Recentes



Nº72- 13-07-2014

Anteriores

Nº72 - 13-07-2014

NA BARCA DA FÉ

 

ENTRE O CÉU E A TERRA…. «A PALAVRA»

Que confiança merece a “palavra do homem”?

Não muita. Desconsolado e desiludido, o salmista dizia: “A lealdade desapareceu de entre os filhos dos homens. Mentem uns aos outros, na sua língua só há engano, só há duplicidade no seu coração” (Sl 12, 2-3). Hoje em dia, a palavra continua a não ter muito valor: não se acredita em promessas, só há garantias de cumprimento quando os acordos são escritos e assinados… “Factos, não são palavras” é uma expressão que muitas vezes se ouve.

É também assim a “Palavra de Deus”?

No primeiro capítulo do Génesis é repetido 10 vezes este refrão: “Deus disse… e assim aconteceu”. “A Palavra do Senhor criou os céus. Ele disse e tudo foi feito, Ele ordenou e tudo foi criado”. (Sl 33, 6.9). A Sua Palavra não é como a do homem; é viva e eficaz, faz aquilo que anuncia, não mente nem desilude.

A mística grega propunha que se entrasse em relação com Deus através de visões, êxtases, arrebatamentos, transes paroxísmicos; a espiritualidade bíblica põe em primeiro lugar a escuta, porque está certa de poder depositar uma confiança absoluta na Palavra do Senhor.

“Escuta Israel” – é a oração preferida pela piedade judaica (Deut 6, 4). “Ouvi a Palavra do Senhor” - recomendam os profetas (Is 1, 10; Jer 11, 3). “O Senhor não se compraz tanto nos holocaustos e sacrifícios como na obediência à Sua Palavra” – diz Samuel (1Sam 15, 22). “Não quisestes sacrifícios nem oblações, mas abriste-me os ouvidos para escutar” – afirma o salmista (Sl 40, 7).

Na Bíblia, escutar não significa receber uma comunicação ou uma informação, mas aderir a uma proposta, acolher, guardar no próprio coração e pôr em prática. Equivale a depositar confiança em Deus.

Quem escutar a Sua Palavra com estas disposições é bem-aventurado (Lc 11, 28).

O vosso Pároco,

Padre Mário Faria Silva



VIVER A PALAVRA - XV DOMINGO do Tempo Comum

Is 55, 10-11; Sal 64 (65), 10abcd. 10e-11. 12-13. 14;  Rom 8, 18-23;  Mt 13, 1-23 ou Mt 13, 1-9

As leituras desta semana fazem-me recordar uma homília do Padre Mário onde personagens davam corpo a defeitos e virtudes humanas. Neste caso particular o Evangelho fala-me de quatro personagens cujos nomes são: Sabichão, Inconstante, Preocupado e Feliz. No meu dia a dia encarno todas elas. Torno-me no Sr. Sabichão, em especial, quando tento justificar as minhas más acções ou quando oiço a palavra de Deus como algo que já ouvi ou não dou a devida atenção aos conselhos das pessoas que me amam “Quando um homem qualquer ouve a palavra do Reino e não a entende, vem o Maligno e arrebata o que lhe  estava semeado no coração.” (Mt 13, 19). O Sr. Inconstante surge quando oiço uma catequese que me toca muito ou participo num retiro que me revela algo novo e nas semanas seguintes volto a fazer os mesmos erros e asneiras recorrentes “O que recebeu a semente em sítios rochosos é aquele que ouve a palavra e logo a recebe com alegria. Não tem, contudo raiz em si próprio, é inconstante, e, ao chegar a tribulação ou a perseguição por causa da palavra, logo sucumbe.” (Mt 13, 20-21). A personagem que tem uma presença mais assidua na minha vida é o Sr. Preocupado. Esta personagem vive sempre no futuro, o presente não existe para ele. O que interessa é prever, analisar as opções e as consequências “O que recebeu a semente nos espinhos é aquele que ouve a palavra, mas os cuidados deste mundo e a sedução das riqueza sufocam a palavra, e esta fica sem fruto.” (Mt 13, 22). Finalmente surge uma personagem que tende a ser mais um figurante que uma personagem principal na minha vida. Esta personagem de nome Sr. Feliz surge nas raras vezes em que me esqueço de mim e me foco nos outros ou quando ganho coragem e faço figura de tolo e falo das maravilhas que Jesus Cristo fez na minha vida ao meu próximo “E o que recebeu a semente em boa terra é aquele que ouve a palavra e a entende. Esse é que frutifica e produz ora cem sementes, ora setenta, ora trinta.” (Mt 13, 23).

Paulo Chambel Leitão



Vem, quero ver o Teu rosto!

Aproxima-se o tempo de férias e esta é a última Folha Paroquial que, semana após semana, nos tem acompanhado. Reiniciaremos a sua publicação, se Deus quiser, em meados de Setembro.

Escolhi como “desafio” para o tempo de descanso que se aproxima: Vem, Senhor! Vem, quero ver o teu rosto!”.

Escolhi como “desafio” para o tempo de descanso que se aproxima: “Viver vigilantes a vinda do Senhor!”.

Neste tempo de descanso vamos dar espaço para Jesus!

Dar lugar a Jesus, não ao correr de um lado para outro, não às compras, não ao barulho das festas …

O desafio para este tempo de férias é:

Estar vigilantes e preparados para a vinda do Senhor!

Pedir este Vem, Senhor Jesus!

Abrir a nossa alma para estar vigilante, à espera!

Abrir a nossa alma para que seja uma alma grande para receber Jesus!

Estamos a iniciar a “Caminhada Sinodal” no Patriarcado de Lisboa. Que este tempo de descanso seja, também, para cada um de nós, um tempo dedicado à oração porque: “O segredo para que o Sínodo seja um autêntico evento de graça para a Igreja de Lisboa é a oração …”.

Além disso, na oração acontece o nosso encontro com Jesus … Na oração contemplamos o Seu rosto.

Como sugestão de leitura/meditação para o tempo de férias, nada melhor que a Exortação Apostólica do Papa Francisco “A Alegria do Evangelho”.

Diácono Carlos Manuel Borges



VIDA PAROQUIAL

1.    Férias de Verão do Pároco e do Diácono

O Pároco estará de férias entre 1 e 17 de Agosto. Durante este período, o serviço à Paróquia será assegurado pelo Diácono.

O Diácono estará de férias entre 18 e 31 de Agosto. Durante este período, o serviço à Paróquia será assegurado pelo Pároco.

2.    Alterações ao horário das Celebrações da Missa durante o Verão

Igreja Paroquial (Barcarena) – Durante o mês de Agosto, as Missas Feriais (Terça e Quinta-Feira), às 19:00 horas, serão canceladas.

Igreja de Leceia – Durante os meses de Julho e Agosto, a Missa às 9:30 horas de Sábado será cancelada.

Igreja de Tercena – Durante o mês de Agosto, as Missas Feriais (Terça a Sexta-Feira), às 9:30 horas, e a Missa Vespertina de Sábado, às 19:00 horas, serão canceladas.

Igreja de Queluz de Baixo – Durante o mês de Agosto, as Missas Feriais (Quarta e Sexta-Feira), às 19:00 horas, e a Missa Vespertina de Sábado, às 19:15 horas, serão canceladas.

Igreja de Valejas – Devido às férias do Pe António, deixará de haver a Missa Dominical das 10:30 horas. Recomeçará em Setembro, em data a anunciar.

3.    Cartório Paroquial – Horário no mês de Agosto/Setembro

Durante o mês de Agosto, o Cartório Paroquial estará encerrado entre 18 de Agosto e 1 de Setembro. Em caso de urgência, pode sempre entrar em contacto com o Pároco ou com o Diácono.

4.    Workshops de Verão – Escola de Música

A Escola de Música de Barcarena criou este ano dois workshops de Verão destinados a adultos, os quais terão lugar nos dias 25 e 26 de Julho no Centro Jovem, em Queluz de Baixo.

No dia 25 de Julho, pelas 18:30 horas, abordar-se-à a temática da Musicoterapia. Este workshop procurará sensibilizar e dar a conhecer as aplicações terapêuticas e promotoras de bem-estar da musicoterapia, etc.

A inscrição neste workshop é gratuita e obrigatória.

No dia 26 de Julho, às 11:00 horas, será a vez de explorar o papel da Música e Terapia na Criança e na relação mãe/bebé. Este workshop terá uma inscrição no valor de 10,00 € (dez euros).

As inscrições já estão abertas e o prazo termina no dia 20 de Julho!

O número de vagas é limitado.


©2019 Paróquia de São Pedro de Barcarena