Nº79 25-10-2014

Anteriores

Nº79 - 25-10-2014

NA BARCA DA FÉ

 

NO SER HUMANO ENCONTRAMOS DEUS

Solidão, silêncio, ascese são elementos necessários para criar um clima favorável à contemplação, à “vida interior”, ao encontro com Deus. Contudo, podem tornar-se sinal de patologias se nos afastarem das pessoas e levarem ao desinteresse pelos irmãos. A contraposição entre o amor pela pessoa e o culto a Deus não deriva do Evangelho, mas baseia-se em mitos pagãos.

Sendo amigo dos homens, Prometeu tinha-lhes ensinado os números, as letras, a arte de domesticar os animais, a agricultura, a navegação e a laboração dos metais; tinha subido ao Olimpo para roubar o fogo aos deuses e dá-lo aos homens. Por esse motivo, Zeus tinha mandado que acorrentassem Prometeu a uma rocha no Cáucaso e ordenado a um abutre que lhe desfizesse eternamente as entranhas. Desta forma, o senhor dos deuses libertava o seu rancor contra aquele que, por ter sido amigo dos homens, tinha ganho a inimizade dos númenes.

Nada é mais contrário à mensagem bíblica do que isto. A promoção e o crescimento humano realizam o projecto de Deus: “Nós amamos, porque Ele nos amou primeiro. Se alguém  disser: ‘Eu amo a Deus’, mas tiver ódio ao seu irmão, esse é um mentiroso; pois aquele que não ama o seu irmão, a quem vê, não pode amar a Deus, a quem não vê. E nós recebemos dEle este mandamento: quem ama a Deus, ame também o seu irmão.” (1Jo 4, 19-21)

É com razão que Prometeu, partido de uma perspectiva bíblica, foi definido “o homem segundo o coração de Deus”. De facto, o Senhor ensinou ao Seu povo “que o justo deve ser amigo dos homens”. (Sab 12, 19)

O vosso Pároco,

Padre Mário Faria Silva



VIVER A PALAVRA - XXX DOMINGO DO TEMPO COMUM - Ano A

Ex 22,20-26; Salmo 17 (18); 1 Tes 1,5c-10; Mt 22,34-40

No tempo dos meus bisavós a sobrevivência era lutar por tirar da terra o alimento, lutar por conseguir ir à escola. Hoje a sobrevivência é sucesso profissional, manter uma boa saúde, pagar a casa e o carro. No tempo dos meus bisavós a turbulência da meteorologia e da jovem República Portuguesa podia levar à fome e levar a desistir da escola. Nos tempos atuais as turbulências dos mercados globais podem levar-me a perder o emprego, a saúde e a casa. Eu fui desde cedo introduzido aos mandamentos  da sobrevivência. Esses mandamentos não são maus e até tornam a vida interessante.

Mas sobreviver é por definição passageiro. Vai haver um dia em que não vou conseguir sobreviver. Haverá um dia em que morro. E nesse dia vou-me encontrar com Jesus Cristo. Nesse dia Ele não me vai perguntar se eu aprendi os mandamentos da sobrevivência… vai perguntar se enquanto sobrevivi, aprendi os mandamentos do AMOR.

Na primeira leitura Deus pede-me que não coloque a minha sobrevivência à frente do amor ao próximo: “Não prejudicarás o estrangeiro, nem o oprimirás”. No salmo convida-me a colocar o amor a Deus como sustento da minha sobrevivência: “Eu vos AMO, Senhor: sois a minha força”. São Paulo na segunda leitura exalta os Tessalonicenses, por eles dos ídolos se converterem a Deus. Eu aqui leio que os Tessalonicenses já não estão agarrados à sobrevivência, mas ao AMOR ao próximo.

Finalmente, no evangelho, Jesus Cristo vem desfazer qualquer dúvida que restasse… Os dois mandamentos mais importantes têm ambos o verbo AMAR. Penso que vão ser estes mandamentos que Jesus me vai perguntar se eu aprendi durante o tempo de sobrevivência na Terra. E como digo sempre aos meus filhos e alunos… o bom aluno é aquele que pratica! Tenho de praticar mais!

Pedro Chambel Leitão



Através do Espírito Santo, Deus deu aos Cristãos o Céu como “antecipação” da eternidade!

O cristão não pode ser “morno”! O cristão tem uma identidade bem determinada que lhe é dada pelo selo do Espírito Santo. Assim se expressou o Papa Francisco na manhã de sexta-feira, dia 17 de Outubro, na homilia da Missa na Capela da Casa Santa Marta.

“O Senhor – disse o Santo Padre – não só nos escolheu, mas também nos deu uma identidade”. E explicou: “Não recebemos em herança simplesmente um nome, mas uma identidade, um modo de viver, que não é apenas uma série de hábitos, mas é muito mais. A nossa identidade, disse o Papa, é o selo, a força do Espírito Santo, que recebemos no Baptismo. O Espírito Santo selou o nosso coração e, mais ainda, caminha connosco.Este Espírito, que foi prometido por Jesus, não nos dá somente a identidade, mas também uma antecipação da nossa herança. Com Ele, tem início o Céu”.

O cristão age na vida terrena mas vive já na perspectiva da “eternidade. Com o selo do Espírito Santo temos o Céu nas mãos”.

Iniciamos há poucos dias a nossa Caminhada Sinodal. O nosso Patriarca convida-nos a termos bem presente o “Sonho Missionário de chegar a Todos”.

Este sonho só se tornará realidade se cada um de nós não for um “cristão morno, um cristão que vai à missa ao domingo, … mas que, substancialmente, vive como um pagão”.

Este sonho só se tornará realidade se a nossa vida cristã for vivida segundo aquela identidade criada pelo Espírito Santo e que, como disse o Papa, produz frutos de outro nível: “Amor, Alegria, Paz, Generosidade, Benevolência, Fidelidade, Mansidão, Domínio de si. Este é o nosso caminho rumo ao Céu ... Peçamos ao Senhor a graça de estarmos atentos a este selo, a esta nossa identidade, que não é somente promessa, mas que já temos em mãos como antecipação”.

Para esta semana propomos a leitura/meditação da Introdução da Exortação Apostólica “A Alegria do Evangelho” (Nº 1 a 18) e a percebermos quais os desafios lançados pelo Papa Francisco a cada um de nós de modo a não sermos cristãos “mornos”.

Diácono Carlos Manuel Borges



VIDA PAROQUIAL

1.    Encontro com os Ministros Extraordinários da Sagrada Comunhão

No próximo dia 29 de Outubro, às 21:30 horas, vai ter lugar, na Igreja Paroquial, um encontro com os Ministros Extraordinários da Sagrada Comunhão.

2.    Encontro de Formação com Pais das Crianças e Adolescentes da Catequese de Barcarena

Na próxima Sexta-Feira, dia 31 de Outubro, às 21:00 horas, na Igreja Paroquial, vai ter lugar um Encontro com os Pais das Crianças e Adolescentes que frequentam a Catequese, subordinado ao tema “Uma Igreja em saída”. Apelamos à participação de todos.

3.    Catequese de Adultos (Preparação para o Crisma)

As inscrições para a Catequese de Adultos na Paróquia  podem ser feitas, até ao final de Outubro, no Cartório Paroquial, no seu horário normal de funcionamento.

4.    Horário das Missas na Paróquia, no dia 1 de Novembro

No próximo Sábado, dia 1 de Novembro, Solenidade de Todos os Santos, o horário das Missas na Paróquia é o seguinte:

Leceia – 9:30 horas; Tercena – 19:00 horas; Queluz de Baixo – 19:15 horas.

Haverá ainda Missa no Cemitério de Barcarena, às 16:00 horas.

Esta Missa está marcada, no Calendário Paroquial, para o dia 2 de Novembro mas, a pedido da Junta de Freguesia, foi antecipada para o dia 1 de Novembro. Por haver esta Missa, no Cemitério de Barcarena, a Missa que está agendada no Calendário Paroquial, para as 18:00 horas, na Igreja Paroquial, será cancelada

5.    Noite de Oração organizada pelo Grupo de Jovens

No próximo Sábado, dia 1 de Novembro, às 21:30 horas, terá lugar, na Capela de S. Sebastião, uma Noite de Oração organizada pelo Grupo de Jovens. Todos são convidados a participar.

6.    Encontro de Crismados e Crismandos na Paróquia de Algés

No próximo dia 9 de Novembro, às 15:00 horas, vai ter lugar, na Paróquia de Algés, um Encontro Vicarial de Crismados e Crismandos. Pedimos aos Catequistas que acompanharam os Jovens que foram Crismados, em Junho passado, e aos Catequistas que acompanham os Jovens do 10º Catecismo que mobilizem os Jovens da nossa Paróquia no sentido de participarem, massivamente, neste Encontro Vicarial.


©2019 Paróquia de São Pedro de Barcarena