Nº107 10-05-2015

Anteriores

Nº107 - 10-05-2015

NA BARCA DA FÉ

 

SEREIS MEUS AMIGOS

Jesus não chama aos seus discípulos servos mas “amigos” (Jo 15, 14-15). O servo não tem nada em comum com o projecto do patrão: cumpre a tarefa e as ordens que lhe são confiadas (sem sequer perguntar o porquê), recebe uma recompensa pelo trabalho realizado e, no final do horário de trabalho, volta para casa a fazer a própria vida. O amigo, ao contrário, é um confidente, é alguém com o qual se estabelece uma comunhão de vida, de projectos, de intenções. O amigo é feliz quando pode fazer algum favor, nunca exige recompensa pelo serviço prestado, não tem segredos.

Jesus chama “amigos” aos seus discípulos porque lhes revelou o projecto do Pai (Jo 15, 15) e os chamou a colaborar com Ele na realização desse desígnio. Se a comunidade cristã é composta por “amigos”, são então excluídas as relações: superior-súbdito, patrão-criado, mestre-discípulo. Todos os seus membros estão no mesmo plano, gozam todos da mesma dignidade.

Depois de ter lavado os pés aos apóstolos, Jesus admite o título de “Mestre e Senhor”, mas dá-lhe um significado completamente novo: o “primeiro”, o que é “grande” na comunidade é aquele que lava os pés ao último. Não há lugar para quem, em vez de servir, tem a ambição de ocupar cargos prestigiosos e honoríficos.

Procuremos responder às seguintes perguntas: quando pensamos que, se observarmos os mandamentos, receberemos uma grande recompensa, estamos a raciocinar como amigos ou como servos? Tomaremos a peito o projecto do Pai? Conheceremos ao menos este projecto? O que é que fazemos para o realizar? Que tipo de relações se instaurou entre os membros da nossa comunidade?

O vosso Pároco,

Padre Mário Faria Silva



VIVER A PALAVRA - DOMINGO VI DA PÁSCOA – Ano B

At 10,25-26.34-35.44-48;Sl 98(97),1.2-3ab.3cd-4; 1Jo 4,7-10; Jo 15,9-17

O Amor é um tema muito caro a S. João nos seus escritos. É essa a palavra-chave que me traz nas leituras deste Domingo.

“Amemo-nos uns aos outros, porque o amor vem de Deus, e todo aquele que ama nasceu de Deus e conhece a Deus. Quem não ama não conhece a Deus, porque Deus é amor”.

Esta afirmação da 1ª Carta de S. João lembra-me as palavras de Filipe numa outra passagem: “Senhor, mostra-nos o Pai e isso nos basta!” Diz-lhe Jesus: “Há tanto tempo estou convosco e tu não me conheces, Filipe? Quem me vê, vê o Pai” (Jo 14, 8).

Todas as vezes que não amo, demonstro não conhecer o Pai e o Filho que O revelou, apesar do meu baptismo e da caminhada que vou fazendo na Igreja. Mas S. João, na segunda leitura, e depois Jesus, no Evangelho, mostram-me que isso faz parte do projecto de Deus: “Nisto consiste o amor: não fomos nós que amámos a Deus, mas foi Ele que nos amou e enviou o seu Filho como vítima de expiação pelos nossos pecados.” (1 Jo, 4, 10) e “Não fostes vós que Me escolhestes; fui Eu que vos escolhi” (Jo 15, 16).

Deus amou-me de tal forma que enviou o Seu bem mais precioso, o Seu Filho, para morrer pelos meus pecados.

Por isso, ama-me primeiro quando não me apetece amar quem está ao meu lado, porque me incomoda, porque não pensa como eu ou porque não faz o que eu quero.

Ama-me primeiro porque Ama sempre, até ao fim. Em cada acontecimento está presente para enviar o Espírito que pode abrir o meu coração à Sua palavra, para não me deixar cair quando tropeço e para me perdoar quando caio.

Nas palavras do Evangelho de hoje que Jesus deixa aos discípulos antes da Sua Paixão, como uma herança, Ele diz que “ninguém tem maior amor do que aquele que dá a vida pelos amigos. Vós sois meus amigos, se fizerdes o que Eu vos mando”. Pouco depois Ele daria a Sua vida, gratuitamente, até pelos inimigos.

E disse ainda: “O que vos mando é que vos ameis uns aos outros”.

Quando recuso ser sua amiga, porque fecho os ouvidos a esta palavra, mesmo aí Ele mantém-se fiel e dá-me sempre a oportunidade de recomeçar.

E é na medida em que perco a vida pelos outros que experimento amá-Lo a Ele.

Filipa Aguiar Ferreira



Dois traços da identidade do Cristão: Memória e Serviço!

São sempre belos e simples os ensinamentos que o Papa Francisco nos deixa nas suas Homilias das Missas celebradas na Capela da Casa Santa Marta.

“Memória” e “Serviço” foram aspalavras-chave da homilia do Santo Padre na Missa celebrada na passada Quinta-Feira, dia 30 de Abril.

O Cristão não caminha sozinho, está inserido num povo, numa história secular, é chamado a pôr-se ao serviço do próximo.

A “história” (a memória que temos dela) e o “serviço” são, diz o Santo Padre, os “dois traços da identidade do cristão”.

Na sua reflexão, o Papa Francisco recordou que os primeiros Discípulos “nãoanunciaram um Jesus sem história”, mas “Jesus na história de um povo que Deus fez caminhar durante séculos para chegar à maturidade, à plenitude dos tempos”.

Eis uma das características da identidade cristã, diz o Santo Padre: “Ser homem emulher da história, entender que a história não começa nem acaba comigo”.Tudo começa quando o Senhor entra na história!

Ser cristão, diz o Santo Padre, “não é aparência, conduta social, nem maquilhar aalma para ser mais bonita. Ser cristão é fazer o que Jesus fez: Servir! Ele veio não para ser servido, mas para servir”.

E o Papa Francisco lança algumas questões para reflexão: “Tenho o sentido dahistória? Sinto-me parte de um povo que vem de longe? … No meu coração, o que mais faço? Deixo-me servir, sirvo-me do próximo, da comunidade, da paróquia, da minha família, dos meus amigos, ou sirvo, ponho-me ao serviço?”.

E, logo a seguir, dá-nos um trabalho para casa: “Seria útil pegar na Bíblia e lê-la.Ali encontra-se a memória dos justos”.

“O cristão é homem e mulher de história, porque não pertence a si mesmo, faz parte de um povo, um povo que caminha. O cristão não é um homem, uma mulher espiritual de laboratório, é um homem, é uma mulher espiritual que faz parte de um povo, que tem uma história longa e continua em caminho até ao retorno do Senhor”. 

Diácono Carlos M. Borges



VIDA PAROQUIAL

1.    Festa de Nossa Senhora de Fátima – Comunidade de Queluz de Baixo

Dia 12 de Maio – 21:00 horas, Terço, na Igreja de Queluz de Baixo. Dia 13 de Maio – 21:00 horas, Eucaristia, na Igreja de Queluz de Baixo. Dia 16 de Maio – 20:30 horas, Eucaristia, na Igreja de Queluz de Baixo, seguida de Procissão de Velas.

Dia 17 de Maio – 11:00 horas, Saída da Procissão da Igreja de Nossa Senhora de Fátima. 11:30 horas, Missa Solene em honra de Nossa Senhora de Fátima, no Centro Jovem de Queluz de Baixo.

Dias 15 e 16 de Maio haverá arraial, no Centro Jovem.

2.    Feira Social – Centro Social e Paroquial de Barcarena

Entre os dias 15 e 17 de Maio, no Centro Jovem de Queluz de Baixo, decorrerá a Feira Social, organizada pelo Centro Social e Paroquial.

3.    Alteração nos horários das Missas no dia 17 de Maio

No dia 17 de Maio (Domingo), devido à Festa em honra de Nossa Senhora de Fátima, em Queluz de Baixo, o horário das Missas Dominicais vai sofrer as seguintes alterações:

Barcarena: A Missa das 12:00 horas será cancelada.

Tercena: A Missa das 10:30 horas será antecipada para as 9:30 horas.

Queluz de Baixo: A Missa das 9:00 horas passará para as 11:30 horas e será celebrada no Centro Jovem.

4.    Primeira Comunhão – Encontro com os Pais

No próximo dia 22 de Maio, Sexta-Feira, às 21:00 horas, na Igreja Paroquial, haverá um encontro com os Pais das Crianças que vão fazer a Primeira Comunhão. Apelamos à presença e à pontualidade de todos.

5.    Retiro dos Jovens que fazem a Profissão de Fé

Os Jovens que fazem a Profissão de Fé no dia 24 de Maio, às 11:00 horas, na

Igreja Paroquial, vão ter, no dia 23 de Maio, no Centro Social e Paroquial (Instalações de Tercena), um dia de retiro, entre as 10:00 e as 15:30 horas.

É preciso trazer almoço para partilhar.

Às 15:30 horas terão início as Confissões. Pais e Padrinhos são também convidados a receber o Sacramento da Confissão.

6.    Peregrinação Paroquial a Fátima

As inscrições para a Peregrinação Paroquial a Fátima, a realizar-se no próximo dia 4 de Julho, já se encontram abertas. Podem ser feitas junto das Zeladoras de cada Comunidade.

7.    Encontro de Crismandos com o Senhor Bispo

Por motivos que se prendem com o Calendário de Exames, o encontro dos Crismandos com o Senhor Bispo foi transferido para o dia 25 de Junho, às 21:30 horas.


©2019 Paróquia de São Pedro de Barcarena