Nº131 20-12-2015

Anteriores

Nº131 - 20-12-2015

NA BARCA DA FÉ

 

ÉS FELIZ PORQUE ACREDITASTE

No Evangelho deste Domingo (Lc 1, 39-45), Maria é proclamada “bem-aventurada” porque “acreditou no cumprimento de tudo quanto lhe foi dito da parte do Senhor” (Lc 1, 45).

Quantas promessas fez Deus pela boca dos profetas! Mas, quando estas tardaram a realizar-se, muitos duvidaram da fidelidade do Senhor. Preferiram confiar em si mesmos, na própria inteligência, nos próprios projectos e acabaram sistematicamente por ir ao encontro do falhanço. Maria, ao contrário, é “bem-aventurada” porque confiou em Deus, alimentando a certeza de que, apesar de todas as provas em contrário, a Palavra do Senhor se cumpriria.

“Feliz porque acreditaste”. É esta a primeira bem-aventurança que se encontra no Evangelho de S. Lucas. Maria é feliz não porque viu, mas porque confiou na Palavra de Deus. No Evangelho de S. João, esta mesma bem-aventurança encontra-se no fim. O Ressuscitado dirige-se a Tomé: “Bem-aventurados os que, embora não tendo visto, acreditam” (Jo 20, 29). A fé autêntica, aquela de que Maria dá prova, não tem necessidade de demonstrações, de verificações, mas baseia-se só na escuta da Palavra e manifesta-se na adesão incondicional a essa mesma Palavra.

Não é fácil acreditar, especialmente quando nos é exigido que vamos contra o nosso “bom senso”. Há que ter muita coragem para acreditar que se realizarão as promessas feitas por Deus aos construtores da paz, aos não violentos, àqueles que oferecem a outra face, aos que não se vingam, aos que oferecem a vida por amor. Maria ensina-nos que vale a pena confiar sempre na Palavra do Senhor.

Votos de um Santo Natal!

O vosso Pároco,

Padre Mário Faria Silva



VIVER A PALAVRA - IV Domingo do Tempo do Advento - ANO C

Miqueias 5, 1-4ª; Salmo 80(79); Hebreus 10,5-10; Lucas 1,39-45.

A poucos dias de celebrarmos o nascimento do Deus Menino, a 2.ª leitura deste Domingo fala da vinda do Verbo ao mundo, mas remete-me para um Cristo já adulto que põe a vontade do Pai à frente da Sua e que pelo Seu acto de amor na cruz salvou a humanidade.

Irmãos: Ao entrar no mundo, Cristo disse: «Não quiseste sacrifícios nem oblações, mas formaste-Me um corpo. Não Te agradaram holocaustos nem imolações pelo pecado. Então Eu disse: ‘Eis-Me aqui; no livro sagrado está escrito a meu respeito: Eu venho, ó Deus, para fazer a tua vontade’».

S. Paulo põe na boca de Jesus as palavras do Salmo 40. O Verbo que Se fez carne veio para fazer a vontade do Pai. Este acto de amor de Jesus vale mais do que todos os sacrifícios feitos pelos homens para expiação dos pecados. Pelo Seu sacrifício tornou dispensáveis todos os outros.

No entanto, no Advento, a Igreja convida-me a fazer uma caminhada de conversão para receber Jesus onde se incluem a oração, a penitência, renúncias, esmola, etc..

Esta leitura vem iluminar esse convite. Esses pequenos gestos, mais do cumprir fórmulas, devem reflectir aquilo que é a vontade de Deus, isto é, devem contribuir para a minha conversão, para a mudança do meu coração para O receber. Implicam, nomeadamente, contrariar aquilo que me apetece, desinstalar-me do meu comodismo, dar com satisfação do que me faz falta e não do que me sobra, colocar-me em modo de “espera” e não de “já chegada”, acomodada.

No Evangelho, Isabel, inspirada pelo Espírito Santo, diz: «Bem-aventurada aquelaque acreditou no cumprimento de tudo quanto lhe foi dito da parte do Senhor».

Maria aceitou fazer a vontade de Deus, desconhecendo exactamente o “como” e o “porquê”. Certamente tê-la-á ajudado a notícia dada pelo anjo acerca da gravidez da prima, na sua velhice, mostrando-lhe que «para Deus, com efeito, nada éimpossível» (Lc 1, 37).

Quando procuro fazer a vontade de Deus ajudam-me os sinais que me dá, recordar aqueles que me deu noutras ocasiões e que deram frutos, assim como os que vejo nos irmãos à minha volta. Às vezes Deus pede coisas que no momento parecem impossíveis, mas dá também a graça, coloca como que sinais de trânsito que apontam caminhos para chegar ao destino.

Por isso, abrir espaço para o Espírito Santo é fundamental. Foi também através dele que Isabel e João Baptista reconheceram Jesus no inesperado seio de Maria e exultaram de alegria! O Messias, sobre quem o profeta Miqueias disse: «Ele será a paz».

Filipa Aguiar Ferreira



VIVENDO A FÉ - Na plenitude do tempo, Deus mandou o Seu Filho para nos revelar o Seu Amor!

Entramos hoje na IV e última Semana do Advento!

Domingo passado, na Sé Patriarcal, foi aberta a Porta da Misericórdia, e este domingo (dia 20 de dezembro, às 16:00 horas) abriremos a Porta da Misericórdia na Igreja Matriz de Oeiras, iniciando um Jubileu que se prolongará até à Solenidade de Cristo Rei.

No Número 1 da Bula Misericordiae Vultus, de proclamação do Jubileu Extraordinário da Misericórdia, o Papa Francisco diz-nos: «Na “plenitude dotempo” (Gl 4, 4), quando tudo estava pronto segundo o seu plano de salvação, [Deus] mandou o seu Filho, nascido da Virgem Maria, para nos revelar, de modo definitivo, o seu amor. Quem o vê, vê o Pai (cf. Jo 14, 9). Com a sua palavra, os seus gestos e toda a sua pessoa, Jesus de Nazaré revela a misericórdia de Deus».

E o Senhor Cardeal Patriarca recorda-nos: “Como nos lembra o Papa,chegara o tempo de Deus nos mandar o seu Filho, nascido da Virgem Mãe; diz-nos também que assim nos foi revelado inteiramente o amor de Deus; e que tudo quanto Jesus disse e fez é nome e figura da misericórdia divina”.

Na nossa caminhada do Advento, o verbo proposto para esta semana (20 a 26 de dezembro) é Frutificar. Frutificar é saber que Deus é fonte de fecundidade; É encontrar modos de concretizar a Palavra de Deus e fazer com que dê fruto; É valorizar os frutos de vida nova que surgem.

Uma tarefa concreta (gesto) poderá ser rezar, como oração da noite, o texto bíblico: “Hei-de cantar para sempre o Amor do Senhor; A todas asgerações anunciarei a Sua fidelidade. Proclamarei que o Teu Amor é para sempre, e que a Tua Fidelidade é eterna como o Céu”. (Sl 89, 2-3)

Outra tarefa concreta (gesto) pode ser partilhar a luz de Belém que recebeste com outra pessoa. Desta forma, anuncias a essa pessoa a luz de Belém que é Jesus.

Como Isabel e Zacarias tu és convidado a frutificar, a deixar que Deus faça nascer coisas boas à tua volta.

Diácono Carlos M. Borges



VIDA PAROQUIAL

1.    Abertura da Porta da Misericórdia – Igreja Matriz de Oeiras

Este domingo, dia 20 de dezembro, às 16:00 horas, numa Celebração Eucarística presidida pelo Cónego Mário Pais, será aberta a Porta da Misericórdia, na Vigararia de Oeiras (Igreja Matriz de Oeiras).

Todos os Paroquianos são convidados a participar nesta Celebração.

2.    Horário das Missas de Natal

Dia 24 de dezembro, às 18:00 horas, Missa Vespertina, em Tercena e em Queluz de Baixo.

Dia 24 de dezembro, às 24:00 horas, Missa do “galo”, na Igreja Paroquial.

Dia 25 de dezembro, às 10:30 horas, Missa em Tercena e em Valejas, às 11:00 horas, Missa em Leceia, às 12:00 horas, Missa na Igreja Paroquial e às 18:00 horas, Missa em Queluz de Baixo.

3.    Horário das Missas no Dia de Ano Novo

O horário das Missas no dia de Ano Novo será o seguinte: às 10:30 horas, Missa em Tercena e em Valejas, às 11:00 horas, Missa em Leceia, às 12:00 horas, Missa na Igreja Paroquial e às 18:00 horas, Missa em Queluz de Baixo.

4.    Grupo de Jovens - Janeiras

O Grupo de Jovens da nossa Paróquia vai, como é costume, passar pelas diferentes Comunidades para cantar as Janeiras em casa das Famílias que o desejarem.

Os horários são os seguintes: Dia 2 de janeiro à tarde – Leceia

Dia 2 de janeiro à noite – Queluz de Baixo Dia 3 de janeiro à tarde – Valejas e Barcarena Dia 3 de janeiro à noite – Tercena

As inscrições devem ser feitas junto de um dos Jovens, no final das Missas dos dias 19, 20, 24, 25, 26 e 27 de dezembro e do dia 1 de janeiro, ou, em alternativa, através do e-mail:   Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Na Comunidade de Valejas a inscrição deverá ser feita junto da Zeladora.

5.    Peregrinação a Roma e Assis

Entre 28 de março e 1 de abril de 2016 vai realizar-se uma peregrinação vicarial a Roma e Assis. As inscrições estão abertas até ao dia 31 de dezembro de 2015. Todas as informações estão disponíveis no folheto que pode ser obtido no Cartório Paroquial.


©2019 Paróquia de São Pedro de Barcarena