Nº164 02-10-2016

Anteriores

Nº164 - 02-10-2016

NA BARCA DA FÉ

 

“NÃO FIZ SENÃO O MEU DEVER”

No Evangelho deste Domingo (Lc 17, 5-10), a frase conclusiva não deixa de ser uma afirmação desconcertante de Jesus. Depois de termos feito tudo o que nos é ordenado, devemos repetir: “Sou um servo inútil. Não fiz senão o meu dever”. Evidentemente que não se pode tratar dum convite a desprezar as boas obras, mas, nunca o esqueçamos, trata-se de um convite a reconhecer que também elas são um dom gratuito de Deus.

Então, porquê fazer o bem? Porque realmente só somos felizes quando agimos por pura gratuidade. Aquele que é normalmente irascível, intratável na sua maneira de ser, mas que pretende mudar os seus comportamentos, vai, pouco a pouco, com ajuda, aprendendo a controlar-se, a tornar-se mais calmo, gentil e serviçal para com todos. Poderá porventura pretender um prémio do Senhor pelos esforços e pela mudança conseguida? Não. O que deve é agradecer a Deus por lhe ter feito compreender a maneira de deixar de ser mau e de começar a ser homem bom. Agora, todos o estimam, todos lhe querem bem e é feliz: sente-se em paz consigo mesmo, com os outros e com Deus.

Se fazemos o bem na comunidade, o melhor que podemos, nunca o façamos para ter a aprovação dos homens e nem sequer a aprovação final de Deus. Façamo-lo desinteressadamente, porque é maravilhoso agir sem pensar na própria conta bancária ou numa recompensa. Só quando nos comportamos assim, somos semelhantes ao Pai que está nos céus. Deus nunca cobra o bem que nos faz, não o cobremos nós também.

Esqueçamos a religião dos méritos! Aprendamos a gozar hoje do bem que fazemos e agradeçamos a Deus por isso. É tão bom fazer o bem desinteressadamente!

O vosso Pároco,

Padre Mário Faria Silva



VIVER A PALAVRA - DOMINGO XXVII DO TEMPO COMUM – ANO C

Hab 1,2-3; 2,2-4; Salmo 94 (95); 2 Tim 1,6-8.13-14; LUCAS 17,5-10

Pela Fé sofro, mas é também pela Fé que encontro a vida. Acreditar em Jesus Cristo dá trabalho. Preciso de exercitar a minha Fé todos os dias. Sobretudo nestes tempos materialistas e individualistas em que vivo. A tentação de fugir à Fé é grande. Imaginar-me independente de todos os outros é uma grande tentação. Na leitura do profeta Habacuc, o Senhor faz-me uma advertência forte: “Vede como sucumbe aquele que não tem alma recta; mas o justo viverá pela sua fidelidade”. Será que eu não vejo os ricos e poderosos tantas vezes infelizes e angustiados? O Senhor convida-me a perseverar na justiça e no amor ao próximo. Também no Salmo 94 Deus reforça a advertência “Não endureçais os vossos corações”.

Contudo, a palavra de Deus, aos olhos do mundo, é ridícula: Amar a todos, em especial os inimigos. Reconhecer o meu pecado. Tudo isto é contrário ao que o mundo me convida a fazer: defender-me dos inimigos, relativizar o meu pecado. São Paulo na sua carta a Timóteo convida-me: “Não te envergonhes de dar testemunho de Nosso Senhor”. Não devo ter vergonha de afirmar a Fé em que acredito. Não devo ter vergonha de no dia-a-dia apresentar a Fé em Jesus Cristo como alternativa à Fé no mundo materialista e individualista.

Finalmente, pela boca de Jesus Cristo segundo São Lucas surge a grande novidade: “Se tivésseis fé como um grão de mostarda, diríeis a esta amoreira: «Arranca-te daí e vai plantar-te no mar»”. Acreditar em Jesus Cristo pode fazer acontecer o impossível. Através da Fé em Jesus Cristo posso transfigurar a minha realidade terrena. Não preciso de esperar pelo Céu para ver coisas extraordinárias. Mediante a Fé posso vencer as montanhas de egoísmo e de injustiça que subsistem dentro de mim e que fazem sofrer os que me rodeiam.

Pedro Chambel Leitão



VIVENDO A FÉ - Jornada Mundial da Juventude

Um testemunho …

Foi a primeira vez que participei numa Jornada Mundial da Juventude e, por isso, esta foi uma experiênica totalmente nova para mim.

A Polónia é um país muito alegre. Os polacos sempre bem dispostos e muito simpáticos.

Quando chegamos a Varsóvia fomos acolhidos por famílias. A família que me acolheu era um casal jovem, muito simpático. Fui acolhida com muito amor e carinho.

Em Varsóvia, todo o programa era feito em grupo e à noite, quando chegávamos à igreja, lá estava a nossa família para nos levar para casa. Houve um dia dedicado a ser passado com as famílias de acolhimento. A minha família levou-me a assistir a um concerto no centro de Varsóvia. Gostei imenso.

Posteriormente seguimos para Cracóvia!

De novo fomos acolhidos por famílias. Tive a sorte de ficar com pessoas do meu grupo: a Neuza, a Helena, a Francisca e a Ana Cristina.

A família que nos recebeu, um casal com duas filhas de 3 e 6 anos, era muito simpático. De manhã, antes de sairmos, tínhamos sempre um pequeno almoço preparado com muito amor e muito carinho.

A nossa manhã era passada na igreja onde tínhamos catequeses com todos os jovens do Patriarcado de Lisboa, orientadas pelo Bispo Auxiliar de Lisboa, D. Joaquim Mendes, por um Bispo de Moçambique e por um Bispo do Brasil.

Tivemos também a possibilidade de visitar alguns locais. O que mais gostei de visitar foi a terra natal de S. João Paulo II.

Participamos na Vigília de Oração, com o Papa Francisco.

Foi uma Vigília inesquecível pelos momentos de oração, mas também porque nunca tinha estado “ao vivo” com o Papa Francisco.

De regresso a Portugal, algumas horas de paragem em Berlim. Uma cidade enorme, muitos monumentos fantásticos e aquilo que resta do Muro de Berlim.

Gostei imenso da Jornada Mundial da Juventude e espero estar presente na próxima, daqui a 3 anos, no Panamá. 

Rita Fonseca



VIDA PAROQUIAL

1.    Catequese de Adultos – Inscrições na Catequese

Os Adultos que pretendam receber os Sacramentos da Iniciação Cristã (Batismo, Crisma e Eucaristia) ou, simplesmente, o Sacramento do Crisma, poderão fazer a inscrição no Cartório Paroquial.

Esta é a última semana em que aceitamos inscrições. Os encontros de formação vão começar em breve.

2.    Encontros para Jovens e Adultos (Caminho Neocatecumenal)

Todas as segundas e quintas feiras, às 21:30 horas, numa das salas de reuniões da Igreja de Barcarena, estão a decorrer encontros de formação, orientados pelo Caminho Neocatecumenal, destinados a Jovens e Adultos.

Participa.

3.    Reunião do Conselho Pastoral

Este domingo, dia 2 de outubro, pelas 20:30 horas, no Centro Jovem (Queluz de Baixo) terá lugar uma Reunião do Conselho Pastoral.

Pede-se aos Senhores Conselheiros que tomem, desde já, nota desta data.

4.    Obras de Recuperação do Telhado em Leceia

As obras de recuperação do telhado da Igreja de Nossa Senhora da Piedade, em Leceia, já começaram.

Por este motivo, enquanto decorrerem as obras, a Igreja estará completamente encerrada ao culto.

5.    Mês de Outubro – Mês do Rosário

Tal como tem acontecido nos anos passados, durante o mês de outubro (Mês do Rosário), na Igreja de Santo António, em Tercena, será rezado o terço, nos seguintes horários:

Todos os dias (excepto Sábado) – 21:00 horas Sábado: 18:30 horas

Participa.


©2019 Paróquia de São Pedro de Barcarena