Nº121 11-10-2015

Anteriores

Nº121 - 11-10-2015

NA BARCA DA FÉ

 

OS MANDAMENTOS INDICAM O CAMINHO DA VIDA

Muitos cristãos veem os mandamentos como uma prova, um exame a que o Senhor submete os humanos para verificar a sua fidelidade. A Lei de Deus não é um exame, mas a Palavra de um Pai amoroso que indica aos seus filhos o caminho da liberdade e da alegria. Quem os observar não merece nenhum prémio, deve, isso sim, agradecer ao Senhor por lhe ter feito descobrir o caminho da vida.

E os que se enganam no caminho? Bem, esses já são infelizes, porque arruinam a própria existência e a dos outros. Mas divertem-se, poderemos pensar! Em parte, sim, é verdade, mas não estão em paz nem consigo, nem com Deus, nem com os outros, nem com o mundo, e, por isso mesmo, não são felizes.

A lógica em que se apoia a concepção dum Deus justiceiro, às tantas ainda muito em voga na nossa Paróquia, baseia-se na ideia de que o pecado é um astuto roubo de prazer indevido e desmedido. O afastamento de Deus é, pois, visto como a apropriação dum bem que, em boa verdade, não nos pertence, mas que, de qualquer modo, é apetecível, enriquece-nos e torna-nos felizes. Ora bem, em se tratando dum furto, pensamos nós, deve-se pagar, nesta ou na outra vida. De resto, que sentido teria um comportamento irrepreensível se a honestidade não fosse premiada?

O pecado não é um algo mais, mas sim um algo menos. Não é uma conquista, mas uma perda, não é uma situação de esperteza, mas uma ratoeira, para quem o comete. Se assim é, então como é que o Senhor, “amante da vida” (Sab 11, 26), poderia acrescentar um mal ao mal que nós fazemos? É só para estar em conformidade com os nossos critérios de justiça?

“Feliz o homem que teme o Senhor e se compraz nos seus mandamentos” (Sal 112, 1). Os rabinos notavam com perspicácia: a alegria encontra-se “nos mandamentos”, não na recompensa que receberá quem os observar. O bem que se faz é prémio por si mesmo; da mesma forma que o mal castiga a quem o comete.

O vosso Pároco,

Padre Mário Faria Silva



VIVER A PALAVRA - XXVIII DOMINGO DO TEMPO COMUM - ANO B

Sabedoria 7,7-11; Salmo 90(89); Hebreus 4,12-13; Marcos 10,17-30.

A primeira leitura convida-me a rezar e suplicar pelas virtudes da prudência e da sabedoria.

“Amei [a sabedoria] mais do que a saúde e a beleza e decidi tê-la como luz, porque o seu brilho jamais se extingue.”

O homem que tem a graça de possuir a Sabedoria de Deus é aquele que construiu a sua casa sobre a rocha. Vêm as chuvas e os ventos e a sua morada não é abalada. Por isso nas doenças, sofrimentos e tribulações mantém uma paz que surpreende os outros.

Eu, pelo contrário, vejo como qualquer contratempo me faz vacilar ou ficar inquieta. Recordo as palavras de Jesus a Marta num Evangelho da semana que passou: “andasinquieta e preocupada com muitas coisas, quando uma só é necessária. Maria escolheu a melhor parte, que não lhe será tirada.” (Lc 38, 41-42).

Os meus olhos procuram mais ver através da sabedoria humana do que da de Deus. Mas Deus é verdadeiro Pai e foi nos momentos mais difíceis dos últimos anos, quando a sabedoria humana já poucas ou nenhumas respostas tinha para me dar, que confiar em Deus me trouxe paz, porque Lhe entreguei o que eu já não conseguia resolver.

Na Carta aos Hebreus, a palavra surge como juiz dos meus actos. “A palavra deDeus éviva e eficaz, mais cortante que uma espada de dois gumes: ela penetra até ao ponto de divisão da alma e do espírito, das articulações e medulas, e é capaz de discernir os pensamentos e intenções do coração.”

Deus conhece-me melhor do que ninguém. Perante Ele não é possível disfarçar ou tentar fazer boa figura. A palavra há de sempre confrontar-me com o meu pecado. Como foi e como poderia ter sido. Mas apesar desta dureza, Deus tem poder para reescrever o caminho ainda a percorrer e dar uma nova oportunidade de Salvação à Sua filha.

No Evangelho “Jesus olhou para ele com simpatia e respondeu: «Falta-te uma coisa:vai vender o que tens, dá o dinheiro aos pobres e terás um tesouro no Céu. Depois, vem e segue-Me». Ouvindo estas palavras, anuviou-se-lhe o semblante e retirou-se pesaroso, porque era muito rico.”

O olhar e as palavras de Jesus também são para mim: “Podes pensar que fazes algumas coisas, mas se tens um coração rico em avareza e soberba e não dás a vida em tudo quanto fazes, como podes seguir-me?”.

Por isso termino como o salmista, “Ensinai-nos a contar os nossos dias, parachegarmos à sabedoria do coração. Voltai, Senhor! Até quando? Tende piedade dos vossos servos.” 

Filipa Aguiar Ferreira



O Sínodo dos Bispos sobre a Família

Desde Domingo passado (dia 4 de Outubro) e até ao dia 25 de Outubro está a decorrer, em Roma, a Assembleia do Sínodo dos Bispos sobre a Família onde se espera ver sublinhada a importância das Famílias na Sociedade e na Igreja, com uma abordagem de “misericórdia” pelas que vivem maiores dificuldades.

Há algum tempo atrás o Papa Francisco afirmou: “O sacramento domatrimónio é um grande acto de fé e de amor: dá testemunho da coragem de acreditar na beleza do gesto criador de Deus e de viver aquele amor que impele a ir sempre além, além de nós mesmos …”. E mais recentemente declarou: “A família, fundada sobre o pacto entre homem e mulher, é a pedra angular de toda a sociedade humana, o lugar do nosso nascimento e crescimento. Não existe um verdadeiro crescimento ou progresso sem salvaguardar a dignidade da família”.

Durante a 1ª sessão de trabalho da Assembleia Sinodal o Santo Padre recordou que “o Sínodo não é um parlamento, onde para se chegar a um consenso ou aum acordo comum, se recorre à negociação, a pactos ou a cedências. O único método do Sínodo é o de abrir-se ao Espírito Santo, com coragem apostólica, humildade evangélica e oração confiante. … O Sínodo é … Igreja que caminha em conjunto para ler a realidade com os olhos da fé e o coração de Deus”.

O Papa pediu que os participantes tenham sempre em vista “o bem da Igreja,das famílias”.

Na homilia da Missa inaugural da Assembleia de Bispos o Papa apresentou “verdade” e “caridade” como chaves para o debate das próximas três semanas sobre as famílias e declarou: “Neste contextosocial e matrimonial bastante difícil, a Igreja é chamada a viver a sua missão na fidelidade, na verdade e na caridade”.

O Papa Francisco desafiou a Igreja a propor “o significado autêntico do casal eda sexualidade humana no projecto de Deus”, num “amor conjugal único e até à morte”. E prosseguiu: “Paradoxalmente, também o homem de hoje – que muitas vezes ridiculariza este desígnio – continua atraído e fascinado por todo o amor autêntico, por todo o amor sólido, por todo o amor fecundo, por todo o amor fiel e perpétuo”.

Diácono Carlos M. Borges



VIDA PAROQUIAL

 

1.    Mês do Rosário – Terço em Queluz de Baixo e Tercena

 

Durante todo o mês de Outubro rezar-se-á o Terço em Queluz de Baixo e Tercena, nos seguintes horários:

 

Queluz de Baixo  –2ª, 3ª, 5ª e Domingo, às 21:00 horas – 4ª, 6ª e Sábado, às 18:30 horas

 

Tercena Centro de Dia - 2ª a 6ª Feira, às 15:00 horas Capela de Tercena - Todos os dias, às 21:00 horas, excepto ao Sábado, que será às 18:30 horas

 

2.    Compromisso de Catequistas e de Crianças da Catequese

 

No próximo fim de semana vai ter lugar o Compromisso de Catequistas e de Crianças da Catequese em Tercena, na Missa Vespertina (dia 17, às 19:00horas) e em Barcarena, na Missa Dominical (dia 18, 12:00 horas).

 

3.    Lectio Divina com temática Missionária

 

No próximo Sábado dia 17 de Outubro, véspera do Dia Mundial das Missões, às 21:30 horas, vai ter lugar, na Igreja Paroquial, um encontro (Lectio Divina com temática Missionária).

 

Todos os Paroquianos, muito especialmente os Jovens são convidados a participar neste encontro/oração.

 

4.    Inscrições das Crianças na Catequese

 

Os Encarregados de Educação de todas as Crianças que vão frequentar a Catequese pela primeira vez na nossa Paróquia devem fazer, o mais rapidamente possível, a respectiva inscrição junto da Coordenadora de cada Comunidade ou no Cartório Paroquial.

 

5.    Inscrições para Novos Escuteiros

 

Estão abertas as inscrições para Novos Escuteiros. As inscrições deverão ser feitas através do mail   Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. ,indicando a idade e o contacto.

 

6.    Encontros do Grupo de Jovens

 

O Grupo de Jovens da nossa Paróquia já retomou os seus encontros, todos os Sábados às 21:30 horas, na Igreja Paroquial.

 

Convidamos todos os Jovens que receberam o Sacramento do Crisma no ano passado a integrarem o Grupo de Jovens.


©2019 Paróquia de São Pedro de Barcarena