Nº119 27-09-2015

Anteriores

Nº119 - 27-09-2015

NA BARCA DA FÉ

 

FAZEM O BEM... MAS NÃO NOS SEGUEM!

Um dia, João faz o seguinte relato a Jesus: anda por aí um rival perigoso que cura as pessoas usando o Teu Nome! Nós dissuadimo-lo porque não é dos nossos, não nos segue, e não tem a nossa autorização.

Reparemos bem nas suas palavras, que são citação: “não nos segue”! Não se diz que não segue Jesus, mas que não os segue a eles, os discípulos. O orgulho e a presunção fizeram explodir nos apóstolos o exclusivismo arrogante e sectário, a convicção de que são os únicos e indiscutíveis patrões do bem, o ponto de referência obrigatório para quem queira usar o nome de Jesus. Estão contrariados por haver quem realize obras boas, mesmo não pertencendo ao grupo.

Há cristãos que fingem não ver, que procuram ignorar, esconder, minimizar o bem realizado por quem não pertence à Igreja, por quem não é crente. Não conseguem alegrar-se com gestos de amor feito pelos outros. Não admitem que possa haver seguidores de outras religiões melhores que eles, não aceitam lições de honestidade, lealdade, não-violência, hospitalidade, generosidade, tolerância.

A todos os “fanáticos” que, pelo facto de terem o nome de discípulos, julgam ser as únicas pessoas animadas pelo Espírito, Jesus diz: “quem quer que actue em favor do homem é dos nossos”. O Espírito não é propriedade exclusiva da estrutura da Igreja, mas actua também fora dela.

Pensemos no que sucede nas nossas comunidades. Há muitos serviços a prestar aos irmãos e muitos desempenham-nos com desinteresse e generosidade, mas por vezes há também invejas e discórdias. É natural então que surja a suspeita de que, mais do que o próprio ministério, alguns se preocupem é pelo espaço de poder e de prestígio que ocupam… Entretanto, vão afastando como intrusos os que gostariam apenas de se tornar úteis e dar uma ajuda!

O vosso Pároco,

Padre Mário Faria Silva



VIVER A PALAVRA - XXVI DOMINGO DO TEMPO COMUM ANO B

Nm 11,25-29; Salmo 18 (19); Tg 5,1-6; Mc 9,38-43.45-47-48

Tiago, na sua epístola, apresenta-me uma palavra dura: “Agora, vós, ó ricos, chorai e lamentai-vos, por causa das desgraças que vão cair sobre vós”. É um chamamento forte à conversão e à humildade. É um convite para aceitar que sou pecador, que estou agarrado às coisas terrenas. É uma lembrança de que o meu pecado é mau para mim… Mas até aí Deus inculcou no ser humano uma justiça. Essa justiça faz-me aceitar em mim as consequências do meu pecado. O verdadeiro problema está em eu aceitar o mal que o meu pecado faz aos outros. Muito desse mal nem Deus me deixa ver porque ficaria paralisado. Teria medo de fazer seja o que for. Mas diz Moisés: “Quem dera que todo o povo do Senhor fosse profeta e que o Senhor infundisse o seu Espírito sobre eles!”.

Sendo cristão recebi o Espírito. Também tenho de ser profeta. Saber qual é o meu pecado e acabar com ele. Como diz Jesus no Evangelho: “Se a tua mão é para ti ocasião de escândalo, corta-a”. O que tenho de cortar: a minha preguiça, a minha inveja, o meu orgulho?

Mas um dia tudo será revelado. Qual o impacto no meu próximo de todo o mal que eu fiz por acção e omissão. Será um dia brutal em que Deus vai-me revelar claramente os meus pecados e as suas consequências. Vou saber todo o mal que fiz e as consequências que teve…

Mas nesse dia também Deus mostrará as graças que derrama sobre o mundo. Mostrará como conseguiu vencer a morte. Mostrará que apesar de todo o mal que eu fiz aos outros, Ele consegue colocar as coisas direitas. Como diz o Salmo: “A lei do Senhor é perfeita, ela reconforta a alma. As ordens do Senhor são firmes, dão sabedoria aos simples”.

Não sei se estou preparado para aceitar que na História da Salvação fui simples impedimento à Graça de Deus. Foi Deus quem fez tudo. Por isso Deus dá-me, a cada amanhecer, a oportunidade de fazer parte da Sua Obra. Para isso só tenho de amar o próximo, dar-lhe o que é necessário a cada momento. Ao refugiado dar abrigo, ao político dar-lhe o voto, ao polícia respeito, ao empregado o seu justo salário e à família o amor puro e simples.

Pedro Chambel Leitão



A Igreja é Mãe

Há já muitos meses que, em alguns minutos do meu dia, vou estando atento a tudo o que nos vai ensinando o Papa Francisco nas Homilias que, diariamente, profere na Capela da Casa de Santa Marta.

No passado dia 15 de Setembro, dia de Nossa Senhora de Dores, o Santo Padre dizia: “A Igreja é mãe … não é uma associação rígida”.

O Papa Francisco sublinhou que a Igreja, tal como a Virgem Maria, deve ser “materna”, deve exprimir-se com atitudes de humildade, bondade, perdãoe ternura.

Comentando o Evangelho do dia (Jo 19, 25-27) e, em particular, o versículo “Filho, esta é a Tua Mãe” (Jo 19, 27), as palavras do Santo Padre dão-nos o “mote” para a nossa vivência do mês de Outubro, dedicado a Maria. O PapaFrancisco destacou que “não se pode pensar emMaria sem a ver como Mãe”. E logo a seguir acrescentou: “A Sua maternidade estende-se a toda a Igreja, a toda a humanidade”.

Nesta época em que, afirmou o Santo Padre, “temos a sensação deorfandade, esta palavra tem uma grande importância. Jesus diz-nos: Não vos deixo órfãos, dou-vos uma Mãe. … Temos uma mãe que está connosco, que nos protege, que nos acompanha, que nos ajuda, também nos tempos difíceis, nos maus momentos”.

“A Igreja é Mãe!

É a nossa Santa Mãe Igreja que nos gera no Baptismo, que nos faz crescer na Sua Comunidade, que tem atitudes de maternidade, de meiguice, de bondade.

A Mãe Maria e a Mãe Igreja sabem acariciar os Seus filhos, dão ternura”.

E,  salientou  o  Papa  Francisco:  “Onde  há maternidade há vida, há alegria, há paz. Quando falta a maternidade fica a rigidez, a disciplina, não há sorrisos”.

Diácono Carlos M. Borges



VIDA PAROQUIAL

1.    Inscrições das Crianças na Catequese

Como tem sido anunciado, a Catequese na nossa Paróquia tem início este fim-de-semana.

Os Encarregados de Educação de todas as Crianças que vão frequentar a Catequese pela primeira vez na nossa Paróquia devem fazer, o mais rapidamente possível, a respectiva inscrição junto da Coordenadora de cada Comunidade ou no Cartório Paroquial.

Há uma Ficha de Inscrição que deve ser preenchida e entregue.

Juntamente com a ficha, no caso das crianças já baptizadas, deverá ser entregue fotocópia de documento comprovativo do Baptismo (Cédula da Vida Cristã ou Certidão de Baptismo).

2.    Peregrinação dos Acólitos ao Santuário de Nossa Senhora da Conceição (Vila Viçosa)

No próximo Sábado, dia 3 de Outubro, terá lugar a Peregrinação dos Acólitos ao Santuário de Nossa Senhora da Conceição, em Vila Viçosa.

A camioneta passará nas diferentes Comunidades para recolher os participantes. Os horários são os seguintes:

Queluz de Baixo – 6:50 horas; Leceia – 7:00 horas; Barcarena – 7:10 horas; Tercena – 7:20 horas.

A todos pedimos a máxima pontualidade!

3.    Encontro de Formação para Catequistas

No próximo dia 3 de Outubro (Sábado), entre as 9:00 e as 17:00 horas vai ter lugar, no Seminário de Alfragide, um Curso de Formação para Catequistas que começam a dar Catequese pela primeira vez.

Recomendamos a participação neste Curso de Formação a todos os Jovens Catequistas da nossa Paróquia.

4.    Curso de Iniciação para Catequistas

De 9 a 11 de Outubro vai ter lugar, na Paróquia de Queijas, um Curso de Iniciação para Catequistas. A inscrição para frequentar este Curso é obrigatória.

Recomendamos aos Jovens Catequistas da nossa Paróquia que pretendam frequentar este Curso o favor de informarem o Pároco (ou o Diácono) a fim de podermos proceder às respectivas inscrições.


©2019 Paróquia de São Pedro de Barcarena