Nº8 - 24-02-2013

Anteriores

Nº8 - 24-02-2013

NA BARCA DA FÉ

 

Palavras de Bento XVI durante a Audiência Geral

Queridos irmãos e irmãs,

Obrigado pela vossa amizade!

Como sabeis, decidi renunciar ao ministério que o Senhor me confiou no dia 19 de Abril de 2005. Fi-lo em plena liberdade para o bem da Igreja, depois de ter longamente rezado e examinado diante de Deus a minha consciência, bem ciente da gravidade de tal acto mas igualmente ciente de já não ser capaz de desempenhar o ministério petrino com a força que o mesmo exige. Anima-me e ilumina-me a certeza de que a Igreja é de Cristo, o Qual não lhe deixará jamais faltar a sua orientação e a sua solicitude.

Agradeço a todos o amor e a oração com que me tendes acompanhado.

Obrigado!

Nestes dias, não fáceis para mim, senti quase fisicamente a força da oração que me proporciona o amor da Igreja, a vossa oração. Continuai a rezar por mim, pela Igreja, pelo futuro Papa.

O Senhor vos guiará.

***************

Queridos irmãos e irmãs,

 

Hoje, Quarta-feira de Cinzas, iniciamos a Quaresma, tempo de preparação para a Páscoa. Estes quarenta dias de penitência recordam-nos os dias que Jesus passou no deserto, onde foi tentado pelo diabo para deixar o caminho indicado por Deus Pai e seguir outras estradas mais fáceis e mundanas.

Reflectindo sobre as tentações a que Jesus foi sujeito, cada um de nós é convidado a dar resposta a estas perguntas fundamentais: O que é que verdadeiramente conta na minha vida? Que lugar tem Deus na minha vida? O senhor dela é Deus ou sou eu?

De facto, as tentações resumem-se no desejo de instrumentalizar Deus para os nossos próprios interesses, em querer colocar-se no lugar de Deus.

Jesus sujeitou-se às nossas tentações a fim de vencer o maligno e nos abrir o caminho para Deus. Por isso, a luta contra as tentações, através da conversão que nos é pedida na Quaresma, significa colocar Deus em primeiro lugar como fez Jesus, de tal modo que o Evangelho seja a orientação concreta da nossa vida.

 

VIVER A PALAVRA - Domingo II da Quaresma – Ano C

Gen 15, 5-12.17-18 -  Salmo 26 (27), 1.7-8.9abc.13-14  -  Filip 3, 17- 4,1 -  Lc 9, 28b-36

Naqueles dias, Deus levou Abrão para fora de casa e disse-lhe: «Olha para o céu e conta as estrelas, se as puderes contar». E acrescentou: «Assim será a tua descendência». Abrão acreditou no Senhor, o que lhe foi atribuído como justiça” (Gen 15, 5). A fé tem destas coisas: o Senhor promete e cumpre, porque tem poder para isso! Acredito nisto? “É por isso também que de um só homem, já marcado pela morte, nasceu a multidão comparável à dos astros de céu e inumerável como a areia da praia” (Hb 11, 12). A fé arranca-me a esta situação de “marcado pela morte” e mostra-me a existência de Deus na concretização de promessas humanamente irrealizáveis.

Desde logo a promessa do céu de que fala São Paulo: “a nossa pátria está nos Céus, donde esperamos, como Salvador, o Senhor Jesus Cristo, que transformará o nosso corpo miserável, para o tornar semelhante ao seu corpo glorioso, pelo poder que Ele tem de sujeitar a Si todo o universo” (Fl 3, 20-21). Não só a promessa do céu mas de que o caminho que me leva para o céu é o da cruz de Cristo. Um caminho em que Deus não me abandona porque sabe que não tenho forças para subir à cruz. É uma aliança que Deus quer fazer comigo e onde apenas Ele se compromete. É esse o sentido da aliança que faz com Abrão porque Deus sabe que muitas vezes sou infiel aos meus compromissos; só Ele é fiel.

Abrão, contra toda a esperança, acreditou e por isso, passará a chamar-se Abraão, “pai de uma multidão de nações”. Esta mudança de nome vem ao encontro de uma mudança de natureza, de destino. Não mais era um simples homem mas um homem com uma descendência assegurada. Mudar a minha natureza, o meu destino, é a obra que Deus quer fazer em mim. Dar sentido ao meu nome de cristão é aceitar sem reservas esta vocação de subir à cruz, deixar os meus conceitos e acolher os de Deus, começando por este: “Este é o meu Filho, o meu Eleito: escutai-O” (Lc 9, 35b).

Zé Chambel Leitão



VIVENDO O ANO DA FÉ - Firma os teus passos. Afirma a tua Fé!

O tempo litúrgico da Quaresma é marcado pela oração e meditação.

Uma das belezas deste tempo, que nos prepara para celebrar a Páscoa do Senhor, está no estimular-nos a ouvir a Palavra de Deus, no questionarmo-nos sobre os sucessos ou fracassos da nossa vida cristã, no empenho que devemos colocar para que Deus ocupe o primeiro lugar na nossa vida pessoal. É necessário dar sentido ao nosso agir, tornar visível, através de obras, a fé que professamos.

Bento XVI ensina-nos: A Quaresma é um caminho, é acompanhar Jesus que sobe a Jerusalém, lugar do cumprimento do seu mistério de paixão, morte e ressurreição. A Quaresma recorda-nos que a vida cristã é um «caminho» a percorrer … de modo a encontrar, receber e seguir a pessoa e Jesus”.1

A Comunidade Paroquial de S. Pedro de Barcarena continua a sua caminhada de preparação para a Páscoa sob o lema: Firma os teus passos. Afirma a tua fé! Para esta 2ª Semana escolhemos como “atitude”: Descobre … a beleza do amor.

A esta descoberta ajudar-nos-á a exortação de S. João Crisóstomo: “Adorna a tua casa de modéstia e humildade, mediante a prática da oração. Torna maravilhosa a tua habitação com a luz da justiça. Ornamenta as suas paredes com boas obras … e no lugar dos muros coloca a fé, pondo … a oração como decoração de todo o conjunto.

Assim preparas uma moradia digna do Senhor, assim O recebes numa mansão maravilhosa. Ele conceder-te-á transformar a tua alma em templo da Sua presença”.2

Propostas para a Semana:

Oração:

Senhor, ensina-me a deixar cair as vendas que me tapam os olhos, as vendas que me impedem de Te encontrar; ajuda-me a abrir os olhos e o coração para me interessar pelos outros; incute em mim o desejo de ler o Teu Evangelho. Abre os meus olhos, Senhor, dá-me a Tua Luz.

Visitar um doente ou um idoso.

Carlos Manuel Borges

1 Bento XVI, Audiência Geral, 9 de Março de 2011.

2 S. João Crisóstomo, Homilia 6 sobre a oração, in Bento XVI, Audiência Geral, 9 de Março de 2011.



VIDA PAROQUIAL

1.    Renúncia do Papa Bento XVI

Como todos sabem, na próxima Quinta-Feira, dia 28 de Fevereiro, às 20:00 horas (19:00 horas em Portugal), o Santo Padre renuncia ao cargo de Sucessor de Pedro para que foi eleito. Como ele próprio nos diz, faz isso, em plena liberdade, para o bem da Igreja, ciente de já não ser capaz de desempenhar o ministério petrino com a força que o mesmo exige.

Nestes dias todos os cristãos são convidados a rezar, de uma forma muito especial, pelo Papa Bento XVI, pela Igreja e pelo futuro Papa.

 

2.    Adoração ao Santíssimo Sacramento em Queluz de Baixo

Na próxima Sexta-Feira, dia 1 de Março, entre as 18:00 e as 18:45 horas, haverá adoração ao Santíssimo Sacramento, em Queluz de Baixo.

 

3.    Via-Sacra em Tercena

Sexta-Feira, dia 1 de Março, pelas 16:00 horas, na Igreja de Tercena, haverá a Celebração da Via-Sacra, com os idosos do Centro Social e Paroquial e com todos os Paroquianos que nela desejarem participar.

 

4.    Ofertório Solidário para a Associação Portuguesa Amigos de Raoul Follereau

As verbas recolhidas nos Ofertórios Solidários em favor da Associação Portuguesa Amigos de Raoul Follereau foram as seguintes:

Baracrena – 107,61 €     Leceia – 61,00 €     Queluz de Baixo – 121,06 €

Tercena – 162,00 €     Valejas – 22,36 €

Assim, o total recolhido foi de 474,03 €.

 

5.    Oratórios da Sagrada Família

Várias famílias da nossa Paróquia recebem todos os meses, em suas casas, os Oratórios da Sagrada Família.

Durante o ano de 2012, as ofertas recolhidas foram:

Leceia – 348,87 €     Queluz de Baixo – 275,50 €     Tercena – 409,70 €

 

6.    Quaresma – Dias de Abstinência

De acordo com as orientações da Igreja, a próxima Sexta-Feira é dia de Abstinência.

Abstinência significa não comer carne ou outros produtos dispendiosos. São obrigados à abstinência todos os Cristãos que completaram os 14 anos de idade. 


©2019 Paróquia de São Pedro de Barcarena