Nº49 - 02-02-2014

Anteriores

Nº49 - 02-02-2014

NA BARCA DA FÉ

 

APRESENTAÇÃO DO SENHOR

Olhemos, de perto, para a figura da profetisa Ana, que nos apresenta o Evangelho deste Domingo (Lc 2, 36-38).

Ana foi uma mulher fiel ao marido, até ao ponto de não ter voltado a casar. A sua escolha tem para S. Lucas um significado teológico profundo: ela é o símbolo do resto fiel do povo de Deus, a esposa do Senhor. Na sua vida, Ana teve um só amor e, depois, viveu no luto da viuvez até ao dia em que reconheceu em Jesus o seu Senhor. Então alegrou-se de novo, como a esposa que reencontra o seu esposo.

Ana não se afasta do Templo, porque é essa a casa do seu Esposo. Não vai à procura de amantes, não tem tempo a perder, não vai de casa em casa para passar tempo em tagarelices inúteis, em bisbilhotices ou maledicências. Sabe que os dias da sua vida são preciosos e devem ser passados na intimidade com o seu Senhor e ao serviço da comunidade.

As pessoas idosas nunca se sentem inúteis quando vivem na espera da vinda do Senhor. Terão sempre imensos serviços humildes, mas preciosos, a prestar aos irmãos e, sobretudo, têm, como a profetisa Ana, a missão de falar de Jesus a todos aqueles que procuram um sentido e uma perspectiva alegre para a própria vida.

O vosso Pároco,

Padre Mário Faria Silva



VIVER A PALAVRA - IV DOMINGO do Tempo Comum

Mal 3, 1-4; Sal 23 (24), 7, 8, 9, 10; Hebr 2, 14-18; Lc 2, 22-40

“Vou enviar o meu mensageiro, para preparar o caminho diante de Mim” (Mal 3, 1a). Transpondo esta dinâmica do mensageiro e do caminho para a minha vida, Deus vem ao meu encontro permanentemente para que eu me prepare para a vida eterna. Este encontro tem uma função: “libertar aqueles que estavam a vida inteira sujeitos à servidão, pelo temor da morte” (Heb 2, 15). Libertar-me a mim, portanto.

Não é fácil aceitar esta realidade de que sou escravo do pecado, necessitado de purificação como se purifica o ouro e a prata através do fogo. A minha natureza não aceita isto facilmente. Mas são estas as imagens bíblicas para me mostrar o plano de Deus para mim. Tudo passa por entrar neste eterno movimento que Deus induz na humanidade: transformar a natureza humana em natureza divina.

Por isso também a imagem do barro nas mãos do oleiro, da pedra nas mãos do escultor, do Pai que adopta filhos que, obviamente, não são da sua carne, da sua natureza. A imagem dos filhos adoptados é muito rica porque admite a possibilidade de estes filhos recusarem a adopção que lhes é dada. Sou verdadeiramente livre, posso recusar ser purificado pelo fogo, moldado como o barro ou esculpido. Posso escolher a escravidão, pelo temor às mudanças que Deus pode fazer na minha vida.

Ou posso abrir as portas do meu coração para entrar o “Rei da glória”, o “Senhor forte e poderoso, o Senhor poderoso nas batalhas”, que vence aquele que me domina e me vem mostrar o caminho da vida. Este caminho não é certamente o que eu escolheria, o que estava nos meus planos juvenis ou mesmo nos meus planos já maduros. É um caminho que se vai revelando todos os dias de acordo com o ritmo que Deus vai marcando. De acordo com os mensageiros e as mensagens que Ele vai enviando. Também Maria e José foram entrando na história desta maneira: escutando os mensageiros de Deus, como nos relata o evangelho de hoje.

Louvado seja Deus que a cada Domingo me dá a sua Palavra como luz para o meu caminho!

Zé Chambel Leitão



O difícil caminho do “bom cristão”

O Apóstolo Pedro numa das muitas conversas que, certamente, teve com Jesus pergunta-Lhe: Senhor, se o meu irmão me ofender, quantas vezes lhe deverei perdoar? Até sete vezes? Jesus respondeu: Não te digo até sete vezes, mas até setenta vezes sete”. (Mt 18, 21-22) Jesus não pretende indicar um limite matemático, fazendo pensar que devemos perdoar 490 vezes e, a partir daí, ficamos livres para nos podermos vingar. Não! Jesus exclui em absoluto o sentimento de vingança e diz-nos que devemos perdoar sempre, sem limites.

Como cristãos, somos chamados a agir à maneira de Jesus que nos ensina uma forma nova de amar: Não oponhais resistência ao mau”, (Mt 5, 39) e ainda: “Amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem. … Se amais os que vos amam, que recompensa haveis de ter? … Sede perfeitos como é perfeito o vosso Pai celeste”. (Mt 5, 44-48) Jesus realizou plenamente estas palavras na Sua vida.

Saber perdoar verdadeiramente é um dos desafios mais difíceis de atingir. Muitos são capazes de grandes actos de altruísmo, mas poucos são capazes de perdoar. Experimentamo-lo todos os dias nas relações familiares, com os amigos, com os colegas de trabalho … De Jesus, porém, aprendemos que o nosso esforço para perdoar deve ser ilimitado. Quem perdoa de acordo com os ensinamentos de Jesus deve ser capaz de perdoar generosa e gratuitamente, deve ser capaz de perdoar sempre e em qualquer situação.

Mas, o que é o perdão?

Bento XVI dá-nos a resposta: “Perdoar não é ignorar, mas transformar: Deus deve entrar neste mundo e opor ao oceano da injustiça um oceano maior, um oceano de bondade e de amor”. (Bento XVI, Celebração de Vésperas, Catedral de Aosta, 24 de Julho de 2005)

“Não há justiça sem perdão” - recorda Bento XVI - mas, ao mesmo tempo, O perdão não substitui a justiça” e não significa “negação do mal” … O conceito de perdão no Cristianismo faz nascer um conceito novo de justiça” que não se limita a punir, mas que reconcilia e cura.

“Deus não se cansa de nós, nunca se cansa de ter paciência connosco e, mediante a sua misericórdia imensa, precede-nos sempre, é o primeiro que vem ao nosso encontro”. (Bento XVI, Audiência Geral, 30 de Maio de 2012)

A atitude para esta semana é: Transforma … a morte em vida! E a proposta: Perdoar a alguém e rezar por essa pessoa!

Diácono Carlos Manuel Borges



VIDA PAROQUIAL

1.    Curso de Formação Litúrgica

O Secretariado Permanente do Conselho Pastoral programou um Curso de Formação Litúrgica a funcionar na nossa Paróquia.

Este Curso destina-se, sobretudo, a Leitores, Ministros Extraordinários da Sagrada Comunhão, Zeladores, Conselho Pastoral Paroquial, Catequistas, estando também aberto a outros Cristãos empenhados e que nele queiram participar.

O Curso terá 4 Sessões (1 Sábado por mês, das 14:00 às 18:30 horas, durante quatro meses).

A 1ª Sessão, “Festa da Liturgia”, será no próximo dia 22 de Fevereiro.

As inscrições devem ser feitas, até ao dia 8 de Fevereiro, no Cartório Paroquial, dentro do seu horário normal de funcionamento, ou por mail ( Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. ).

O Curso é gratuito. O número de inscrições é limitado.

Nos placards de Avisos pode ser consultada informação adicional.

 

2.    Receita dos Oratórios da Sagrada Família – Queluz de Baixo

Durante o Ano de 2013, as ofertas recolhidas nos Oratórios da Sagrada Família (Comunidade de Queluz de Baixo) totalizam 110,00 €. Esta verba foi, na sua totalidade, encaminhada para a Pastoral Sócio Caritativa.

 

3.    Exposição do Santíssimo em Queluz de Baixo

Na próxima Sexta-Feira, dia 7 de Fevereiro, entre as 18:00 e as 18:45 horas, haverá exposição do Santíssimo na Igreja de Nossa Senhora de Fátima, Queluz de Baixo.

 

4.    Catequese de Adultos

Na próxima Sexta-Feira, às 21:00 horas, na Igreja Paroquial, haverá Catequese de Adultos (Preparação para os Sacramentos de Iniciação Cristã e Crisma).

 

5.    24ª Peregrinação dos Missionários da Consolata a Fátima

No próximo dia 15 de Fevereiro vai realizar-se a 24ª Peregrinação dos Missionários da Consolata a Fátima.

Em Queluz de Baixo e Tercena estão a ser organizados autocarros. Se desejar participar nesta peregrinação contacte, por favor, os Zeladores de Queluz de Baixo ou Tercena.

O preço do autocarro é de 10 € e, caso pretenda almoçar, o custo é de 7,5 €. O pagamento deverá ser feito na altura da inscrição.

A partida dos autocarros será às 7:30 horas, nos locais habituais.


©2019 Paróquia de São Pedro de Barcarena