas práticas cristãs.

O Evangelho vem dar-me ainda uma perspetiva diferente sobre estas leituras: “o Deus de Abraão, o Deus de Isaac e o Deus de Jacob. Não é um Deus de mortos, mas de vivos, porque para Ele todos estão vivos ”. A leitura de Macabeus e de São Paulo falam de pessoas concretas, pessoas que existiram na Terra e que existem agora no Céu. Não foram pessoas que lutaram só por mim. São pessoas que agora estão no céu a contemplar a Deus. Aceitaram fazer parte da história de salvação que Deus tem para o Mundo. E agora contemplam lá do Céu a obra de Deus e também rezam por mim. Isto quer dizer que a minha luta não é solitária mas uma luta em conjunto com todos os homens, para que o Mundo entre na vida eterna reconciliado com Deus. 

Pedro Chambel Leitão



VIVENDO A FÉ - Jornada Mundial da Juventude

Um testemunho …

Como já foi escrito noutros testemunhos, no final do mês de julho e no início do mês de agosto, alguns Jovens da Paróquia de Barcarena, juntamente com o Sr. Diácono, tivemos a oportunidade de participar na Jornada Mundial da Juventude, em Cracóvia, tendo tido antes uma experiência de Pré-Jornada, em Varsóvia.

Vivenciámos experiências de vários tipos: de fé, de convívio, de comunidade, de partilha, de espírito de grupo, de unidade. Tudo isto fez com que fossem vários os momentos que, certamente, permanecerão na nossa memória por muitas e boas razões. Foram momentos em que se sentiu o “céu na terra”, pois, foram muitos os gestos de bondade que tiveram connosco. Fomos recebidos e acolhidos com o melhor que as pessoas nos podiam oferecer, fazendo-nos sentir completamente em casa. Ficámos com uma excelente imagem da população polaca, nomeadamente, pelo seu grande civismo, pelo seu acolhimento e pela vivência da sua fé.

A Missa de abertura da Jornada, presidida pelo Arcebispo de Cracóvia, a “Lusofesta”, as Missas e a Vigília presididas pelo Papa Francisco foram momentos fortes desta Jornada Mundial. No mesmo espaço, estava uma multidão de jovens reunidos com um único objectivo: Viver em Cristo!

Após a Jornada fica o desafio de que a alegria vivida durante a JMJ, as canções até ficarmos sem voz, a paz sentida na Vigília e nas Missas presididas pelo Papa sejam agora fontes de inspiração na vida quotidiana de cada um de nós, pois, quem segue Deus, quem se afirma católico e o vive intensamente nunca tem motivos para andar triste, para andar desamparado, uma vez que pode sempre contar com Deus.

A participação na JMJ permitiu-nos ver que se a juventude é um desafio é ao mesmo tempo uma fonte de esperança, pois, está nas nossas mãos transformar o Mundo num local melhor. Para isso, muitas vezes, bastam pequenos gestos/atitudes que podem fazer grande diferença na vida das pessoas.

Muitíssimo obrigado ao Sr. Padre Mário, ao Sr. Diácono e a todos os Paroquianos por, de variadíssimos modos, nos terem acompanhado e por tornarem esta nossa participação na JMJ uma realidade. 

Pedro Escaleira



VIDA PAROQUIAL

1.    Encerramento do Ano da Misericórdia

No próximo domingo, dia 13 de novembro, no Patriarcado de Lisboa e na Vigararia de Oeiras, ocorrerá o encerramento do Ano da Misericórdia.

Na Sé Patriarcal, a Missa de Ação de Graças, presidida pelo Senhor Cardeal Patriarca, terá início às 11:30 horas.

Na Vigararia de Oeiras (Igreja Matriz de Oeiras), a Missa de Ação de Graças, presidida pelo Cónego Mário Pais, terá início às 16:00 horas. Convidamos todos os Paroquianos de Barcarena a participarem nesta celebração.

2.    Próximas Atividades do Grupo de Acólitos

Amanhã (hoje), dia 6 de novembro, às 16:00 horas, vai ter lugar, na Igreja Paroquial, um encontro de formação para Acólitos. Não faltes!

No dia 20 de novembro, Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo Rei do Universo, na Missa Dominical (Igreja Paroquial, 12:00 horas), os Acólitos irão fazer o seu Compromisso. Nesse dia, às 15:30 horas, na Igreja Paroquial, haverá um encontro de Acólitos/Pais/Familiares com o Padre Luís Leal, Diretor do Serviço Nacional de Acólitos. Apelamos à participação de todos.

3.    Exposição do Santíssimo Sacramento – Tercena

Na próxima 5ª Feira, dia 10 de novembro, entre as 16:00 e as 17:30 horas, haverá Adoração ao Santíssimo Sacramento, em Tercena.

4.    Magusto nas Irmãs Canossianas

No próximo sábado, dia 12 de novembro, a partir das 15:00 horas, nas Instalações das Irmãs Canossianas (Queluz de Baixo), haverá o tradicional Magusto de S. Martinho. Todos estão convidados. 

Por este motivo, não haverá Catequese em Queluz de Baixo.

5.    Obras de Conservação e Restauro na Igreja Paroquial

As obras de conservação e restauro na Igreja Paroquial já iniciaram. Vão decorrer em duas fases (1ª fase a estar concluída em finais de dezembro; 2ª fase a iniciar no início de 2017). 

Foram apresentadas quatro propostas. A escolha da empresa que está a realizar os trabalhos teve em conta a qualidade da proposta, o tempo de execução dos trabalhos e o preço.

Enquanto decorrerem as obras, durante a semana, não haverá Missa.

6.    Musical Partimos-Vamos-Somos 300 Anos do Patriarcado de Lisboa

Nos próximos 18 de novembro, às 21:30 horas, 19 de novembro, às 18:15 e às 21:30 horas e 20 de Novembro, às 16:30 e às 21:30 horas, vai ter lugar, no Teatro Tivoli, em Lisboa, o Musical Partimos-Vamos-Somos.

Todos são convidados a participar. Os bilhetes podem, por exemplo, seradquiridos na FNAC e na Worten.


©2019 Paróquia de São Pedro de Barcarena