Nº147 10-04-2016

Anteriores

Nº147 - 10-04-2016

NA BARCA DA FÉ

 

A PALAVRA DO RESSUSCITADO GUIA A COMUNIDADE CRISTÃ

Depois de um desaire a tentação do desânimo é frequente. Fazemos projectos, empenhamo-nos, elaboramos porventura programas pastorais ambiciosos, convencidos de que as nossas iniciativas irão ser infalivelmente coroadas de êxito. As coisas não correm como esperávamos e eis que ficámos tristes e com vontade de desistir. Sucede-nos a nós o que sucedeu aos sete discípulos de quem fala o Evangelho deste Domingo (Jo 21, 1-19). Estes, durante toda a noite, trabalharam, fizeram os possíveis e os impossíveis, mas nada pescaram. Porquê? Talvez pela mesma razão por que também os nossos esforços, tantas vezes, a nada conduzem. Porque não são guiados pela palavra do Ressuscitado, os nossos esforços são vãos.

Quando, de manhã, eles escutam com atenção a palavra de Jesus, que lhes chega da margem, quando seguem as Suas sugestões, quando n’Ele confiam, eis que o milagre acontece: contra todas as lógicas humanas, contra todas as expectativas razoáveis, obtêm um resultado surpreendente.

Os apóstolos conviveram com Jesus durante três anos. Viram-nO, escutaram-nO e tocaram-Lhe. Um dia, o Mestre desaparece da sua vista. Na verdade, Ele não desapareceu, mudou simplesmente na maneira de estar presente. Por isso, não lhes é fácil aceitar a nova situação, tomar consciência de que o Ressuscitado está sempre no meio dos seus, compreender que continua tão perto deles como estava antes. O Evangelho deste Domingo descreve-nos esta sua dificuldade, este árduo caminho de fé. O discípulo que Jesus amava é o primeiro a descobri-lO, depois descobre-O também Pedro e a seguir todos os outros.

A experiência da comunidade primitiva é parecida com a nossa. Também nós temos que chegar a compreender que Jesus, embora estando já na «margem», ou seja, na glória do Pai, está sempre connosco, todos os dias, até ao fim do mundo. A fé leva-nos a ter a certeza de que Ele continua a fazer ecoar a sua voz, de que nos chama e nos quer indicar o que devemos fazer. Abramos o nosso coração e confiemos no Senhor ressuscitado!

O vosso Pároco,

Padre Mário Faria Silva



VIVER A PALAVRA - III Domingo da Páscoa - ANO C

1ª Leitura - Act 5, 27b-32.40b-41 2ª Leitura - Apoc 5, 11-14 Evangelho - Jo 21, 1-19

Volta e meia, uma pergunta atormenta-me o espírito: “como levar a boa nova a uma sociedade que está convencida, pelo diabo, através de ideologias materialistas, que Deus não tem lugar no espaço público?” No outro dia, um padre, com um ar meio preocupado, contava-me como tinha sido descomposto no metro porque ele e mais dois colegas padres “tiveram a audácia” de começar a rezar em voz baixa o terço. No final, o cidadão em causa, para mostrar que a sua indignação era imparcial afirmou que “até era católico”. Aparentemente, nos dias que correm, ouvir músicas satânicas em público é mais aceitável do que ouvir o terço. Perante este cenário, fico sem saber como acompanhar a Nova Evangelização, posta em marcha pelo Concílio Vaticano segundo.

A 1ª leitura propõe-me falar, a propósito e a despropósito, de Jesus ao meu próximo e a aceitar as humilhações resultantes como um prémio:

Trouxeram novamente os Apóstolos e, depois de os mandarem açoitar,proibiram-lhes de falar no nome de Jesus e libertaram-nos. Quanto a eles, saíram da sala do Sinédrio cheios de alegria, por terem sido considerados dignos de sofrer vexames por causa do Nome de Jesus.” (At 5, 40-41). Noentanto, esta atitude destemida não é algo que me saia facilmente. Não tenho os conhecimentos que permitam uma pregação, estruturada em conhecimentos teológicos profundos e convincentes.

O Evangelho lembra-me que Pedro, o pescador, que negou três vezes a Cristo mas que pediu perdão pela sua cobardia, foi quem Deus escolheu para primeiro Papa “E perguntou-lhe, pela terceira vez: «Simão,filho de João, tu és deveras meu amigo?» Pedro ficou triste por Jesus lhe ter perguntado, à terceira vez: ‘Tu és deveras meu amigo?’ Mas respondeu-lhe: «Senhor, Tu sabes tudo; Tu bem sabes que eu sou deveras teu amigo!» E Jesus disse-lhe: «Apascenta as minhas ovelhas. “(Jo 21, 17).

Na verdade, a Evangelização não é uma competição de bravura ou de estratégias de comunicação, mas sim uma prefiguração da vida eterna onde, se eu quiser estar próximo de Deus, darei eternamente glória ao seu nome “Na visão, ouvi a voz de uma multidão angélica, à volta do trono, dosseres viventes e dos anciãos; o seu número era de miríades de miríades, milhares de milhares e cantavam com voz forte: «O Cordeiro que foi imolado é digno de receber o poder e a riqueza, a sabedoria e a força, a honra, a glória e o louvor.»” (Apoc 5, 11-12). 

Paulo Chambel Leitão



VIVENDO A FÉ - Deus é maior do que o nosso pecado!

Entre 28 de março e 1 de abril realizou-se a Peregrinação da Vigararia de Oeiras a Roma e Assis, na qual participaram alguns Paroquianos de Barcarena. Um dos momentos fortes desta Peregrinação foi o encontro com o Santo Padre, no dia 30 de março, durante a Audiência Geral. A catequese do Papa Francisco centrou-se no Salmo 51.

Eis alguns extractos das palavras do Santo Padre:

“Quem reza com este Salmo é convidado a ter … sentimentos de arrependimento e de confiança em Deus …

O Salmo começa com estas palavras de súplica: «Tende piedade de mim, Senhor, segundo a Vossa bondade; segundo a Vossa grande misericórdia, apagai os meus pecados. Lavai-me de toda a iniquidade» (Sl 51, 3-4).

A invocação é dirigida ao Deus de misericórdia para que, movido por um amor grande, como o de um pai ou de uma mãe, … conceda a graça, mostre o Seu favor com benevolência e compreensão. É um apelo urgente a Deus, o único que pode libertar do pecado. … Manifesta-se, nesta oração, a verdadeira necessidade do homem. A única coisa da qual temos deveras necessidade na nossa vida é ser perdoados … Devemos confiar na misericórdia.

Deus é maior do que o nosso pecado! … Deus é maior que todos os pecados que podemos cometer! Deus é maior do que o nosso pecado! … O Seu amor é um oceano no qual nos podemos imergir sem receio de ser subjugados. Para Deus, perdoar significa dar-nos a certeza de que Ele nunca nos abandona. … Ele é … maior do que tudo! (cf. 1 Jo 3, 20) … Deus é maior do que o nosso pecado!

… Quem reza com este Salmo procura o perdão … pede graça e misericórdia. …

Se, por debilidade, caíres no pecado, levanta a tua mão! O Senhor pega nela para te ajudar a levantar.

Esta é a dignidade do perdão de Deus! … Que o Senhor, por intercessão de Maria, Mãe de misericórdia, nos conceda ser testemunhas do Seu perdão, que purifica o coração e transforma a vida”.

Diácono Carlos M. Borges



VIDA PAROQUIAL

1.    Adoração ao Santíssimo Sacramento em Tercena

Na próxima quinta-feira, dia 14 de abril, entre as 16:00 e as 17:30 horas, haverá Adoração ao Santíssimo Sacramento, na Igreja de Tercena.

2.    Tarde do Sim

No próximo sábado, dia 16 de abril, com início às 14:00 horas, a Catequese de toda a Paróquia vai viver uma tarde diferente: “A Tarde do Sim!”.

Esta atividade decorrerá nas instalações da “International School” (Escola Internacional), emBarcarena.

É uma atividade destinada a todas as crianças da catequese, aos Pais e Familiares e a todos os Paroquianos.

Esta actividade vai encerrar com a Celebração da Missa.

Na  Missa  de  encerramento,  as  Crianças  que frequentam o 2º Ano da Catequese vão celebrar a Festa do Pai Nosso. Contamos com Vossa presença!

3.    Assembleia Diocesana de Catequistas

No próximo domingo, dia 17 de abril, entre as 9:30 e as 17:00 horas, em Torres Vedras (Pavilhão Multiusos) vai ter lugar a Assembleia Diocesana de Catequistas, convocada pelo Cardeal Patriarca de Lisboa.

Apelamos a que todos os Catequistas participem nesta Assembleia.

4.    Dia Mundial de Oração pelas Vocações

O próximo domingo, dia 17 de abril, é o Dia Mundial de Oração pelas Vocações.

Neste dia, peçamos ao Senhor, de uma forma especial, que faça nascer muitas e santas vocações à vida sacerdotal e religiosa.

5.    Reunião com os Pais dos Jovens que fazem a Profissão de Fé

No próximo dia 22 de abril (sexta-feira), às 21:30 horas, vai ter lugar, na Igreja Paroquial, uma reunião com os Pais dos Jovens que fazem a Profissão de Fé. Pedimos a todos os Pais que estejam presentes e máxima pontualidade.

A reunião começará, impreterivelmente, às 21:30 horas.


©2019 Paróquia de São Pedro de Barcarena