Nº118 20-09-2015

Anteriores

Nº118 - 20-09-2015

NA BARCA DA FÉ

 

UMA PARÓQUIA QUE ABRAÇA OS ÚLTIMOS

O discípulo de Cristo pode-se definir como aquele que, a exemplo do Mestre, “abraça os meninos” (Cf Mc 9, 30-37). Não parece um gesto difícil de pôr em prática! Quem não gosta de acariciar e beijar uma criança, que é sempre “fofinha”? Sobretudo se está limpinha!

Pensemos, contudo, no que é a criança. Depende completamente dos adultos, nada produz e muito gasta, que tem necessidade de ajuda permanente. A criança facilmente arranja sarilhos e até desastres: se os pais não a controlam é capaz até de atear fogo à casa...

Seremos nós capazes de amar, de “abraçar”, os que, aos quarenta e mais anos, ainda precisam de assistência como as “crianças”: os pobres, os que não “dizem coisa com coisa, os que não sabem o que dizem, os que pregam partidas aos outros, os mal-educados, os que são empecilhos na vida dos outros, os que não trabalham? O que fazemos na nossa Paróquia por estes “meninos”? Abraçá-los não quer dizer fazer-lhes todas as vontadinhas, deixá-los fazer o que querem, mas educá-los com amor, ajudá-los a crescer, fazer com que deixem de se comportar como “crianças” e se tornem “adultos”.

Na nossa Paróquia, há “meninos” impuros, gente que leva uma vida pouco exemplar. E, porventura, aborrece-nos o facto de eles serem tratados com muita compreensão, com muita magnanimidade! Não poderá ser de outa forma! Depois, nunca o esqueçamos, todos nós somos “meninos impuros”, carentes do abraço da comunidade!

O vosso Pároco,

Padre Mário Faria Silva



VIVER A PALAVRA - XXV DOMINGO DO TEMPO COMUM – ANO B

Sab 2, 12. 17-20; Sal 53 (54), Tg 3, 16 – 4, 3, Mc 9, 30-37

“Deus resiste aos soberbos mas dá graça aos humildes” (Tg 4, 6b). A humildade é o que Deus reclama de mim, porque foi ele que a colocou em mim quando me “insuflou um hálito de vida” (Gn 2,7). Diz o salmo 50 (composto por David depois do profeta Natã lhe ter mostrado o seu pecado de adultério com Betsabéia) “Reconheço as minhas culpas e tenho sempre diante de mim os meus pecados. (…) Tu aprecias a verdade no íntimo do ser e ensinas-me a sabedoria no íntimo da alma.”

Como passar da escravidão das paixões e do pecado à humildade? Como descobrir em mim essa humildade que Deus me ensinou no íntimo da alma?

São Tiago aponta várias pistas para que eu possa fazer este caminho: “Todo aquele que quer ser amigo do mundo torna-se inimigo de Deus” (Tg 4,4b); “Onde há inveja e rivalidade, também há desordem e toda a espécie de más acções” (Tg 3, 16); “De onde vêm as guerras? De onde procedem os conflitos entre vós? Não é precisamente das paixões que lutam nos vossos membros?” Tg (4, 1). O perigo da mundanidade ameaça-me permanentemente porque me leva a perder a ligação a Deus, a querer ser mais do que os meus irmãos e a deixar que as minhas paixões comandem a minha vida. É fácil escolher aquela mundanidade porque parece atraente, ao contrário da Cruz.

A sabedoria de Deus, no entanto, manifesta-se em mim quando abraço a cruz, quando aceito mesmo sem compreender, o ensinamento de Jesus “O Filho do homem vai ser entregue às mãos dos homens, que vão matá-l’O; mas Ele, três dias depois de morto, ressuscitará” (Mc 9, 31b). Mas pondo a coisa um pouco mais simples, para os discípulos e para mim: “Quem quiser ser o primeiro será o último de todos e o servo de todos” (Mc 9, 35b).

Zé Chambel Leitão



O Essencial do “Estilo Cristão”

O início deste novo “ano pastoral” de 2015-2016 pode ser aproveitado por cada um de nós para reflectirmos sobre o essencial do “Estilo Cristão”, que deve girar em torno do binómio «Paz e Misericórdia».

A este propósito, o Papa Francisco afirmou há alguns dias: “Paz ereconciliação foi o que fez Jesus. Ele fez a paz. … Ele é o Príncipe da Paz porque gera Paz em nossos corações”.

Um pouco por todo o lado, vivem-se tempos complicados: tantos homens e mulheres a fabricar armas que matam, guerras … E o Santo Padre aponta-nos para o essencial do “Estilo Cristão”: “A Paz salva, faz-te viver, faz-tecrescer; A guerra aniquila-te, arrasta-te para baixo. … Quem não sabe perdoar não é cristão”.

Logo a seguir o Papa continua: “A guerratambém existe nas nossascomunidades cristãs, entre nós. … Quantas mulheres heróicas existem no nosso povo que suportam, para o bem da família, dos filhos, muitas brutalidades, injustiças … Quantos homens heróicos há no nosso povo cristão que suportam levantar-se de manhã cedo para ir trabalhar – muitas vezes um trabalho injusto, mal retribuído – para regressar numa hora tardia da noite, para manter a esposa e os filhos. … Mas, quantos outros existem que, em vez de fazer o que devem, fazem trabalhar a língua e fazem a guerra. … A língua destrói e faz a guerra”.

A carta aos Colossenses aponta-nos o “estilo de vida cristão”: “Como eleitosde Deus … revesti-vos de sentimentos de misericórdia, de bondade, de humildade, de mansidão, de paciência … Tal como o Senhor vos perdoou, fazei-o vós também. Revesti-vos do amor, que é o laço da perfeição. Reine nos vossos corações a paz de Cristo … E tudo quanto fizerdes por palavras ou por obras, fazei-o em nome do Senhor Jesus, dando graças por Ele a Deus Pai”. (Cfr. Cl 3, 12-17)

Duas as palavras-chave: A primeira é o Perdão, a Paz; A segunda é a Misericórdia.

Perdoar, como o Senhor vos perdoou! Como? Suportando-nos uns aos outros na família, no bairro, no trabalho... Suportando-nos sem bisbilhotar. Ser misericordioso, compreender os outros, não condenar. Em vez de nos lamentarmos com um «aquele fez isto!», perguntar a si mesmo: «E eu o que fiz!».

Diácono Carlos M. Borges



VIDA PAROQUIAL

1.    Inscrições das Crianças na Catequese

Os Encarregados de Educação de todas as Crianças que vão frequentar a Catequese pela primeira vez na nossa Paróquia devem fazer a respectiva inscrição junto da Coordenadora de cada Comunidade ou no Cartório Paroquial.

Há uma Ficha de Inscrição que deve ser preenchida e entregue.

Juntamente com a ficha, no caso das crianças já baptizadas, deverá ser entregue fotocópia de documento comprovativo do Baptismo (Cédula da Vida Cristã ou Certidão de Baptismo).

As crianças que já frequentaram a Catequese na nossa Paróquia estão, automaticamente, inscritas.

2.    Início da Catequese

A Catequese vai iniciar no próximo fim-de-semana (26 e 27 de Setembro).

O primeiro encontro de cada Grupo terá lugar com o(a) mesmo(a) Catequista, na mesma Sala e à mesma hora do ano passado.

Todas as alterações que, eventualmente, possam ocorrer apenas serão efectuadas posteriormente.

3.    Seminário de Estudos

Na próxima Sexta-Feira, dia 25 de Setembro, entre as 19:00 e as 20:30 horas, terá lugar, na Igreja do Sagrado Coração de Jesus (em Lisboa, muito próximo da Praça Marquês de Pombal), um Seminário de Estudos – “A Pastoral Urbana”.

Trata-se de uma Conferência aberta a todos os que nela desejarem participar.

4.    Encontro de Formação para Catequistas

No próximo dia 3 de Outubro (Sábado), entre as 9:00 e as 17:00 horas vai ter lugar, no Seminário de Alfragide, um Curso de Formação para Catequistas que começam a dar Catequese pela primeira vez.

Recomendamos a participação neste Curso de Formação a todos os Jovens Catequistas da nossa Paróquia. 


©2019 Paróquia de São Pedro de Barcarena