Nº139 14-02-2016

Anteriores

Nº139 - 14-02-2016

NA BARCA DA FÉ

 

AS TENTAÇÕES DE JESUS E AS NOSSAS TENTAÇÕES

A tentação é uma experiência pela qual todos passamos. O Evangelho deste Domingo (Lc 4, 1-13) narra, por meio de imagens, as dificuldades que Jesus teve de enfrentar para Se manter fiel ao Pai. Trata-se das mesmas tentações que também nós experimentamos.

“O diabo tendo terminado toda a espécie de tentação, retirou-se da presença de Jesus, até certo tempo” (Lc 4, 13). S. Lucas fala, antes de mais, de “toda a espécie de tentação”. Portanto, os três quadros que pintou (as 3 tentações) devem ser interpretados como uma “síntese de todas as tentações”. Representam, de maneira esquemática, as formas erradas de nos relacionarmos com a realidade: com as coisas, com as pessoas, com Deus.

Depois, S. Lucas deixa entrever, desde o início do seu Evangelho, também o momento em que a tentação se manifestará de maneira mais violenta e dramática: quando Jesus estiver sobre a Cruz. O diabo não se afastou definitivamente, apenas se retirou à espera de voltar no tempo determinado. Falar-se-á dele e da sua obra de sedução mais adiante, no momento da paixão, quando entrar no coração de Judas, levando-o à traição (Lc 22, 3). Esse será o momento da plena manifestação do império das trevas (Lc 22, 53), império que será derrotado precisamente na altura em que está a pensar em celebrar a sua própria vitória.

A primeira Leitura (Dt 26, 4-10) apresenta a profissão de fé de Israel. O relato das obras realizadas por Deus em favor do Seu povo são a prova de que Ele ama os homens e os guia sempre por caminhos que conduzem à vida. Mesmo nos momentos difíceis e escuros (tentações) não se pode, portanto, duvidar do Seu amor. 

O vosso Pároco,

Padre Mário Faria Silva



VIVER A PALAVRA - I DOMINGO DA QUARESMA - ANO C

Deut 26,4-10; Salmo 90 (91); Rom 10,8-13; Lc 4,1-13

Jesus convida o seu povo a professar que Ele é Deus. São Paulo diz aos Romanos “Se confessares com a tua boca que Jesus é o Senhor e seacreditares no teu coração que Deus O ressuscitou dos mortos, serás salvo”.É assim que começa a Quaresma. Um convite claro a proclamar que Deus é infinitamente bom e poderoso.

Na Quaresma não se trata tanto de ver como sou criatura pecadora, mas mais ver que Deus é infinito e perfeito. Um Deus que me pode dar tudo. Um Deus que leva o seu povo para um lugar bom, como diz no Deuteronómio: “Conduziu-nos a este lugar e deu-nos esta terra, uma terra onde corre leite e mel”. É claro que perante a dimensão de Deus fica óbvia a minha condição de pecador. Se eu sei que tenho um Deus que me ama que me quer feliz e que consegue fazer tudo (inclusive criar o Mundo), como posso eu fazer disparates? Como posso eu fazer mal ao meu próximo? Seria o mesmo que ser filho de um pai rico e poderoso ir roubar às escondidas os empregados pobres do pai. O Senhor convida-me a reconhecer que sou filho de “pai rico”. Um pai que pode dar-me tudo, que por me amar tanto, só me dá o que pode tornar-me feliz. Um pai que está determinado a criar um filho responsável e justo, um filho forte e sábio para gerir os “negócios de família”.

O meu problema é que saber que tenho um “pai rico” não alimenta o suficiente o meu orgulho. De que me serve saber que tenho um “pai rico” se não posso exibir perante os outros? “Ó pai, os meninos lá na escola não acreditam que tu és tremendamente rico, pois todos os dias tenho de ir a pé. Desprezam-me, só porque tu queres que eu aprenda a andar pelo meu pé. Deixa-me ir no teu Ferrari só um dia para lhes mostrar como sou filho de um pai rico e poderoso”. A este pedido que eu faço tantas vezes ao meu Pai do céu ele responde-me com o Evangelho. Quando o demónio oferece a Jesus ser rei, Ele responde: «Está escrito: ‘Ao Senhor teu Deus adorarás, só aEle prestarás culto’». Ou seja, não é o poder e a vaidade deste mundo queme vão aproximar da felicidade. Sou convidado a reconhecer que só há um rei e Senhor que não só me ama mas que também consegue fazer o impossível: transformar o meu coração de pedra, que está agarrado aos bens deste mundo, num coração de carne, que ama o seu próximo. 

Pedro Chambel Leitão



VIVENDO A FÉ - Não PEQ’s +

Caminha na misericórdia

Nesta Quaresma proponho-te que façamos uma caminhada de procura, encontro e recolhimento. Um caminho que se faz de dentro para fora de ti mesmo, no encontro e acolhimento a todos, mas também um caminho para dentro de ti próprio, no encontro com as tuas fragilidades, na reconciliação e aceitação de ti mesmo, na alegria do acolhimento a todos. … Venho convidar-te a fazer um caminho em comunidade, mas também fazer caminho no interior de ti. … Aproveita o tempo da Quaresma para observar, ver, meditar, rezar, agir. … É um convite a caminhar na misericórdia! Que neste caminho possas abrir o teu coração ao amor de Deus de modo que a tua vida possa ser expressão da misericórdia do Senhor que quer chegar a todos os corações.

Para esta I Semana da Quaresma o tema é: Liberta-te de ti!

Meditar:

Pensa numa corda, uma corda que prende, que amarra, que impede de andar, de prosseguir, de evoluir.

Agora pensa em ti, medita e identifica as cordas da tua vida que te prendem, que te impedem de caminhar em direcção a Jesus e em direcção aos que te rodeiam. Quais são as tuas prisões? São as tuas atitudes? Os teus preconceitos? Os teus medos? A tua preguiça? O teu orgulho?

Rezar:

“Senhor, tu que conheces o meu coração, ajuda-me a conhecer-me melhor, ilumina o meu discernimento. Ajuda-me a ser capaz de me libertar do que prende o meu coração, a minha mente e me impede de ser livre para conhecer o Teu Amor. Ajuda-me a renunciar ao que me torna dependente para poder ser livre para Caminhar Contigo e com todos”.

Agir:

Obra de Misericórdia - Dar de comer a quem tem fome; Dar de beber a quem tem sede.

(Caminhada Quaresmal do Patriarcado de Lisboa)

Diácono Carlos M. Borges



VIDA PAROQUIAL

1.    Jornada Vicarial de Jovens

Este domingo, dia 14 de fevereiro (I Domingo da Quaresma), entre as 9:00 e as 17:00 horas, decorrerá, na Paróquia de Porto Salvo, a Jornada Vicarial de Jovens.

2.    Reunião do Conselho Pastoral

Este domingo, dia 14 de fevereiro (I Domingo da Quaresma), às 20:30 horas, terá lugar, no Centro Jovem (Queluz de Baixo), uma reunião do Conselho Pastoral.

Apelamos à presença de todos os Conselheiros nesta reunião que marca o início do novo Conselho Pastoral.

3.    Via Sacra Vicarial

No próximo domingo, dia 21 de fevereiro (II Domingo da Quaresma), às 16:00 horas, terá lugar, na Igreja de Porto Salvo, a Via Sacra Vicarial.

Apelamos à presença de todos os Paroquianos nesta Celebração.

4.    Celebração da Via Sacra em Tercena e em Queluz de Baixo

Na nossa Paróquia, todas as sextas-feiras da Quaresma haverá a Celebração da Via Sacra nos seguintes horários:

Tercena, às 14:45 horas (três menos um quarto).

Queluz de Baixo, às 18:15 horas (seis e um quarto).

5.    “24 horas para o Senhor”

Acolhendo o desafio lançado pelo Papa Francisco para este Ano Jubilar da Misericórdia, na nossa Paróquia vamos ter o Santíssimo Sacramento exposto à adoração dos Fiéis durante 24 horas (a começar no dia 5 de março (sábado)

– Missa, às 12:00 horas, e a terminar no dia 6 de março (domingo) – Missa às 12:00 horas.

Todos os Grupos Paroquiais e todos os Paroquianos são convidados a participar nesta Celebração.

O esquema horário para a participação dos vários grupos será apresentado na próxima folha paroquial.


©2019 Paróquia de São Pedro de Barcarena