Nº153 22-05-2016

Anteriores

Nº153 - 22-05-2016

NA BARCA DA FÉ

 

EM QUE DEUS ACREDITAS?

Não é suficiente acreditar em Deus! Convém verificar em que Deus se acredita.

Os muçulmanos professam a sua fé em Alá, o criador do céu e da terra, aquele que governa do alto, que estabeleceu prescrições justas e proibições santas, e está atento de modo a premiar quem as observa e a punir os transgressores. Não concebem que Alá se abaixe ao nível das pessoas e que possa descer para as encontrar e dialogar com elas. É este o Deus em que acreditamos?

Em certas tribos africanas, invoca-se Deus somente no período da seca, porque se considera que a chuva depende dele, enquanto que para outras necessidades recorre-se aos antepassados. Não está sequer em questão se Deus se interessa pelas doenças, pelas desgraças, pelas colheitas dos campos, pelas coisas dos homens. Será talvez este o nosso Deus?

A estas perguntas damos certamente respostas negativas. Mas talvez seja bom colocar-se as seguintes questões: que imagem de Deus se esconde por detrás da convicção, ainda muito difundida, de que, no dia do juízo, o Senhor avaliará com severidade a vida de cada pessoa? A quem recorrem habitualmente os cristãos, nos momentos difíceis, para pedirem graças? Temos que o reconhecer: adoramos um Deus que conserva ainda muitas das características das divindades pagãs, susceptíveis, severas, distantes.

A festa da Santíssima Trindade, que hoje celebramos, – introduzida já muito tarde no calendário litúrgico (por volta do ano 1350) – oferece a oportunidade, através da reflexão da Palavra de Deus, de purificar a imagem que fazemos dEle, e de descobrir os lineamentos novos e surpreendentes do Seu Rosto.

O vosso Pároco,

Padre Mário Faria Silva



VIVER A PALAVRA - DOMINGO DA SANTÍSSIMA TRINDADE - ANO C

Prov 8, 22-31; Sal 8, 4-5. 6-7. 8-9; Rom 5, 1-5; Jo 16, 12-15

Quem é Deus? Como é que Deus se relaciona comigo? E com o mundo? A resposta é muito clara, é através de Jesus Cristo que Deus vem ao meu encontro e se relaciona comigo e com os outros: “Ninguém jamais viu Deus: o Filho único, que está voltado para o seio do Pai, este o deu a conhecer” (Jo 1, 18); “Há tanto tempo estou convosco e tu não me conheces Filipe? Quem me vê, vê o Pai. Como podes dizer: Mostra-nos o Pai?” (Jo 14, 9). Tudo o que Jesus disse e fez há 2000 anos é a expressão do ser de Deus.

A Sabedoria criadora referida na 1ª leitura é também uma referência a Cristo que é a Sabedoria de Deus. Quer isto dizer que esta Sabedoria, a força criadora do mundo, é também aquela que não resiste ao mal, que procura a ovelha perdida, que vai ao encontro dos pecadores, que proclama a verdade que viu junto do Pai. Jesus deu uma vida nova aos doentes que curou, aos mortos que reanimou, mas em particular à mulher adúltera, a quem não condenou, a Zaqueu, de quem se aproximou, ao ladrão com quem foi crucificado, que levou para o Céu, aos soldados que o mataram, para quem pediu o perdão de Deus, do alto da cruz.

Jesus prometeu também aos discípulos que não os deixaria sós; que viria sobre eles o “Paráclito”, o defensor junto do Pai, o Espírito da Verdade que os conduziria à verdade plena. Se eu não tiver o Espírito Santo não terei a Sabedoria que me faça, tal como Jesus, considerar os outros superiores a mim, perdoar os que me fazem mal, “gloriar-me nas minhas tribulações”, ou mesmo falar d’Ele a alguém. Esta estranha forma de vida é a que o Pai planeou para me fazer Seu filho, é a que o Filho revelou dando a vida por mim, e na qual o Espírito me conduz, se eu deixar.

“Como sois grande em toda a terra, Senhor, nosso Deus!” (Sl 8,2) 

Zé Chambel Leitão



VIVENDO A FÉ - Onde os cristãos incitam guerras entre si, ali não há testemunho!

“Um bom «freio na língua» quando nos acomete a tentação de bisbilhotar. «Os semeadores de joio», como se denominam na Argentina as pessoas que põem bisbilhotices em circulação, são um contratestemunho cristão e chegam a causar até divisões na Igreja”. Contra este modo de agir,infelizmente muito difundido no âmbito eclesial, alertou o Papa na missa celebrada na manhã do passado dia 12 de maio, na capela da Casa de Santa Marta.

E o Santo Padre continua: “O Evangelista João diz-nos que Jesus rezou portodos, não orou só pelos Discípulos que estavam à mesa com Ele, mas por todos. «Não rogo só por eles, mas também por aqueles que hão-de crer em

Mim, por meio da sua palavra»”.(Jo 17, 20) … “Isto quer dizer, afirmou oPontífice, que Cristo reza por nós: orou por mim, por ti e por cada um denós. … E Jesus continua a fazê-lo no céu, como nosso intercessor. … É importante compreender o que Jesus pede ao Pai: «Para que todos sejam um só, como Tu, Pai, estás em Mim e Eu em Ti; para que assim eles estejam em Nós»”. (Jo 17, 21)

“Jesus, diz o Santo Padre, crê e reza pela unidade, pela unidade dos crentes, das comunidades cristãs. Jesus pensa numa unidade como aquela que Ele tem com o Pai, e o Pai com Ele: uma unidade perfeita”.

E mais adiante, Francisco usa palavras fortes: “A língua é capaz de destruiruma família, uma comunidade, uma sociedade; de semear ódio, guerra e inveja”.

E voltou a propor as palavras da Oração de Jesus: «Pai rogo por aqueles quehão-de crer em Mim, … para que todos sejam um só, como Tu, Pai, estás em Mim e Eu em Ti. … Quanta distância entre a Oração de Jesus e a vida de uma comunidade cristã habituada a bisbilhotar! É por isso que Jesus reza ao Pai por nós”.

A proposta para esta semana é responder ao convite do Santo Padre: “Peçamos ao Senhor que nos dê o dom que constrói a unidade: O Espírito Santo. Peçamos ao Senhor que nos conceda este dom que faz a harmonia, porque Ele é a harmonia, a glória das nossas comunidades. … Peçamos ao Senhor a graça de pôr um «freio na língua»”.

Diácono Carlos M. Borges



VIDA PAROQUIAL

1.    Solenidade do Corpo de Deus

No próximo dia 26 de maio (5ª feira), Solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo, é, novamente, dia feriado. É dia de preceito, ou seja, os Cristãos devem participar na Eucaristia.

Às 17:00 horas, com partida da Sé Patriarcal de Lisboa, haverá a Procissão do Corpo de Deus. Apelamos à participação nesta Procissão.

2.    Festa da Eucaristia/Primeira Comunhão Encontro de Preparação/Confissões

Dia 28 de maio, entre as 15:00 e as 16:30 horas, na Igreja Paroquial.

Os Pais que desejarem confessar-se, deverão estar na Igreja Paroquial às 15:00 horas. Poderão confessar-se após as Crianças.

Celebração da Festa da Eucaristia/Primeira Comunhão

Dia 29 de maio, Missa Dominical, Igreja Paroquial, às 11:00 horas.

Todas as Crianças que vão fazer a Primeira Comunhão devem estar na Igreja Paroquial às 10:30 horas.

3.    Encerramento da Catequese

A Catequese encerra no próximo fim de semana, dias 28/29 de maio.

No próximo Ano Pastoral, a Catequese terá início no fim de semana de 24/25 de setembro.

4.    Noite de Oração organizada pelo Grupo de Jovens

No próximo dia 4 de junho, às 21:30 horas, na Capela de S. Sebastião, haverá mais uma noite de oração organizada pelo Grupo de Jovens.

5.    Sacramentos da Iniciação Cristã

No próximo dia 18 de junho (sábado), às 19:00 horas, na Igreja Paroquial, 2 adultos vão receber os Sacramentos da Iniciação Cristã, 4 a Primeira Comunhão e 8 o Sacramento do Crisma.

Nesse dia não haverá Missa Vespertina em Tercena e em Queluz de Baixo. Todos os Paroquianos são convidados a participar na Eucaristia presidida pelo Senhor D. Joaquim Mendes, Bispo Auxiliar do Patriarcado de Lisboa (Igreja Paroquial, às 19:00 horas).

O Senhor Bispo estará também na nossa Paróquia no dia 14 de junho, às 21:30 horas (3ª feira), para um encontro com os Crismandos, Pais e Padrinhos. Todos os Paroquianos são também convidados a participar neste encontro.


©2019 Paróquia de São Pedro de Barcarena