Nº166 16-10-2016

Anteriores

Nº166 - 16-10-2016

NA BARCA DA FÉ

 

REZAR SEMPRE PARA NÃO PERDER A FÉ

S. Lucas, no Evangelho deste Domingo (Lc 18, 1-8), diz-nos, logo no versículo introdutório, que Jesus contou a parábola (a viúva que pede justiça e o juiz que não a faz) para ensinar aos discípulos que “é necessário rezar sempre, sem desanimar” (Lc 18, 1). A oração é o grande meio para não perder a fé, mesmo nos momentos dramáticos, quando tudo parece conjurar contra nós e contra o Reino de Deus.

Como é que se deve rezar? Não terá porventura Jesus dito que a cristão não deve fazer como os pagãos que “julgam que por muito falarem serão atendidos”? (Mt 6, 7). A oração de que fala o Evangelho de hoje não se deve confundir com a monótona repetição de fórmulas, embora elas façam parte (e bem) da nossa tradição. As fórmulas recitadas sem vida e sem comprometimento não fazem mais nada senão cansar-nos a todos: quem as recita, o próximo que as escuta e, creio eu, também Deus, que Se aborrece a ouvi-las (cf. Amós 5, 23).

A oração autêntica, a que não deve ser nunca interrompida consiste em manter-se constantemente em diálogo com o Senhor. Rezar sempre significa não tomar nenhuma decisão sem ter falado com Ele, sem ter avaliado com Ele todos os acontecimentos da nossa vida. Se por um só instante interrompemos este relacionamento com Deus, se, como disse a primeira Leitura (Ex 17-8-13a) deixamos cair os braços, somos logo esmagados pelas circunstâncias adversas. Depois, quando o Senhor vem para nos salvar, encontra-nos sem fé: não estamos prontos para O acolher.

Na segunda Leitura (2Tim 3, 14-4,2), S. Paulo aconselha Timóteo a estudar as Sagradas Escrituras. Porque o contacto constante com a Palavra de Deus é a melhor oração!

O vosso Pároco

Padre Mário Faria Silva



VIVER A PALAVRA - DOMINGO XXIX DO TEMPO COMUM – ANO C

1ª leitura - Ex 17,8-13
2ª leitura - 2Tm 3,14-4,2
Evangelho - Lc 18,1-8

As leituras deste Domingo interpelam-me a ter zelo pela oração. A palavra de Deus chama-me à atenção para os benefícios da oração na minha vida.

Perante situações de grande stress e angústia a oração ajuda-me a encontrar em Deus uma voz que me dá esperança e me ajuda a superar obstáculos que parecem impossíveis “acontecia que, enquanto Moisés tinha as mãos levantadas, era Israel o mais forte; mas quando descansava as mãos, o mais forte era Amalec. Mas as mãos de Moisés ficaram pesadas. Pegaram então numa pedra e puseram-na debaixo dele, e ele sentou-se sobre ela. Aarão e Hur sustentavam as mãos dele, um de um lado e outro do outro. E assim as mãos dele permaneceram firmes até ao pôr-do-sol.” (Ex 17,11-12).

A minha razão e o meu querer isolados de Deus tendem a gerar em mim ações e principalmente reações sem réstia de caridade. “Desde a infância conheces a Sagrada Escritura, que te pode instruir, em ordem à salvação pela fé em Cristo Jesus. De facto, toda a Escritura é inspirada por Deus e adequada para ensinar, refutar, corrigir e educar na justiça, a fim de que o homem de Deus seja perfeito e esteja preparado para toda a obra boa.” (2Tm 3,15-17).

A oração é um convite à persistência, à fidelidade, à união. Só através da oração eu posso renovar a fé que tenho em Deus “E Deus não fará justiça aos seus eleitos, que a Ele clamam dia e noite, e há-de fazê-los esperar? Eu vos digo que lhes vai fazer justiça prontamente. Mas, quando o Filho do Homem voltar, encontrará a fé sobre a terra?»” (Lc 18, 7-8). Sem oração,rapidamente os espinhos da vida me rodeiam e, a minha vida que, deveria ser um caminho para a vida eterna, transforma-se numa luta sem sentido pela sobrevivência. 

Paulo Chambel Leitão



VIVENDO A FÉ - Como é importante agradecer! …

Nas últimas semanas, temos aproveitado a página três da nossa folha paroquial para partilhar a experiência vivenciada por mim e pelos jovens que acompanhei à Jornada Mundial da Juventude.

Hoje,  fazemos  uma  pausa  nesta  partilha  de  testemunhos  para  vos “oferecer” aquilo que o Papa Francisco disse no domingo passado a propósito do Jubileu Extraordinário da Misericórdia. Certamente, todos recordam que o Evangelho narrava o encontro de Jesus com os dez leprosos, que vêm ao Seu encontro.

E o Santo Padre comenta assim: “Estão doentes, e procuram alguém que os cure. Em resposta, Jesus disse-lhes para irem apresentar-se aos sacerdotes, que, segundo a Lei, estavam encarregados de constatar uma eventual cura. Jesus não Se limita a fazer uma promessa, mas põe à prova a sua fé (naquele momento, os dez ainda não estão curados; recuperam a saúde enquanto vão a caminho, depois de terem obedecido à palavra de Jesus). Cheios de alegria, apresentam-se aos sacerdotes e seguem depois pela sua estrada, esquecendo o Pai que os curou por meio de Jesus, Seu Filho feito homem.

Apenas uma excepção: um samaritano, um estrangeiro … Este homem não se contenta com ter obtido a cura através da sua própria fé, mas faz com que uma tal cura atinja a sua plenitude voltando atrás para expressar a sua gratidão pelo dom recebido, reconhecendo que Jesus, … depois de o ter erguido e salvado, pode fazê-lo caminhar, acolhendo-o entre os Seus discípulos.

Como é importante saber agradecer, saber louvar por tudo aquilo que o Senhor faz por nós!”.

E o “exame de consciência” que o Papa nos propõe: “Somos capazes de dizer obrigado? Quantas vezes dizemos obrigado, em família, em comunidade, na Igreja? Quantas vezes dizemos obrigado a quem nos ajuda, a quem está ao nosso lado, a quem nos acompanha na vida?”.

E, logo a seguir, Francisco aponta-nos o “modelo”:
“Maria, a nossa Mãe, após o anúncio do Anjo, deixou brotar do seu coração um cântico de louvor e agradecimento a Deus: «A minha alma glorifica o Senhor ...». Peçamos a Nossa Senhora que nos ajude a entender que tudo é dom de Deus e a saber agradecer. E, garanto-vos eu, a nossa alegria será completa. Só aquele que sabe agradecer, experimenta a plenitude da alegria”. 

Diácono Carlos M. Borges



VIDA PAROQUIAL

1.    Catequese – Compromisso de Catequistas e Crianças da Catequese

No próximo sábado, dia 22 de outubro, as Catequista e as Crianças da Catequese de Queluz de Baixo, vão fazer o seu compromisso, na Missa Vespertina das 19:15 horas.

2.    Missão em Direto

No próximo domingo, dia 23 de outubro, às 17:00 horas, no Centro Jovem de Queluz de Baixo, a Equipa da Pastoral Juvenil e as Irmãs Canossianas promovem uma acção: “Missão em Directo – Testemunho e Terço Missionário”

Apelamos, vivamente a que todos os Paroquianos e, muito especialmente os Jovens, participem neste momento celebrativo.

3.    Vigília Ecuménica de Oração

Sábado, dia 5 de novembro, às 21:30 horas, na nossa Paróquia vai ter lugar uma Vigília de Oração. 

Será uma Vigília Ecuménica, que contará com a presença de irmãos nossos pertencentes a outras Igrejas.

No próximo número da folha paroquial serão dadas informações precisas relativamente ao local da celebração.

4.    Mês de Outubro – Mês do Rosário

Como tem sido anunciado, durante o mês de Outubro (Mês do Rosário), na nossa Paróquia, será rezado o terço em Comunidade, nos seguintes horários: 

Tercena

Todos os dias (excepto Sábado) – 21:00 horas Sábado – 18:30 horas

Queluz de Baixo

Domingo, 2ª, 3ª e 5ª Feira – 21:00 horas Sábado, 4ª e 6ª Feira – 18:30 horas

5.    Novo Horário do Cartório Paroquial

A partir da próxima 3ª Feira o horário do Cartório Paroquial será: 3ª Feira, das 16:30 às 18:30 horas 

5ª Feira, das 11:00 às 13:00 horas 6ª Feira, das 19:30 às 21:30 horas


©2019 Paróquia de São Pedro de Barcarena