Nº167 23-10-2016

Anteriores

Nº167 - 23-10-2016

NA BARCA DA FÉ

 

DIANTE DE DEUS ESTAMOS SEMPRE DE MÃOS VAZIAS

O fariseu, como nos conta o relato do Evangelho deste Domingo (Lc 18, 9-14), não compreende que todas as suas obras não lhe conferem nenhum direito. O fariseu deve apenas agradecer ao Senhor que o guiou pela estrada da felicidade.

Não são as boas obras que nos tornam justos. As obras boas que fazemos são apenas o sinal de que o Senhor nos justificou, isto é, nos tornou justos. São como os frutos que revelam que a árvore está cheia de vida. Mas não são os frutos que fazem com que a árvore viva.

Diante de Deus, o ser humano está sempre de mãos vazias. Não pode exibir nada de seu, não tem nada que o torne digno da complacência divina.

Quem se comporta como o fariseu não é mau, é apenas ingénuo, como o é o menino que, cheio de orgulho, se apresenta ao pai com um brinquedo oferecido e tem a pretensão de comprar o seu “Rolls Royce”.

Por outro lado, o publicano não tem que ser considerado um modelo de vida virtuosa. Ele é apenas a imagem da única atitude correcta que o homem deve assumir diante do Senhor. É um pobre que sabe que só pode oferecer a Deus o seu coração “contrito e humilhado” (Sal 51, 19), que o Senhor não despreza. É como o esfomeado que é enriquecido de bens, enquanto o rico é mandado de mãos vazias (Lc 1, 53). Ele não corre sequer o risco de se iludir que as boas acções lhe confiram o direito de avançar com pretensões.

Só quando assumirmos as nossas mãos vazias, perante Deus, estaremos em condições de sermos enriquecidos de dons do Senhor, como aconteceu a Maria, a pobre, a humilde serva na qual o Omnipotente operou maravilhas (Lc 1, 48-49).

O vosso Pároco,

Padre Mário Faria Silva



VIVER A PALAVRA - DOMINGO XXX DO TEMPO COMUM – ANO C

1ª leitura - Sir 35, 15b-17. 20-22a (gr. 12-14.16-18)
2ª leitura - 2Tim 4, 6-8. 16-18
Evangelho - Lc 18, 9-14

O Evangelho deste Domingo incita-me a refletir na minha condição de “católico praticante”. Cristo conta-me uma parábola que parece inspirada na minha postura, em algumas eucaristias, onde a minha mente saltita entre as angústias do dia-a-dia e julgamentos que vou fazendo de A e de B. Na leitura do evangelista São Lucas, Cristo lembra-me que existe mais luz de Deus num “católico não-praticante” que reconhece o seu pecado, do que num “católico praticante” que só reconhece os pecados dos outros. Esta leitura diz-me que Deus se sente mais “em casa” nos confessionários que nos tribunais dos homens. Quando me transformo num “tribunal ambulante” tendo a afastar-me de Deus.

Naquele tempo, Jesus disse a seguinte parábola para alguns que se consideravam justos e desprezavam os outros: «Dois homens subiram ao templo para orar; um era fariseu e o outro publicano. O fariseu, de pé, orava assim: ‘Meu Deus, dou-Vos graças por não ser como os outros homens, que são ladrões, injustos e adúlteros, nem como este publicano. Jejuo duas vezes por semana e pago o dízimo de todos os meus rendimentos’. O publicano ficou à distância e nem sequer se atrevia a erguer os olhos ao Céu; mas batia no peito e dizia:

‘Meu Deus, tende compaixão de mim, que sou pecador’. Eu vos digo que este desceu justificado para sua casa e o outro não. Porque todo aquele que se exalta será humilhado e quem se humilha será exaltado».”(Lc 18, 9-14). 

Paulo Chambel Leitão



VIVENDO A FÉ - Jornada Mundial da Juventude

Um testemunho …

No dia 20 de Julho de 2016, alguns membros do Grupo de Jovens de Barcarena, incluindo eu, partimos com o Senhor Diácono Carlos para a Jornada Mundial da Juventude, numa grande aventura, na esperança de encontrar alguém muito especial: o Papa Francisco.

Nunca tinha estado tantos dias longe de casa e tão longe da minha família, num lugar completamente desconhecido. Polónia, durante doze dias, com pessoas que nunca tinha visto na vida, idiomas diferentes...

Depois de quase vinte e quatro horas de viagem de avião e de camioneta, não havia melhor sensação que chegar a Varsóvia num ambiente tão acolhedor e alegre daqueles jovens que nos esperavam e que parecia que nos conheciam há imenso tempo. Cinco dias de Pré Jornada incríveis, onde fiz coisas que nunca pensei fazer, como por exemplo, conseguir comunicar minimamente numa língua diferente, o inglês, e fazer voluntariado em casa de pessoas mais velhas e doentes.

Mais tarde, em Cracóvia iniciou, oficialmente, a Jornada Mundial da Juventude, e também ali fomos muito bem acolhidos em famílias. Foi com grande emoção que vi e registei o momento em que, sem estarmos à espera, vimos o Santo Padre passar no Papamóvel, no meio da multidão. Uma grande surpresa!

Com toda esta experiência, trago para Portugal e para o meu espírito, novas amizades, novas aprendizagens e novos pensamentos que me fizeram crescer muito.

Agradeço esta oportunidade de ter vivido uma experiência única e inesquecível. Agradeço o facto de poder estar presente em momentos tão especiais, estar no mesmo lugar com o Papa e saber que eventos como estes conseguem juntar milhões de pessoas, unidas no nome de uma só pessoa, Jesus Cristo.

Helena Martins



VIDA PAROQUIAL

1.    Dia Mundial das Missões - Missão em Direto

Este domingo, dia 23 de outubro, Dia Mundial das Missões, às 17:00 horas, no Centro Jovem de Queluz de Baixo, a Equipa da Pastoral Vocacional e as Irmãs Canossianas promovem uma acção: “Missão em Directo Testemunho e Terço Missionário”.

Apelamos vivamente a que todos os Paroquianos e, muito especialmente os Jovens, participem neste momento celebrativo em que, via skype, estaremos em contacto com alguns locais de Missão espalhados pelo Mundo.

2.    Vigília Ecuménica de Oração

Sábado, dia 5 de novembro, às 21:30 horas, na nossa Paróquia vai ter lugar uma Vigília Ecuménica de Oração, preparada pelo Grupo de Jovens, e que contará com a presença de irmãos nossos pertencentes a outras Igrejas.

No próximo número da folha paroquial daremos informações precisas relativamente ao local da celebração.

Todos os Paroquianos são convidados a participar nesta celebração. Reservem, desde já, a noite de sábado, dia 5 de novembro, nas vossas agendas.

3.    Solenidade de Todos os Santos e Comemoração dos Fiéis Defuntos

Dia 1 de novembro a Igreja celebra a Solenidade de Todos os Santos. É dia feriado e é dia de preceito, ou seja, dia em que os Católicos têm o dever de participar na Missa.

O horário das Missas é o horário de Domingo. Queluz de Baixo, às 9:00 horas, Tercena e Valejas, às 10:30 horas, Barcarena, às 12:00 horas.

De forma antecipada, às 16:00 horas, no Cemitério será celebrada Missa da Comemoração dos Fiéis Defuntos.

O horário das Missas do dia 2 de novembro será anunciado na próxima folha paroquial.

4.    Novo Horário do Cartório Paroquial

A partir da próxima 3ª Feira o horário do Cartório Paroquial será:

3ª Feira, das 16:30 às 18:30 horas

5ª Feira, das 11:00 às 13:00 horas

6ª Feira, das 19:30 às 21:30 horas


©2019 Paróquia de São Pedro de Barcarena