Nº143 13-03-2016

Anteriores

Nº143 - 13-03-2016

NA BARCA DA FÉ

 

O DEUS DAS SURPRESAS

No Evangelho que escutámos neste Domingo (Jo 8, 1-11), afinal, não ficou ninguém para “atirar pedras” àquela mulher apanhada em “flagrante adultério”. Se observarmos o que acontece hoje nas nossas comunidades, temos de admitir que realmente alguns não se mexem. Mas não haverá ainda uns tantos que continuam ousadamente a atirar pedras, como se Jesus não tivesse dito nada?

Nós, que nos revoltamos contra os defensores dos “bons costumes” do tempo de Jesus, que queriam lapidar a mulher, não nos comportaremos exactamente como eles? Certas conversas que mantemos não serão como pedras que magoam e deixam feridas dolorosas? Porque é que há tanta gente que sente um prazer mórbido em comentar e tornar públicos os erros dos outros?

As bisbilhotices de hoje são pedras que fazem mal, que matam, que destroem o bom nome e a vida dos outros. Quem é que nos deu licença para as atirar? Eis a razão por que nunca agradou a tanta gente o facto de Jesus não ter condenado: porque nós queremos ter o poder de julgar e condenar.

Não será por acaso que o Evangelho sublinha que os primeiros a afastar-se foram os mais velhos. Não serão precisamente as pessoas mais maduras da comunidade que devem fazer um exame de consciência mais sério? Com frequência são mesmo elas que se deleitam a “jogar com as pedras” (e com o lodo).

Novos ou velhos, insatisfeitos, tantas vezes, com a própria vida pessoal e familiar, nervosos, resmungões, em vez de abrirem o próprio coração ao Evangelho e se converterem, começam a ver se encontram o mal nos outros... Que olhem um pouco para dentro de si mesmos e então passar-lhes-á a vontade de manter certas conversas! 

O vosso Pároco,

Padre Mário Faria Silva



VIVER A PALAVRA - V DOMINGO DA QUARESMA - ANO C

Is 43, 16-21; Sal 125 (126) 1-6; Filip 3, 8-14; Jo 8, 1-11

O Evangelho deste Domingo conta uma das passagens que mais me revela a natureza de Deus. Jesus não condena uma mulher “surpreendida em flagrante delito de adultério”, mas também não condena a multidão que a queria apedrejar.

O adultério é um pecado gravíssimo porque destrói a vida de um casal e dos seus filhos. É uma tentação fortíssima na sociedade, onde se procura passar a mensagem de que não é um pecado, mas sim algo normal, natural e às vezes necessário. Naquele tempo, a sociedade condenava fortemente as mulheres que caíam neste pecado: “Na Lei, Moisés mandou-nos apedrejar tais mulheres.”

Foi este o pecado de David com a mulher de Urias, é este o pecado apontado tantas vezes pelos profetas ao povo de Israel quando se afastam de Deus e adoram deuses estrangeiros. É este o pecado que Jesus me diz que eu também tenho porque “todo aquele que olha para uma mulher com desejo libidinoso já cometeu adultério com ela no seu coração” (Mt 5, 28).

É neste contexto que se compreende esta passagem de Isaías: “Não vos lembreis mais dos acontecimentos passados, não presteis atenção às coisas antigas. Olhai: vou realizar uma coisa nova, que já começa a aparecer; não a vedes? Vou abrir um caminho no deserto, fazer brotar rios na terra árida.”

Jesus veio para fazer compreender àquela mulher adúltera, aos escribas e fariseus que a tinham trazido e a cada um dos que escutam esta leitura que quer fazer de todos pessoas novas. Dar a todos uma nova natureza, ensinar cada um a reconhecer humildemente o seu pecado, aceitar que é Deus quem julga, participar da natureza de Deus que é Perdão e Misericórdia. 

Zé Chambel Leitão



VIVENDO A FÉ - Não PEQ’s +

Caminha na misericórdia

Estamos cada vez mais próximos da Páscoa da Ressurreição de Jesus.

João Paulo II, numa das suas visitas à Polónia, disse: “É necessário fazerressoar a mensagem do amor misericordioso com um vigor renovado. O mundo precisa deste amor. […] Chegou o momento de a mensagem da Misericórdia Divina derramar a esperança nos corações, tornando-se a centelha de uma nova civilização: a civilização do amor”.

Continuamos a nossa “Caminhada” Quaresmal. O tema para esta V Semana é: Dignifica-te!

Meditar:

Já pensaste que és único para Deus? Já pensaste que Ele te ama com um Amor infinito? E tu? Amas a ti mesmo? Alguma vez pensaste na forma como te tratas a ti mesmo? Tantas vezes “exigimos” respeito dos outros mas será que tratamos a nós mesmos com dignidade?

Sabes o que é dignidade?

Dignidade significa que os teus comportamentos são coerentes com a tua honestidade, com os teus valores; significa que és justo, verdadeiro; significa que tens respeito pelos outros, mas também por ti mesmo.

Tantas vezes agimos e dizemos coisas para sermos aceites pelos outros, para agradar a alguém. Tantas vezes permitimos que os outros nos tratem mal com medo de sermos rejeitados.

Dignidade significa também ser corajoso, ser capaz de dizer “não” a comportamentos incorretos.

Dignidade significa respeitares a ti mesmo e respeitares os outros, respeitares o Espírito Santo que habita em todos.

Rezar:

Senhor, obrigado por me amares, obrigado por me criares, obrigado por me dares a vida. Ajuda-me a viver dignamente, a saber escolher o caminho da Verdade e da Justiça. Afasta de mim o medo da rejeição que por vezes me torna frágil e incapaz de dizer não a caminhos errados. Ajuda-me a fazer as escolhas que me aproximam de Ti.

Agir:

Obra de Misericórdia Corrigir os que erram. Consolar os tristes. 

Diácono Carlos M. Borges



VIDA PAROQUIAL

1.    Horários das Celebrações do Perdão (Confissões)

Comunidade de Barcarena–Quarta-Feira, dia 16 de março, às 21:00 horas. Centro de Dia, em Tercena –Quinta-Feira, dia 17 de março, às 10:45 horas. Comunidade de Tercena –Quinta-Feira, dia 17 de março, às 21:00 horas.

Comunidade de Queluz de Baixo–Sexta-Feira, dia 18de março, às 21:00 horas.

2.    Horários das Celebrações do Domingo de Ramos (Bênção dos Ramos seguida de Eucaristia Dominical)

– Dia 20 de março

Queluz de Baixo–8:45 horas. Início da Celebração nas Irmãs Canossianas.

Tercena–10:15 horas. Início da Celebração no Jardim junto ao Centro de Dia.

Valejas–10:30 horas. Início da Celebração junto à Igreja.

Leceia–11:00 horas. Início da Celebração junto à Igreja.

Barcarena–11:45 horas. Início da Celebração na Capela de S. Sebastião.

3.    Horários das Celebrações da Semana Santa

Quinta-Feira Santa(dia 24 de março)

Missa Crismal–Sé Patriarcal, às 10:00 horas.

Missa Vespertina da Ceia do Senhor–Igreja Paroquial, às 21:00 horas,seguida de Adoração ao Santíssimo, até às 24:00 horas.

Sexta-Feira Santa(dia 25 de março)

Oração de Laudes–Igreja Paroquial, às 10:00 horas.

Celebração da Paixão do Senhor–Igreja Paroquial, às 15:00 horas.

Sábado Santo(dia 26 de março)

Oração de Laudes–Igreja Paroquial, às 10:00 horas.

Solene Vigília Pascal –Igreja Paroquial, às 21:00 horas.

4.    Horários das Celebrações no Domingo de Páscoa

Tercena e Valejas–10:30 horas  Leceia –11:00 horas

Barcarena–12:00 horas  Queluz de Baixo18:00 horas


©2019 Paróquia de São Pedro de Barcarena