Nº31 - 29-09-2013

Anteriores

Nº31 - 29-09-2013

NA BARCA DA FÉ

 

DEUS: O AMIGO DOS POBRES

No Evangelho hoje proclamado (Lc 16, 19-31), Jesus quer dizer-nos, antes de mais, que o facto de neste mundo haver duas classes de pessoas – os ricos e os pobres - é contra o projecto de Deus. Os bens foram dados para todos e quem tem mais deve partilhá-lo com quem tem menos ou não tem nada, de maneira que haja igualdade (cf. 2Cor 8,13) e para que a todos sejam criadas condições de vida dignas da pessoa humana.

Comentando esta parábola, S. Ambrósio, um bispo dos primeiros séculos, dizia: “Quando dás alguma coisa ao pobre, não lhe dás aquilo que é teu, restituis-lhe apenas o que já é seu, porque a terra e os bens deste mundo são de todos, não dos ricos”.

Hoje, a economia do mundo não está estruturada segundo o projecto de Deus: 80% dos recursos estão nas mãos de 25% da população. Poderá um cristão aceitar esta situação? Nos nossos corações alimentaremos ou não a mesma aversão que Deus sente contra as injustiças e a desigualdade?

Cada um de nós deve empenhar-se em mudar o «coração de rico» que traz consigo. Se cada um continuar com um coração egoísta e não tiver a coragem de partilhar o pouco que tem com quem é mais pobre, não construiremos nunca esse mundo novo em que não haja ricos e pobres que disputam avidamente os bens, mas só irmãos que partilham os dons do Pai.

O vosso Pároco,

Padre Mário Faria Silva



VIVER A PALAVRA - DOMINGO XXVI do Tempo Comum, Ano C

Am 6, 1a.4-7; Sal 145 (146), 7-10; 1 Tim 6, 11-16; Lc 16, 19-31

Conquista a vida eterna, para a qual foste chamado” (1 Tim 6,12) escreve S. Paulo a Timóteo. É o grande desafio que cada um de nós tem pela frente!

As leituras do Profeta Amós e de S. Lucas deste domingo dão o exemplo de como se pode perder a vida eterna: “Deitados em leitos de marfim”, bebendo “vinho em grandes taças”, “perfumando-se com finos unguentos”, vestindo “púrpura e linho fino e banqueteando-se esplendidamente todos os dias”, desprezando em simultâneo os pobres.

Mestre, que farei de bom para ter a vida eterna?” (Mt 19, 16) perguntou a Jesus certa vez um homem rico que afirmava já cumprir com os mandamentos da lei de Deus. “Vende tudo o que tens, distribui aos pobres e terás um tesouro nos céus; depois vem e segue-me” (Lc 18,22). Ter a vida eterna passa com certeza por uma vida simples a que eu sou chamado como cristão. Hoje como sempre, o apelo das riquezas é fortíssimo. Mas o Senhor convida-me a fazer um tesouro no céu, onde os ladrões não roubam e a traça não corrói. É o elogio da pobreza? Não! É que onde estiver o meu tesouro, aí estará seguramente o meu coração. O Senhor sabe como sou frágil e facilmente me deixo levar pelo ídolo do dinheiro.

Mas será que o Senhor sabe que preciso de comer, beber, vestir? “De facto, são os gentios que estão à procura de tudo isso: o vosso Pai celeste sabe que tendes necessidade de todas essas coisas. Buscai, em primeiro lugar, o Reino de Deus e a sua justiça, e todas essas coisas vos serão acrescentadas” (Mt 6, 32-33).

Zé Chambel Leitão



Ao terminar do Ano da Fé…

A encerrar o Ano da Fé, a nossa Paróquia, juntamente com todas as Paróquias da Vigararia de Oeiras, é convidada a dirigir-se em Peregrinação ao Santuário de Nossa Senhora da Conceição da Rocha (Domingo, dia 6 de Outubro, concentração na rotunda de Queijas, às 15:00 horas).

Há um ano atrás, ao mesmo tempo que convocava o Ano da Fé que está a “terminar”, Bento XVI convidava todos os cristãos “a uma autêntica e renovada conversão ao Senhor, único Salvador do mundo” (Porta Fidei, Nº 6).

Por Decreto de Sua Eminência o Cardeal Patriarca Emérito de Lisboa, D. José da Cruz Policarpo, os fiéis que, durante o ano da Fé, visitarem o Santuário de Nossa Senhora da Conceição da Rocha “em forma de peregrinação … para ali participarem nalguma função sagrada” podem receber a “Indulgência Plenária da pena temporal para os próprios pecados, concedida pela misericórdia de Deus, aplicável em sufrágio pelas almas dos fiéis defuntos”, no modo estabelecido pela Igreja, ou seja, desde que estejam verdadeiramente arrependidos, devidamente confessados, que tenham comungado sacramentalmente e que rezem segundo as orações do Santo Padre”.

Um pouco da história do Santuário de Nossa Senhora da Conceição da Rocha!

Tudo começa a 28 de Maio de 1822!

Sete crianças que brincavam na margem direita do Rio Jamor, num local conhecido como Casal da Rocha, avistam um melro. Ao tentarem apanhá-lo encontram um coelho que se meteu numa toca (uma gruta funerária com vestígios de ossadas humanas).

Três dias depois, a 31 d Maio de 1822, nessa mesma toca encontraram uma pequenina Imagem de Nossa Senhora da Conceição (Padroeira de Portugal) a que o povo acrescentou da Rocha, por referência ao local.

A descoberta foi rapidamente divulgada e muita gente acorreu àquele local para prestar culto à Imagem de Nossa Senhora da Conceição (da Rocha).

Nessa altura o nosso País vivia momentos muito difíceis. A Imagem encontrada na Gruta da Rocha constituiu “sinal” de esperança.

D. João VI, considerando que aquele lugar não era próprio para o culto, mandou transladar a Imagem para a Sé Patriarcal de Lisboa, onde permaneceu 61 anos.

Em 1883, Tomás Ribeiro, um homem de Fé, conseguiu que o Governo da transladasse a Imagem para a Igreja de S. Romão de Carnaxide.

Passados dez anos (em 1893), na presença da Rainha D. Amélia, é inaugurado o Santuário de Nossa Senhora da Conceição da Rocha (cujo altar-mor se situa por cima da gruta) a Imagem é transladada definitivamente para este Santuário.

Carlos Manuel Borges



VIDA PAROQUIAL

1.    Catequese

Início da Catequese

Como tem sido anunciado, este fim-de-semana inicia a Catequese nas diferentes Comunidades.

Os Catecismos poderão ser adquiridos pelos Pais, nas diferentes Comunidades, no fim-de-semana de 5 e 6 de Outubro.

Inscrições

Os Encarregados de Educação das crianças que vão frequentar a Catequese pela primeira vez, que ainda não fizeram a respectiva inscrição, ainda o podem fazer, antes e depois das Missas Vespertinas e Dominicais junto das Coordenadoras da Catequese de cada Comunidade.

 

2.    Encerramento do Ano da Fé na Vigararia de Oeiras

A encerrar o Ano da Fé, a nossa Paróquia, juntamente com todas as Paróquias da Vigararia de Oeiras, é convidada a dirigir-se em Peregrinação ao Santuário de Nossa Senhora da Conceição da Rocha.

O ponto de encontro para a nossa Paróquia é na Rotunda de Queijas, às 15:00 horas. Dali partiremos, em peregrinação, para o Santuário, onde, às 16:00 horas, o Senhor Bispo Auxiliar de Lisboa fará a Consagração da Vigararia e das Paróquias a Nossa Senhora.

Apelo a que todos os Paroquianos participem nesta Peregrinação.

 

3.    Celebração em Queluz de Baixo (despedida da Irmã Maria da Graça e da Irmã Ilda)

As Irmãs Maria da Graça (Irmã Gracinha) e a Irmã Ilda vão deixar a Comunidade das Irmãs Canossianas, em Queluz de Baixo, e ser transferidas para outras Comunidades.

A estas Irmãs, que doaram muito da sua vida à Paróquia de S. Pedro de Barcarena, o nosso Muito Obrigado!

Na próxima 3ª Feira, dia 1 de Outubro, pelas 21:00 horas, na Igreja de Nossa Senhora de Fátima (Queluz de Baixo), será celebrada uma Missa de Acção de Graças pela presença destas Irmãs na nossa Paróquia.

Todos os Paroquianos estão convidados a participar nesta Celebração e a, deste modo, manifestar a nossa gratidão à Irmã Gracinha e à Irmã Ilda.

 

4.    Início da Catequese de Adultos (caminho Neocatecumenal)

Na próxima 2ª Feira, dia 30 de Setembro, às 21:30 horas, no Centro de Infância de Tercena, terá início a Catequese de Adultos.

Todos estão convidados a participar nesta Catequese.


©2019 Paróquia de São Pedro de Barcarena