Recentes



Nº76 05-10-2014

Anteriores

Nº76 - 05-10-2014

NA BARCA DA FÉ

 

CRISTO: PEDRA QUE DESPEDAÇA OS NOSSOS ÍDOLOS

O último versículo do Salmo 137 – o célebre canto do exilado – é sempre cuidadosamente ignorado. Depois do pungente apelo ao pranto dos deportados ao longo dos rios da Babilónia, o poeta, dirigindo-se à cidade sanguinária, exclama: “Feliz de quem agarrar nas tuas crianças e as esmagar contra as rochas!” (Sl 137, 9) Não menos embaraçoso é o versículo que conclui a parábola do Evangelho deste Domingo e que não consta do texto do leccionário. Referindo-se a Cristo – a pedra que os construtores rejeitaram e que Deus pôs como pedra angular – o evangelista comenta: “Quem cair sobre esta pedra, ficará despedaçado; aquele sobre quem ela ficar, ficará esmagado.” (Mt 21, 44)

São imagens desconcertantens, mas que de repente se iluminam se as virmos como referência à cena descrita no livro de Daniel; uma pedra – sem intervenção de mão humana – desprende-se da montanha e atinge uma estátua colossal, de aparência esplêndida mas terrível, que cai e se desfaz. (Cf. Dan 2, 31-35) É o ídolo que, na sua insensatez, o homem construiu e do qual já não consegue libertar-se; é a sociedade injusta, corrupta e desumana que criou para si mesmo e da qual acaba por ser vítima.

Cristo e o Seu Evangelho são «a pedra» lançada por Deus contra esta estrutura monstruosa, são «a pedra» que desaz as lógicas deste mundo, as astúcias, as espertezas e, sobretudo, as imagens insensatas que os homens fizeram de Deus. Contra esta pedra estão destinados a desfazerem-se os projectos dos ímpios e “a esmagarem-se os seus filhos”: quer isto dizer que os maus não terão descendência, ficaram sem posteridade, sem futuro, porque Deus fará desaparecer do mundo novo todos os operadores de iniquidade. Esta é a boa notícia!

Os grandes deste mundo – construtores da nova «torre de Babel» - rejeitam esta pedra porque não se adapta aos seus planos, entrava os seus sonhos, provoca a destruição dos seus reinos.

Procuraram e procuram eliminá-la! Mas Deus escolheu-a como rocha de salvação, e quem a põe como alicerce da sua própria vida não será desiludido.

O vosso Pároco,

Padre Mário Faria Silva



VIVER A PALAVRA - XXVII Domingo do Tempo Comum - Ano A

L1 - Is 5, 1-7;
Sal 79 (80), 9 e 12. 13-14. 15-16. 19-20
L 2 - Filip 4, 6-9
Ev - Mt 21, 33-43

Palavras simples, vidas difíceis

As leituras deste Domingo levam-me a reflectir na forma como Deus escolheu transmitir a sua palavra. Na primeira leitura, a minha vida é comparada a uma vinha, da qual Deus toma conta. Esta imagem além de ser muito directa é intemporal.

Muitos praticantes da dúvida sistemática já me interrogaram, diversas vezes, porque é que Deus não fala de forma mais clara, porque é que falou por parábolas, etc. Eu, as razões não as conheço, porque o meu pensamento não podia estar mais longe do de Deus. O que sei é que um profeta, que terá vivido há 27 séculos atrás, deixou-me uma palavra, através da qual Deus confronta-me muito directamente com a seguinte pergunta: “Paulo, eu dou-te tudo em abundância, uma família, trabalho, saúde e tu para me dares alguma coisa é uma dificuldade. Se te peço os teus pecados tu dizes-me que são coisas lá tuas. Se te peço para falares comigo dizes que andas cansado. Queres ou não ser meu filho?”.

Uma coisa não vou poder invocar no dia do juízo final: que Deus me falou ao longo da minha vida de forma encriptada. Nesse instante, terei de certeza à minha frente os profetas e os Santos a lembrarem-me que, ao longo de toda a minha vida, a Igreja mostrou-me qual o caminho a que Deus me convida, na minha passagem por este mundo.

Paulo Leitão



Em Caminhada Sinodal ... Comovendo o coração das multidões!

A preparação para o Sínodo Diocesano que, na nossa Paróquia, arranca solenemente no próximo dia 12 de Outubro, decorrerá ao longo dos próximos dois anos. Em cada trimestre, essa preparação será inspirada num dos capítulos da Exortação Apostólica, irá sempre juntar "oração e acção" e terá como "critério principal" o apelo do Papa para que a Igreja Católica (que significa cada um de nós) saia de si e vá até as periferias onde estão os mais pobres, isolados e esquecidos.

Ao longo desta caminhada sinodal, o número 20 da Exortação aponta-nos a meta:

“Cada cristão e cada comunidade há-de discernir qual é o caminho que o Senhor lhe pede, mas todos somos convidados a aceitar esta chamada: sair da própria comodidade e ter a coragem de alcançar todas as periferias que precisam da luz do Evangelho”.

No dia 23 de Setembro, na homilia da Missa celebrada na Capela de Santa Marta, o Papa Francisco, reflectindo sobre o trecho do Evangelho de Lucas onde se narra que a mãe e os irmãos de Jesus “não podiam aproximar-se por causa da multidão” (Lc 8, 19), apontou-nos um caminho. Começando pela constatação de que Jesus passava a maior parte do Seu tempo “na rua com as pessoas”, o Santo Padre frisou que, entre os muitos que O seguiam, havia pessoas que reconheciam nele “umaautoridade nova, um modo de falar novo, sentiam a força da salvação que Ele oferecia”. E, continua o Papa: “Era o Espírito Santo que comovia o coração das multidões”.

Se, nesta nossa Caminhada Sinodal, queremos “comover o coração dasmultidões”, o Santo Padre exorta-nos a “ouvir, verdadeiramente, a Palavra, na Bíblia e no Evangelho”, meditando asEscrituras para pôr em prática, na nossa vida diária, os seus conteúdos. Mas, esclareceu: “Folhear o Evangelho,superficialmente, não é ouvir a Palavra de Deus. É ler a Palavra de Deus, como se lê uma banda desenhada. Ouvir a

Palavra de Deus é ler e questionar-se: O que é que isto diz ao meu coração? O que é que Deus quer dizer-me com esta Palavra?”.

Só assim a nossa vida muda e “comove os corações”!

“Ouvir a palavra de Deus significa ouvi-la com os ouvidos e com o coração, significa abrir o coração à palavra de Deus”. 

Diácono Carlos Manuel Borges



VIDA PAROQUIAL

1. Informações relativas à Catequese

Inscrições das Crianças que vão frequentar a Catequese pela 1ª vez

No Cartório Paroquial (horário normal de funcionamento), ou junto das Coordenadoras da Catequese em cada Comunidade, continuam abertas as inscrições das crianças que vão frequentar a Catequese pela primeira vez.

Entrega de Catecismos

Os Catecismos vão ser distribuídos nas Sessões de Catequese deste fim de semana (4 e 5 de Outubro). Aos Pais é pedida uma contribuição de 10€ (7 € para o Catecismo; 2,5 € para o Seguro; 0,5 € para Material).

Compromisso dos Catequistas e das Crianças da Catequese em Queluz de Baixo

No próximo Sábado, dia 11 de Outubro, na Missa Vespertina das 19:15 horas, os Catequistas e as Crianças da Catequese de Queluz de Baixo vão fazer o seu Compromisso.

2. Catequese de Adultos (Preparação para o Crisma)

As inscrições para a Catequese de Adultos na Paróquia (Preparação para os Sacramentos da Iniciação Cristã, 1ª Comunhão e Crisma) podem ser feitas no Cartório Paroquial, no seu horário normal de funcionamento. O início desta Catequese está agendado para o mês de Novembro.

3. Encontros de Formação Cristã (Caminho Neocatecumenal)

Todas as Segundas e Quintas-Feiras, às 21:30 horas, no Centro de Infância de Tercena, estão a decorrer Encontros de Formação Cristã orientados pelo Caminho Neocatecumenal e destinados a Jovens e Adultos. Todos estão convidados a participar nestes Encontros.

4. Encontro com os Agentes da Pastoral da Família

Na próxima Sexta-Feira, dia 10 de Outubro, às 21:30 horas, na Igreja de Rio de Mouro, vai ter lugar um encontro com os Agentes da Pastoral da Família. Estão convidados a participar neste encontro os casais da nossa Paróquia.

5. Abertura Solene do Sínodo Diocesano na nossa Paróquia

Na nossa Paróquia, a Abertura Solene do Sínodo Diocesano vai ter lugar nas seguintes Missas Dominicais: Queluz de Baixo, dia 12 de Outubro, às 9:00 horas; Tercena, dia 12 de Outubro, às 10:30 horas; Barcarena, dia 12 de Outubro, às 12:00 horas; Valejas, dia 19 de Outubro, às 10:30 horas; Leceia, dia 26 de Outubro, às 11:00 horas. 


©2019 Paróquia de São Pedro de Barcarena